Publicidade

Correio Braziliense

Morre Bibi Andersson, atriz sueca que Bergman descobriu

A morte da artista foi confirmada pela cineasta sueca Christina Olofson


postado em 15/04/2019 09:32 / atualizado em 15/04/2019 09:33

(foto: AFP / Philippe WOJAZER)
(foto: AFP / Philippe WOJAZER)
Morreu neste domingo, (14/4), aos 83 anos, a atriz sueca Bibi Andersson, uma das favoritas do diretor Ingmar Bergman (1918-2007), com o qual trabalhou em alguns de seus maiores clássicos, entre eles Persona, que a tornou mundialmente conhecida. A atriz, que sofreu um derrame cerebral em 2009, estava hospitalizada na França. Sua morte foi confirmada pela cineasta sueca Christina Olofson, sua amiga pessoal.

Bibi Andersson já começou a carreira de atriz pelas mãos de Bergman, que a dirigiu num comercial de televisão do sabão Bris para a Unilever sueca, em 1951. Em 1956, aos 21 anos, integrou o elenco de O sétimo selo, interpretando uma das integrantes da trupe dessa alegoria apocalíptica ambientada na Idade Média europeia. No ano seguinte ela voltaria a atuar sob a direção de Bergman em outro clássico do cineasta sueco, Morangos silvestres (1957), em que interpretou o papel de Sara, um dos jovens que o velho professor de medicina Isak Borg (Victor Sjöström) conhece pelo caminho em sua viagem para receber uma homenagem.

Mas ela será eternamente lembrada por sua atuação como Alma, enfermeira de uma atriz (Liv Ullman) em Persona (exibido no Brasil como Quando duas mulheres pecam). Realizado em 1966, é um dos mais densos de Bergman. Ele trata do drama de uma atriz que surta durante uma performance de Electra, permanecendo em estado catatônico. A identificação entre enfermeira e paciente é tão grande que as duas se unem numa relação simbiótica, captada com sensibilidade pela câmera de Sven Nykvist, fotógrafo habitual de Bergman.

Bibi Andersson trabalhou com outros grandes cineastas além dele - os americanos John Huston e Robert Altman, para citar apenas dois autores. A atriz também chegou a atuar na Broadway (em 1973), mas não fez carreira nos EUA, onde também filmou com Bergman uma de suas obras menos lembradas, A hora do amor (The Touch, 1971). Seu último filme foi The frost (2009), dirigido pelo catalão Ferran Audí e baseado em peça de Henrik Ibsen sobre um casal em crise após a morte do único filho. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade