Publicidade

Correio Braziliense

Conheça Brenda Lee, a homenageada pelo Google no Dia da Visibilidade Trans

A travesti ativista que aparece no doodle foi morta a tiros por um ex-policial militar e um ex-funcionário em 1996


postado em 29/01/2019 16:26 / atualizado em 29/01/2019 16:25

A ativista completaria 71 anos em 2019(foto: Reprodução/Internet)
A ativista completaria 71 anos em 2019 (foto: Reprodução/Internet)

 
Brenda Lee, militante transexual pelos direitos LGBT+, é o rosto escolhido pelo Google para celebrar o Dia da Visibilidade Trans. 

Carinhosamente chamada de anjo da guarda dos travestis, ela ajudou pessoas infectadas pelo HIV quando pouco se sabia sobre o vírus. Criou a Casa de Apoio Brenda Lee, o "palácio das princesas", em 1986 para oferecer apoio às vítimas da Aids. A partir 1988, o acolhimento a soropositivos que Brenda oferecia passou a contar com convênio em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Estado de São Paulo.

Ela foi assassinada em 28 de maio de 1996, alvejada por tiros na boca e no peito quando estava dentro de uma Kombi na capital paulista. 

O ex-policial militar José Rogério de Araújo Felismino e o então funcionário de Brenda Gilmar Dantas Felismino foram presos pela tentativa de aplicar o golpe financeiro que resultou na morte da ativista.

Brenda foi homenageada em 2008 com o Prêmio Brenda Lee para celebrar o Dia Mundial de Combate à Aids e aniversário do Programama Estadual DST/Aids do Estado de São Paulo.

Visibilidade

 

A data celebra a primeira campanha de travestis e transexuais promovida em 2004(foto: Reprodução/Google)
A data celebra a primeira campanha de travestis e transexuais promovida em 2004 (foto: Reprodução/Google)
 


O Dia da Visibilidade Trans é comemorado em 29 de janeiro desde 2004, ano em que 27 travestis e transexuais entraram no Congresso Nacional para lançar a campanha "Travesti e Respeito" organizada pelo departamento de DST, AIDS e Hepatites do Ministério da Saúde. Trata-se da primeira campanha de âmbito nacional reinvindicando respeito a ser idealizada e organizada pelas próprias trans.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade