Publicidade

Correio Braziliense

Livro de Deborah Dornellas traz história de brasiliense com um pé na África

Vencedor do Prêmio Casa de las Américas, ´Por cima do mar' é fruto de cinco anos de trabalho


postado em 10/02/2019 07:00

Deborah Dornellas também é jornalista, pesquisadora e artista plástica(foto: Deborah Dornellas/Divulgação)
Deborah Dornellas também é jornalista, pesquisadora e artista plástica (foto: Deborah Dornellas/Divulgação)

 
Deborah Dornellas levou um susto quando a mensagem de uma amiga pulou na tela do computador com o aviso de que havia ganhado o prêmio Casa de las Américas 2019. Por cima do mar, publicado no ano passado e fruto de cinco anos de trabalho, foi eleito pelo júri o melhor romance brasileiro. Deborah está em boa companhia. Ganharam o prêmio da fundação cubana, nos últimos anos, nomes como Maria Valéria Rezende, Ana Maria Gonçalves, Nélida Piñon, Luiz Ruffato e João Almino. "Não estava esperando. Nos últimos tempos, só fiz escrever esse livro", conta a autora, que também é pesquisadora de cultura popular de matriz africana, jornalista e artista plástica.

Nascida no Rio de Janeiro, Deborah veio para Brasília em 1961, aos 2 anos. Se considera, portanto, uma brasiliense. É com a capital modernista que ela mantém o vínculo de intimidade e foi na terra vermelha da periferia do cerrado que escolheu dar vida a sua Lígia Vitalina, a heroína de Por cima do mar. O romance não segue uma narrativa linear e é cheio de liberdades. A mistura de prosa com poesia é regra. Deborah confessa que sua zona de conforto está nos versos e, quando se sente em perigo, resvala para o tom poético. Lígia também. “Nos momentos mais difíceis, ela se abriga na poesia”, constata a autora, radicada em São Paulo há sete anos.

Apesar das investidas nos versos, é na prosa que o romance está ancorado. E numa prosa com potência para arrebatar. Desde o início, quando a história de Lígia ainda era um conto, Deborah sabia da força da personagem. Filha de operário pioneiro e de uma empregada doméstica, a menina cresceu entre a vila do IAPI e a Ceilândia, para onde a família foi transferida após a inauguração da capital. É marcante a constatação do pai da personagem, quando ele, a mulher e os filhos (duas meninas, naquele momento) são transferidos para a periferia: “Tiraram nós das vista deles, Vita”.
 
As ilustrações para o romance foram criadas pela própria escritora(foto: Deborah Dornellas/Divulgação)
As ilustrações para o romance foram criadas pela própria escritora (foto: Deborah Dornellas/Divulgação)
 

Com os argumentos de que Lígia era uma heroína brasileira e de que a literatura nacional carecia de personagens como ela, um amigo convenceu Deborah a transformar o conto em romance. Negra, criada na periferia, filha de imigrantes e marcada por um estupro que preferiu esconder por não acreditar na punição dos culpados, a personagem ganha dimensão épica na narrativa em primeira pessoa. Formada em História na mesma Universidade de Brasília (UnB) na qual a autora estudou Jornalismo, segue uma carreira acadêmica de sucesso alimentada por pesquisas sobre a diáspora negra e as ligações entre Brasil e Angola.

Racismo é um tema constante com o qual Lígia precisa lidar e cuja presença Deborah fez questão de explicitar. “Esse livro tem uma agenda antirracista e eu quis que ele tivesse. Não quero nem que seja uma coisa que as pessoas não percebam. É bom que elas percebam”, avisa. No início, ela ficou preocupada e insegura quanto ao lugar de fala. Deborah não é negra e pensou que isso pudesse gerar acusações de apropriação de uma narrativa que refletia uma experiência desconhecida para ela. Uma frase de Ana Maria Gonçalves, autora de Um defeito de cor, durante uma palestra ajudou a autora brasiliense a ficar mais tranquila. “Não devemos é falar pela pessoa, mas falar com. O que eu sinto é que estou falando com, e não no lugar de ninguém. Até por isso quis que minha protagonista narrasse em primeira pessoa. Quem está contando a história é ela, não sou eu. E tentei fazer isso da maneira mais verossímil para uma mulher negra brasileira. O que temos em comum é que somos mulheres, disso a gente entende”, garante.

Ligações


Desde o início, também era óbvio para a autora a ligação com a África. Casada com um angolano e há anos dedicada às pesquisas sobre a cultura brasileira de origem africana, Deborah viu em sua personagem um elo. “Tenho uma ligação inexplicável com a África, é quase uma obsessão, e não poderia escrever sobre outro assunto. Não pensei em outro assunto no dia em que comecei a escrever esse romance”, conta. Parte do romance se passa em Angola, na cidade de Benguela, visitada pela autora para poder completar descrições precisas desenvolvidas no livro. A cidade está presente de forma muito viva na narrativa.

Boa parte do livro se passa em Brasília e Deborah não economizou nas referências históricas. Estão lá o episódio do Quarentão, em que a polícia invadiu um baile em Ceilândia e, com a célebre frase “branco sai, preto fica”, agrediu os negros do salão, os shows da Cássia Eller no Bom Demais, a invasão do IAPI e o povo carregando o caixão de JK, em 1976. “As pessoas de fora não sabem nada de Brasília. Só quem é daí que sabe. E eu não saberia escrever com tanta propriedade sobre outro lugar”, repara Deborah, que decidiu acatar a sugestão de dois amigos para tornar a capital mais presente na narrativa. “Eles me falaram: bota a cidade mais no seu trabalho, mais Angola e mais Brasília.” A citação do Quarentão foi uma homenagem explícita ao longa Branco sai, preto fica, de Adirley Queirós.

Com o Prêmio Casa de las Américas, a autora notou um crescimento do interesse pelo livro. Antes, ela brinca, ninguém dava muita bola para o romance. Agora, a procura foi tanta que ela trabalha na revisão para uma terceira tiragem da primeira edição. Por cima do mar já passou por duas impressões, com tiragens de 150 exemplares cada. “Essa próxima, a editora ainda está orçando. Talvez sejam 200. As tiragens da Patuá, em geral, são pequenas, para serem sustentáveis. E meu livro tem um custo alto, por causa do design, das cores”, explica. Todas as ilustrações, inclusive a capa, são assinadas por Deborah e ajudam a povoar o imaginário do livro.


Por cima do mar

De Deborah Dornellas. Patuá, 344 páginas. R$ 50
 
 
 
 
 
 
 



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade