Publicidade

Correio Braziliense

Livro reconta a história do selo musical Marcus Pereira

'Discos Marcus Pereira: Uma história musical brasileira', de André Picolatto, apresenta a história deste importante selo independente responsável pelo lançamento do primeiro LP de Cartola


postado em 07/01/2019 08:45 / atualizado em 07/01/2019 08:58


Coletâneas de quatro volumes intitulados Música popular do Nordeste, Música popular do Centro-Oeste e Sudeste, Música popular do Sul e Música popular do Norte, lançados entre 1973 e 1976, foram feitos marcantes do Discos Marcus Pereira, selo independente paulistano que deixou um precioso legado para a cultura popular brasileira.

Mas o que mais chamou a atenção no trabalho desenvolvido pelo bem-sucedido publicitário, que se tornou um sonhador produtor artístico —  dedicando-se ao resgate de manifestações musicais do Brasil —  foi um outro lançamento: o do primeiro e histórico LP de Cartola, em 1976. O genial compositor carioca, à época aos 65 anos, trabalhava como lavador de carro, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

O selo e seu fundador foram objetos de pesquisa do jornalista paranaense André Picolotto, que resultou no livro Discos Marcus Pereira: Uma história musical brasileira. A narrativa tem por base depoimentos e escritos de personagens centrais daquele empreendimento. Ao falar sobre a obra, Aluízio Falcão diz em tom elogioso: “Neste livro, o enredo foi reconstituído com tamanha verdade que eu próprio, um dos seus protagonistas, experimentei a sensação de visitar o passado”. Ele acrescenta: “Algumas portas foram abertas, pessoas reapareceram. Soaram instrumentos, principalmente violas, rabecas e tambores. Emoções antigas vieram à tona. O sonho não acabou.”

Segundo André Picolatto, o livro busca contar uma história que são várias. “É a de Aluízio Falcão, João Carlos Botezelli (o produtor Pelão), e claro, de Marcus Pereira. É a dos primeiros LPs de Cartola, Donga, Paulo Vanzoloni, Quinteto Armorial. E é, sobretudo, a do registro em disco, das trilhas sugeridas por Mário de Andrade, de manifestações folclóricas culturais de todas as regiões do país”.

A música popular brasileira passou a ser objeto do interesse de Picolatto na adolescência. Com frequência ele visitava os sebos em Curitiba, onde morava, e nesses lugares descobriu, por exemplo, os míticos LPs de Cartola, Donga e Elomar e um livro sobre a história do Jogral, bar de propriedade de Marcus Pereira, frequentado por músicos e cantores.

Durante a graduação em jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, Picolatto continuou com as pesquisas. Quando, em 2016, se dedicou ao trabalho de conclusão do curso, não teve dúvida em escolher a Discos Marcus Pereira como tema. “Escrevi uma reportagem e ao apresentá-la fui incentivado pelos professores da banca a publicá-la”, conta. “Aí procurei a Revista de Choro, do Rio de Janeiro, e a fundadora e editora Leonor Bianchi decidiu transformá-la num livro”, acrescenta.

O livro reúne seis capítulos. O primeiro conta a história do LP de Cartola. O segundo foca na atuação de Marcus Pereira como publicitário; o terceiro traz a cartografia sonora do mapa musical do Brasil. Intitulado Sobrevôo, o quarto, que vai de 1974 a 1981, destaca os lançamentos do selo. As notícias publicadas em jornais são mostradas no quinto capítulo; enquanto o sexto se atém ao acervo da gravadora.

“É bom ver um sujeito de vinte e poucos anos, recém-saído da faculdade, entrevistando velhotes para reconstruir a história dolorosa de um fracasso, mas que, antes do fracasso, despertou consciências no Brasil sobre a importância da cultura nativa. A Cultura, nas dobras do tempo, aqui ou acolá sofre derrotas fragorosas, porém, reage teimosamente, como o povo brasileiro. É ler para crer. Nas páginas deste livro há uma lição de esperança”, enaltece Aloízio Falcão.

(foto: Editora Pizindim/Divulgação)
(foto: Editora Pizindim/Divulgação)

Discos Marcus Pereira: uma história musical brasileira
Livro de André Picolatto. Lançamento da Editora Pizindim. Informações pelo site www.revistadochoro.com.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade