Publicidade

Correio Braziliense

Série da Netflix contará história de um jovem gay com paralisia cerebral

Special será lançado em 12 de abril


postado em 26/03/2019 21:59 / atualizado em 26/03/2019 21:59

Série que aborda deficiência cerebral e homossexualidade estará disponível a partir do dia 12 de abril(foto: Divulgação/Netflix)
Série que aborda deficiência cerebral e homossexualidade estará disponível a partir do dia 12 de abril (foto: Divulgação/Netflix)

A Netflix lançará, em 12 de abril, a série Special, que conta a história de um jovem gay com paralisia cerebral. O anúncio ocorreu ontem (25/3), por meio do Twitter da provedora de filmes e séries, que divulgou o trailer da nova aposta da empresa. A história é baseada no livro I’m Special: And Other Lies We Tell Ourselves (Eu sou especial: e outras mentiras contamos para nós mesmos), de Ryan O'Connel. A produção executiva fica por conta de Jim Parsons, um dos principais atores de Big Bang: A Teoria, que chega ao fim neste ano de 2019.

 

A narrativa mostra a decisão de Ryan O' Connell, que tem paralisia cerebral (doença que se manifesta no cérebro por meio da falta de coordenação muscular), em encarar a vida e de deixar para trás toda indecisão que o permeia. Inclusive sobre ser gay. De início, o personagem decide ir para o mercado de trabalho, com medo de ser repreendido, ele conta ao seus colegas, por meio de uma mentira, que anda com dificuldade por causa de um acidente de carro sofrido no passado. No desenrolar da história, o jovem acaba decidindo em se libertar e assumir quem realmente é. "Eu estava no armário sobre ser gay, e eu estava  no armário sobre ter uma deficiência. Mas agora, chega de armários!", destaca o personagem em uma das falas. Confira o trailer logo abaixo: 

 

 

 

Para Jonathan Andrade, diretor, dramaturgo e ator, questionado sobre a importância do longa para a sociedade, indaga que "séries como essa é fundamental para que as pessoas saibam que elas existem. Para que assim, temas como esse, venham estar presentes no cotidiano das pessoas e sucessivamente combatendo o preconceito". Ele termina dizendo que espera que a causa LGBTQI+ cresça em direitos e garantias com o novo trabalho da Netflix.

* Estagiário sob a supervisão de Roberto Fonseca
 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade