Publicidade

Correio Braziliense

Chega ao DF a primeira edição do festival Brasília é um espetáculo

Oito espaços culturais do Distrito Federal participam do festival que vai levar aos palcos 26 peças teatrais


postado em 06/02/2019 07:00 / atualizado em 05/02/2019 19:59

A peça Tabus está na programação do Espaço Cultural Imaginário, em Samambaia(foto: Humberto Araújo/Divulgação)
A peça Tabus está na programação do Espaço Cultural Imaginário, em Samambaia (foto: Humberto Araújo/Divulgação)

O mês de fevereiro costuma ser mais esvaziado em relação à programação na cidade. O motivo é o período de férias e a proximidade com o carnaval, que, neste ano, será em março. Tentando ser um contraponto a essa tradição, o Instituto Bem Cultural (IBC), responsável pela gestão do Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul), teve a ideia de promover um festival de artes cênicas, o Brasília é um espetáculo, realizado em parceria com outros sete espaços culturais da cidade.

“O nosso coordenador de programação Sérgio Bacelar trouxe essa proposta de se organizar no mês de fevereiro com os demais espaços culturais da cidade para fazer essa mobilização. A ideia surge na verdade de um passado de vários eventos similares”, explica Leonardo Hernandes, coordenador geral do projeto e vice-presidente do IBC. “Tivemos uma campanha de popularização do teatro nos anos 1980 e em cidades como Belo Horizonte e Recife existe esse movimento nas férias de organizar grandes campanhas de popularização das artes”, completa.

Com a ideia em mente, a equipe do Espaço Cultural do Renato Russo entrou em contato com os outros espaços até que chegou aos nomes dos locais que toparam o convite e integram a mostra: Espaço Cultural H2O (Recanto das Emas); Espaço Cultural Bagagem do Gama; Complexo Cultural de Samambaia (Samambaia Sul), Complexo Cultural Dulcina de Moraes (Asa Sul), Teatro Goldoni (Asa Sul), Imaginário Cultural (Samambaia Sul) e Casa dos Quatro (Asa Norte). “Conseguimos organizar esses espaços de mobilização. A nossa ideia é criar esse calendário conjunto para fazer uma rede de comunicação conjunta para divulgar os espaços”, afirma o coordenador do projeto.

Cada espaço entra no festival com uma seleção de espetáculos teatrais, que, ao todo, serão 26 peças em 81 apresentações, que tiveram início no último dia 2 e seguem até 28 de fevereiro. A seleção é formada por montagens da cidade e com o objetivo de descentralizar a cultura e ainda dar circulação às peças.



Descentralização

Dos oito locais, metade são de fora do Plano Piloto, tendo Gama, Recanto das Emas e Samambaia Sul como cenário. A descentralização da mostra também tem o objetivo de mostrar para a cidade que há espaços culturais ativos fora do centro de Brasília. “Essa é a ideia, mostrar esse volume tanto de produção cultural quanto de espaços culturais. Sempre estão falando que Brasília não tem espaços. Temos espaços públicos e privados em várias cidades. As pessoas precisam dar visibilidade para isso”, completa Leonardo Hernandes.

Marília Abreu, coordenadora do Espaço Imaginário Cultural e responsável pela gestão atual do Complexo Cultural de Samambaia, celebra a iniciativa. “A ideia é fazer um corredor cultural e juntar espaços públicos e independentes para uma programação fortalecida e fazer uma circulação dos espetáculos. Topamos de cara, porque a gente julga essa ação muito importante”, defende.

O Espaço Imaginário Cultural receberá a peça Tabus, do grupo Fábrica de Teatro, que fica em cartaz entre 8 e 10 de fevereiro e retrata o estranhamento sobre a cultura de diferentes grupos sociais. Já o Complexo Cultural de Samambaia terá apresentações do espetáculo Quero ser igual a eles, entre 9 e 10 de fevereiro, que mostra o palhaço Zambelê desempregado e levando um caminho solitário.




Seleção

Iniciado no último dia 2, o festival brasiliense é um espetáculo que reúne montagens já conhecidas e outras novatas. No Espaço Cultural Renato Russo, participam da programação Stanisloves-Me, de Simone Reis; Lavanderia Bailarina, de Miriam Virna; O cano, da OperATA; O novo espetáculo, de Similão Aurélio e Grupo Tripé; OvO, do Grupo Udi Grudi; e Três mulheres baixas, de Alexandre Ribondi e Grupo Casa dos Quatro.

Ainda no Plano Piloto, o Teatro Goldoni (208/209 Sul), recebe Lavanderia Bailarina, de Miriam Virna, que estará em circulação; e Até que o amor nos separe, de Antônio Roberto Gerin; Cinco minutos; O prestidigitador, com texto de Nicolás Vergara Grey; e OsDramatikos – Leituras Teatrais.

No Teatro Dulcina, no Conic, são os espetáculos Matéi em Cena – Pedaços de um espelho quebrado, O improvável amor de Luh Malagueta e Mc Limonada, Por dentro do mágico de Oz e “A” trama que sobem ao palco. Já na Casa dos Quatro serão exibidas as peças Profunda superfície e Quando os elefantes saem para passear.

No Recanto das Emas, o Espaço Cultural H2O terá a encenação do espetáculo Cárcere privado (ou Sartre é quem tinha razão), enquanto no Gama, no Espaço Cultural Bagagem, serão as peças Contos, histórias e canções, Contos para acordar e João e o Pé de Feijão que participam da programação.



PROGRAMAÇÃO

O cano
• Espaço Cultural Renato Russo. Dias 2, 3, 9 e 10 de fevereiro, às 17h. O cano é um espetáculo cômico inspirado no número tradicional circense Excêntricos musicais, criado em 1998. É um espetáculo familiar, que encanta tanto o público adulto quanto o infantil. Entrada a R$ 40 (inteira). Livre.

Stanisloves-Me
• Espaço Cultural Renato Russo. Dias 2, 3, 9 e 10 de fevereiro. Sábado, às 20h. Domingo, às 19h. Maria é uma jovem atriz estudante de artes cênicas, obcecada por treinamento e em busca de total aperfeiçoamento metodológico. Uma questionadora ingênua abduzida por certezas estéticas e técnicas, cansada de sofrer por infinitas perguntas e crenças. Entrada a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 12 anos.

Cinco minutos
• Teatro Goldoni. Dias 4 e 11 de fevereiro, às 20h. Um solo poético em uma estética lírica e experimental. Composta a partir de elementos biográficos da intérprete, da busca pelo contato com o espectador e da construção de uma rede de encontros e de afetos. A montagem é focada no corpo da atriz, em suas memórias e na potência mítica das ações, imagens e textos, em diálogo com o espectador. Entrada a R$ 30 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.

Os Dramatikos —Leituras Teatrais
• Teatro Goldoni. Dia 5 de fevereiro, às 20h (Veríssimo). Dia 12 de fevereiro, às 20h (Nelson Rodrigues). Dia 19 de fevereiro, às 20h (Ribondi). Dia 26 de fevereiro, às 20h. Leituras Teatrais em uma linguagem lúdica intimista e coloquial marcadas pelo improviso, as leituras são encenadas com sugestões do cenário, do figurino, da iluminação e da sonoplastia. Um autor a cada terça. Entrada a R$ 20 (inteira). Não recomendado para menores de 16 anos.

Até que o amor nos separe
• Teatro Goldoni. Dias 8, 9, 10, 15, 16, 17, 22, 23 e 24 de fevereiro, às 20h. O espetáculo compõe-se de três esquetes teatrais: o casamento do marido, a mulher do marido e o ciúme da ciumenta. A temática central é um recorte na vida de três casais, um casal para cada esquete, mostrando as relações conflituosas geradas pela convivência dentro da estrutura do casamento. Entrada a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.

Tabus
• Espaço Imaginário Cultural. Dias 8, 9 e 10 de fevereiro, às 20h. O estranhamento sobre a cultura de diferentes grupos sociais sempre tem sido motivo de conflito por setores mais conservadores da sociedade, que encaram o “diferente” como algo negativo e indigno de respeito. Entrada franca. Não recomendado para menores de 18 anos.

Contos para acordar
• Espaço Cultural Bagagem. Dia 9 de fevereiro, às 17h. Espetáculo de teatro de bonecos que traz verve popular em três quadros, com adaptação de contos populares e História infantil, alinhavadas por uma contadora de histórias. A montagem foi inspirada nos contos: O vaqueiro que não sabia mentir, O barbeiro e o fazendeiro e O macaco e a velha. Entrada a R$ 10 (inteira). Livre.

Quero ser igual a eles
• Complexo Cultural de Samambaia. Dias 9 e 10 de fevereiro, às 17h. Após ser abandonado por todos do circo, os artistas que ele tanto admira e sonha ser igual eles. O palhaço Zambelê, que trabalha como contrarregra e assistente de picadeiro, se vê desempregado, obrigado a sair de cena e seguir seu caminho solitário. Com a ajuda de voluntários da plateia, ele descobre possibilidades de manter o espetáculo, reconhecendo que não precisa ser igual a eles. Ele tem apenas que ser ele mesmo. Entrada a R$ 20 (inteira). Livre.

O improvável amor de Luh Malagueta e Mc Limonada
• Teatro Dulcina. Dia 13 de fevereiro, às 20h30. A peça leva ao público um novo olhar para as habilidades das pessoas com deficiência, como forma de reflexão em busca de uma sociedade mais justa e inclusiva. Entrada a R$ 40 (inteira). Livre.

O prestidigitador
• Teatro Goldoni. Dias 13, 14, 20, 21, 27 e 28 de fevereiro, às 20h. O prestidigitador, com texto de Nicolás Vergara Grey, conta com muito humor e sensibilidade uma história cruelmente divertida sobre amor, perdão, recomeço e a chance de criar uma vida  em pleno caos. Entrada a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.

Por dentro do Mágico de Oz
• Teatro Dulcina. Dias 14 e 15 de fevereiro, às 20h30. É uma adaptação da obra de O Mágico de Oz, de Frank Baum, para um teatro de sentir e não de assistir. O espaço cênico é montado com a imaginação e a plateia é convidada pela narração a entrar na história. Entrada a R$ 20 (inteira). Não recomendado para menores de 5 anos.

Cárcere Privado (ou Sartre é quem tinha razão)
• Espaço Cultural H2O. Dias 15, 16, 22 e 23 de fevereiro, às 20h. Inspirado na máxima do filósofo Jean-Paul Sartre: “O inferno são os outros”, o espetáculo faz uma abordagem de como pode ser desafiadora, engraçada, torturante, divertida e ao mesmo tempo estressante a vida a dois. Entrada a R$ 20 (inteira). Não recomendado para menores de 12 anos.

OperATA
• Espaço Cultural Renato Russo. Dias 15, 16 e 17 de fevereiro. Sexta e sábado, às 20h. Domingo, às 19h. A OperATA, de Hugo Rodas, apresenta duas peças em um só espetáculo. No 1º ato, Punaré & Baraúna, musical autoral sertanejo sobre triângulo amoroso inspirado no romance de Luiz Bernardo Pericás. No 2º ato é apresentado Ensaio geral: amor celebrado em colagens de textos em um suposto ensaio na casa de alguém, regado a vinho, com estética inspirada na juventude e em grafites urbanos. Entrada a R$ 20 (inteira). Não recomendado para menores de 16 anos.

Três mulheres baixas
• Casa dos Quatro. Dias 15, 16 e 17 de fevereiro, às 20h. Espaço Cultural Renato Russo. Dias 22, 23 e 24 de fevereiro. Sexta e sábado, às 20h. Domingo, às 19h. Poeticamente, temas como aborto, orgasmo, violência, família, padrões e regras sociais são abordados para traçar um retrato bem-humorado da alma feminina e a eterna busca da natureza essencialmente transgressora e subversiva da mulher. Entrada a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.

OvO
• Espaço Cultural Renato Russo. Dias 16, 17, 23 e 24 de fevereiro. Sábado, às 20h. Domingo, às 19h. Três homens vivem rodeados de lixo. São homens urubus, “seres barata”. Eles não têm nada, por isso inventam tudo. Eles criam seu mundo lúdico do lixo. Fazem de detritos sua casa, suas roupas, amigos e amantes. Fazem até um cachorro de velhas garrafas, e quando ficam com bastante fome, ele vira um cachorro-quente. Entrada a R$ 40 (inteira). Livre.

João e o pé de feijão
• Espaço Cultural Bagagem. Dia 16 de fevereiro, às 17h. Um espetáculo solo em que o ator Marco Augusto dá vida a todos os personagens da história de João, um menino movido pela curiosidade, fantasia e astúcia de toda criança. Esse herói vence o gigante e acaba com a fome e a aridez do lugar onde mora, mudando seu destino e de sua família. Entrada a R$ 10 (inteira). Livre.

Trago seco
• Teatro Dulcina. Dias 16 e 20 de fevereiro, às 19h. É um espetáculo que expõe feridas abertas, provoca e intriga. Indo direto ao ponto, o grupo brasiliense Meia Taça convida ao incômodo de uma dramaturgia que corre nas veias e no ar. Uma mulher à beira de um precipício prenuncia sua morte ou admira a vista. Entrada a R$ 20 (inteira). Não recomendado para menores de 16 anos.

Matéi em cena – Pedaços de um espelho quebrado
• Teatro Dulcina. Dias 16 e 20 de fevereiro, às 20h30. Os três monólogos aqui apresentados, O homem do cavalo, O homem do círculo e O homem-lixo estão na obra Teatro descomposto ou o homem-lixo. O autor, Matéi Visniec, polêmico e instigante sucessor de Ionesco, de forma simples, curta e por vezes tragicômica, revela pelo absurdo o ser humano contemporâneo em sua trilha pelo autoconhecimento e pela autorrealização social, sempre em inusitadas vivências: ser perseguido por um cavalo, ser transformado em uma lixeira humana e existir somente dentro de um círculo. Entrada a R$ 40 (inteira). Livre.

Lavanderia bailarina
• Teatro Goldoni. Dias 18 e 25 de fevereiro, às 20h. Espaço Cultural Renato Russo. Dias 21 e 22 de fevereiro, às 20h. Show cênico com canções originais de Miriam Virna, Lavanderia Bailarina é uma ode ao pop rock com cores da poética brasiliense. Desolada com o desaparecimento do seu pinscher, Miríades de Estrelas, percorre suas emoções durante uma madrugada insólita em sua quitinete. Sem saber, um vizinho insone faz-lhe companhia quando toca seus instrumentos. Entrada a R$ 30 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.

O novo espetáculo
• Espaço Cultural Renato Russo. Dias 19 e 20 de fevereiro, às 20h. O espetáculo é um experimento de teatro altamente interativo, um lugar onde tudo pode acontecer, um convite a dançar e celebrar a alegria de estar vivo e a capacidade de superar os desafios. Entrada a R$ 10 (inteira). Não recomendado para menores de 18 anos.

Profunda superfície
• Casa dos Quatro. Dia 20 de fevereiro, às 20h. Neste espetáculo de dança e teatro, as atrizes dançam ao som das próprias vozes, evocando medos, indagações, descobertas e desejos que se desenrolam nas profundezas da alma humana, e que transparecem à superfície dos relacionamentos. Entrada a R$ 40 (inteira). Não recomendado para menores de 14 anos.
 
 
 
 
 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade