Publicidade

Correio Braziliense

Em biografia, Paula Fernandes fala sobre depressão e rebate críticas

Paula Fernandes lança biografia em que desmistifica impressões criadas sobre ela. A obra foi escrita com Sibelle Pedral


postado em 06/01/2019 06:45 / atualizado em 04/01/2019 17:29

O início humilde e a luta contra depressão fazem parte da biografia da artista(foto: Marlos Bakker/Divulgação)
O início humilde e a luta contra depressão fazem parte da biografia da artista (foto: Marlos Bakker/Divulgação)

 
A mineira Paula Fernandes, 34 anos, foi diversas vezes manchete de tabloides. Nem sempre pelo talento vocal. A cantora foi criticada pelos figurinos, levou fama de mal-humorada e até foi apontada como affair de Roberto Carlos quando participou do especial de Natal do cantor na Rede Globo, em 2010. São histórias como essas que a artista pretende enterrar com o lançamento da biografia Pássaro de fogo: Minha história, escrita por ela em parceria com Sibelle Pedral.

“Esse era um desejo antigo, tanto meu quanto da minha mãe. Nessa era de fake news, a gente achou que era o momento de trazer a minha história verdadeira para as pessoas. Eu queria desmistificar muitas coisas e queria mostrar que, como muitas histórias, é sobre superação. As pessoas muitas vezes acham que o artista é só perfeição, como um robô. É legal poder mostrar esse lado humano da gente, que passamos pelas mesmas dificuldades”, conta Paula Fernandes em entrevista ao Correio.

Na obra, que tem mais de 200 páginas, a artista retrata desde o início da carreira, quando tinha apenas 9 anos, passando pela trajetória musical de sucesso que já lhe rendeu prêmios Grammy, e até aparecer no topo das paradas de países como Portugal. Sobre o processo de produção do material, ela conta que, além de Sibelle, teve ajuda da mãe, Dulce de Souza, que participou reunindo arquivos e dando depoimentos sobre situações de que Paula não se lembrava por ser muito pequena quando deu os primeiros passos na música.
 
Atualmente, Paula Fernandes roda o Brasil com a turnê Jeans e se prepara para o lançamento de canções inéditas (foto: Marlos Bakker/Divulgação)
Atualmente, Paula Fernandes roda o Brasil com a turnê Jeans e se prepara para o lançamento de canções inéditas (foto: Marlos Bakker/Divulgação)
 

“Tem partes (do livro) que foi minha mãe que contou. A nossa relação é fantástica. Ela é minha companheira de vida. Foi a primeira pessoa que me ouviu cantar e, mesmo sem entender de música, teve a percepção que eu poderia ser cantora e foi buscar meios para me levar e ter esse reconhecimento. Ela não mediu esforços e até hoje trabalha comigo”, revela.

Histórias inéditas

Como toda biografia, Pássaro de fogo traz aspectos, até então, não revelados pela cantora, como a luta contra a depressão, os relacionamentos amorosos e o jeito tímido de uma menina que cresceu no interior do Brasil. “Sou muito tímida e sofri muitas críticas durante um tempo a respeito do meu comportamento. Isso fez com que as pessoas tivessem uma impressão distorcida de mim. Agora como que uma criatura que nasceu na roça, que tinha bicho de pé em todos os pés, pode ser antipática e prepotente?”, questiona. E ainda emenda: “Eu sempre tive personalidade forte, sem ela não alcançaria nada. É triste o momento que vivemos de muitos haters. Isso pode atrapalhar muito a vida de uma pessoa honesta e trabalhadora. Por meio do livro, pude trazer minha história real e me colocar do meu jeito. Cheguei onde cheguei honestamente, tenho muito orgulho da minha história”.

A cantora também faz questão de falar sobre ter sido uma das poucas mulheres na música sertaneja no período em que estourou. “Acho que culturalmente a mulher vive preconceitos desde que o mundo é mundo. Mas estamos aí atingindo e alcançando espaços. Fico feliz de ter contribuído na abertura desse espaço hoje trilhado pelo feminejo. Quando eu surgi, havia pelo menos 10 anos que uma mulher não estourava no mercado”, lembra.

Nova turnê

Ao mesmo tempo em que lança a biografia, Paula Fernandes roda o país com a turnê intitulada Jeans, que teve início em setembro em São Paulo. A série de shows tem esse nome porque a peça de roupa não pode faltar no guarda-roupa da mineira. “A turnê nasceu pelo meu amor ao jeans, que é um tecido democrático, que atinge todas as classes, independentemente de qualquer coisa. O que eu quis dizer (com esse nome) é que o jeans é atemporal, assim como a minha música. Sempre cantei o amor, que é atemporal”, classifica.

Questionada se é uma pessoa ligada à moda, a cantora diz que isso é algo recente. “Na verdade, sofri críticas a respeito dos meus looks. Eu não tinha um direcionamento no início da carreira. Eu gostava de roupas que mostrassem minha personalidade e também sempre fiz shows teatrais. Fazia parte do show, mas isso era confundido pelas pessoas, como se eu só vivesse assim. Agora eu tenho uma stylist e passei a me inteirar um pouco mais sobre moda. Sei das tendências, mas é ela que me dá direcionamento. Agora tenho uma identidade, gosto, por exemplo, de roupas marcadas na cintura”, explica.

Além da turnê, Paula Fernandes promete novidades. “Fui para Los Angeles gravar. Está bem interessante. Fizemos à moda antiga. Acho que as pessoas vão curtir muito. Tem canções inéditas. Posso dizer que voltei de lá para o Brasil com a minha mala cheia de novidades. Escritório novo, música nova, boy novo”, diz, entre risos, Paula Fernandes sobre os planos para o novo ano.

SERVIÇO
Pássaro de fogo: Minha história
De Paula Fernandes com Sibelle Pedral. Editora Paralela, 216 páginas. Preço médio: R$ 34,90.



Principais sucessos 
• Pássaro de fogo
• Jeito de mato
• Não precisa
• Eu sem você
• Sensações
• Traidor
• Beijo bom
• Um ser amor
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade