Publicidade

Correio Braziliense

Paula, campeã do 'BBB 19', é indiciada por intolerância religiosa

Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRAD), do Rio de Janeiro considerou que as declarações dadas pela mineira dentro do BBB extrapolam a liberdade de expressão


postado em 19/04/2019 10:38

(foto: TV Globo/Divulgação)
(foto: TV Globo/Divulgação)

A ganhadora da edição de 2019 do Big brother Brasil responderá na Justiça pelo crime de injúria e preconceito. Segundo informação divulgada nesta quinta-feira pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRAD), do Rio de Janeiro, a mineira Paula Von Sperling foi indiciada por causa de declarações dadas contra Rodrigo França, também participante da casa.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que as declarações extrapolaram a liberdade de expressão e, por isso, cabe o indiciamento. 

“Após a oitiva dos envolvidos, análise de vídeo e demais diligências realizadas, concluiu-se pela ocorrência de injúria por preconceito (art. 140 §3º do Código Penal), que acarretou o indiciamento de Paula von Sperling Viana. O Inquérito Policial será enviado nessa data à Justiça. A Polícia Civil se pauta pelo respeito à liberdade de expressão, mas destaca que, por meio desta, não se pode violar a dignidade da pessoa humana, repudiando todo e qualquer ato ofensivo à religião, etnia, orientação sexual, procedência geográfica, etc do próximo”, informou, por nota, a corporação.

O inquérito será encaminhado ao Ministério Público na quarta-feira da próxima semana. Se optar por apresentar a denúncia, a ganhadora do BBB passa a ser réu.

A ganhadora começou a ser investigada pela delegacia do Rio, desde fevereiro, após declarações que chocaram o público. Em uma conversa, a participante Paula disse ter medo de religiões de matriz africana. "Tenho medo do Rodrigo, porque ele fala o tempo todo desse negócio de Oxum [divindade da Umbanda e do Candomblé]. Eu tenho medo disso, mas nosso Deus é maior", afirmou.

Assim que saiu da casa e foi informada que estava sendo investigada, Paula afirmou a imprensa que encararia eventuais processos. “Mesmo sendo processada, ganhei R$ 1,5 milhão e vou encarar tudo que tiver por vir”, afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade