Publicidade

Correio Braziliense

Longa sobre fé e religião estreia em 17 salas e fala de superação

Filme é baseado em livro sobre a história de um garoto de 14 anos


postado em 11/04/2019 06:30 / atualizado em 11/04/2019 08:25

Superação %u2014 O milagre da fé: longa trata de religião e fé(foto: Fox Film do Brasil/Divulgação)
Superação %u2014 O milagre da fé: longa trata de religião e fé (foto: Fox Film do Brasil/Divulgação)

 

Com estreia em 17 salas de cinema da cidade, Superação: O milagre da fé traz componentes capazes de dividir o público de maneira ímpar: trata de religião, de fé. Baseado em fatos descritos no livro homônimo feito em parceria entre Joyce Smith e Ginger Kolbaba, trata de um drama intenso. Entre a vida e a morte, um rapaz de 14 anos tem a existência modificada pelo poder de fé da mãe dele, interpretada pela estrela de This is us Chrissy Metz. Adotado, o jovem se sente muito inseguro quanto às bases de sua família, ao mesmo tempo em que experimenta fagulhas do primeiro amor. 

 

Dois casos de amor, muito distintos nas propostas, também unem os longas Border e After. O último tem como público-alvo os adolescentes e revela as dificuldades e as incertezas presentes no primeiro relacionamento de um casal muito jovem, mas inclinado a viver a primeira experiência de morar junto. Border alinha temas pesados, que vão de deformidades físicas das personagens e do pendor a comportamentos antissociais, até a exploração sexual infantil, além de referendar o poder de metalinguagem e de abstração do cinema. 

 

 

Fronteiras estrangeiras

 

Em mais uma investida do diretor alemão Christian Petzold no campo de enredos derivados da Segunda Guerra, depois dos premiados “Barbara” (2012) e “Phoenix” (2014), Em trânsito competiu pelo Urso de Ouro no Festival de Berlim, mas foi derrotado pelo romeno Não me toque. Baseado em romance de Anna Seghers, esse drama franco-alemão mostra a fuga de Georg, que se faz passar por um escritor morto, com a finalidade de chegar à França, durante o regime nazista. No feito, ele se apaixona justo pela mulher do autor de quem assumiu a identidade. 

 

Brasil, França, Suíça e Alemanha recebem nas telas de cinema, a partir de hoje, o longa Los Silencios, assinado por Beatriz Seigner. Apresentado na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, o longa venceu troféus Candango de melhor direção e, segundo a crítica, de melhor filme no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

 

Na trama, a fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru serve quase como personagem, uma vez que, separa e reaproxima Amparo (Marleyda Soto) e os filhos Núria (María Paula Tabares Peña) e Fábio (Adolfo Savinvino) do pai da família, Adão (Enrique Diaz). Todos passaram pelas mazelas de vivenciar um conflito armado na Colômbia, local em que Adão foi dado como desaparecido. A reunião se dará numa misteriosa ilha no Rio Amazonas. Com muitas mulheres na equipe técnica, Los silencios tem destacadas direção de fotografia e de arte, respectivamente, a cargo de Sofia Oggioni e Marcela Gómez. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade