Publicidade

Correio Braziliense

Irmã ganha ação contra filho de Renato Russo

Processo era movido por Giuliano Manfredini contra Carmem, irmã do cantor e compositor


postado em 11/04/2019 06:30 / atualizado em 11/04/2019 08:19

Carmem com Renato: esforço para preservar legado(foto: Arquivo Pessoal)
Carmem com Renato: esforço para preservar legado (foto: Arquivo Pessoal)
A 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal acompanhou, por unanimidade, o voto da desembargadora Carmelita Brasil e negou o provimento ao recurso de Giuliano Manfredini, no processo que o filho de Renato Russo move contra Carmem Teresa Manfredini, irmã do cantor. A decisão, de acordo com o advogado de Carmem, Paulo César Cascão, confirma a sentença que negou o pedido de indenização de R$ 50 mil feito por Giuliano. “Estou muito feliz, porque foi feita a justiça. Porque, em momento algum, eu denegri a imagem de Giuliano em jornais do país, como o Correio Braziliense”, destaca a irmã do roqueiro.

Por meio do escritório de advocacia Sérgio Bermudes, o herdeiro do vocalista da banda Legião Urbana, falecido em 1996, processou a tia, no ano passado, depois que ela escreveu uma carta aberta criticando leilão com objetos do músico. Com o suposto objetivo de ajudar O Retiro dos Artistas, o leilão dos bens de Renato Russo rendeu em torno de R$ 30 mil. Segundo alegava o filho do roqueiro, Carmem inventou “inverdades ofensivas sobre ele”.

 Na época, Carmem Teresa escreveu: “Em hipótese alguma somos contra ajudar qualquer instituição. O que questionamos aqui é o porquê deste leilão, quando haveria outras alternativas para socorrer o Retiro dos Artistas”.


Giuliano Manfredini: leilão dos objetos do pai(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
Giuliano Manfredini: leilão dos objetos do pai (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
Imprensa

A realização de um leilão de objetos pessoais de Renato Russo, promovido por Giuliano Manfredini, em março de 2018, no Retiro dos Artistas, no Rio de Janeiro, entristeceu Carmem Teresa, a irmã do ex-líder da Legião Urbana. Isso a levou a escrever uma carta aberta, publicada em veículos de imprensa do país, na qual deixava claro sua contrariedade.

“Tomei conhecimento da atitude do Giuliano por meio de um vídeo feito pela diretora do Retiro dos Artistas, convocando as pessoas para o leilão. Fiquei muito triste, uma vez que iam ser leiloados objetos que faziam parte do acervo deixado pelo meu irmão, como livros, discos, roupas de show, móveis e utensílios diversos. Então escrevi uma carta, cujo teor foi publicado em alguns órgãos da imprensa do país”, relata Carmem.

Por considerar a carta difamatória, Giuliano entrou com um processo contra a tia, alegando calúnia, difamação e danos morais. “Na verdade, eu só estava pedindo que ele não fizesse a venda dos objetos; que os mantivesse como legado, preservando a memória artística do Renato, que imaginava ser importante para ele”, acrescenta.

“Houve o primeiro julgamento e eu fui vitoriosa. O Giuliano recorreu, e foi marcado um segundo julgamento para para o dia 27 último, data do aniversário do meu irmão. Como a desembargadora não pode comparecer, o julgamento ocorreu ontem e novamente obtive ganho de causa. Estou muito feliz com o resultado”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade