Publicidade

Correio Braziliense

Fagner faz show de abertura do Encontro Internacional do Choro

Clube do Choro recebe encontro de músicos do Brasil e do exterior para celebrar o aniversário de 20 anos da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabelo


postado em 22/04/2019 06:45

Fagner é um dos convidados especiais do evento: fortes conexões com Brasília (foto: Jorge Cardoso/CB/D.A Press)
Fagner é um dos convidados especiais do evento: fortes conexões com Brasília (foto: Jorge Cardoso/CB/D.A Press)

 

O Clube do Choro, patrimônio imaterial da cultura de Brasília, com mais de quatro décadas de existência, transformou-se em referência nacional e internacional desse gênero musical, considerado a gênese da MPB. A instituição tem como um dos seus braços a Escola Brasileira de Choro Raphael Rabelo, que, em 2019, completa 20 anos de criação.

 

A data será celebrada com o Encontro Internacional de Choro (Eicho),  de amanhã a domingo, com extensa programação no Espaço Cultural do Choro, salas da Escola de Choro e na área externa da sede do clube, no Eixo Monumental. Sessenta e cinco músicos, originários de diferentes regiões do país, e dois estrangeiros, participarão do festival, que promoverá shows, oficinas instrumentais e palestras.

 

Um dos fundadores e presidente do Clube do Choro, Henrique Santos Filho, o Reco do Bandolim, diz que, com mais de quatro décadas de funcionamento, a entidade tem lastro para propor e promover projetos, como o Encontro Internacional de Choro, que, segundo ele, será o primeiro de uma série. “Vamos comemorar os 20 anos da Escola de Choro, mas o festival tem como foco delimitar nosso território musical, algo essencial para fortalecimento da cultura brasileira”.

 

Com entusiasmo, Reco fala do encontro. “Além de shows, promoveremos diversos cursos e oficinas de instrumentos, arranjo e harmonia; prática de conjuntos, rodas de conversa e de choro. Teremos, para abrir a programação, show de Raimundo Fagner, um grande artista popular, que se identifica com Brasília. 

 

Show intimista

 

Em conversa com Manassés de Souza, músico de sua banda, que mora aqui na cidade, ele já havia demonstrado afeição pelo Clube do Choro”, Fagner iniciou a carreira artística na capital, ao vencer o Festival do Ceub, em 1971, no Ginásio Nilson Nelson, com a canção Mucuripe. Já como artista consagrado, fez sua primeira apresentação no auditório da Escola de Música (602 Sul). No show de abertura do Eicho, ele terá a companhia do multi-instrumentista Manassés de Souza e do acordeonista Adelson Viana.

 

No decorrer da trajetória, o cantor, compositor e violonista cearense tem cantado em grandes espaços, como o auditório master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães e o ginásio de esportes do Iate Clube. Amanhã, no retorno à cidade, ocupará o palco do Espaço Cultural do Choro, com capacidade para 400 pessoas.

 

“Farei um show intimista, o que é raro em minha trajetória. Quem me incentivou a cantar no Clube do Choro de Brasília foi Manassés, um dos maiores músicos brasileiros, que toca comigo há mais de 30 anos. Ele e Adelson Viana, sanfoneiro cearense, por quem Dominguinhos tinha grande admiração, estarão ao meu lado no palco”, antecipa. O repertório terá alguns clássicos, como Revelação, composta pelos irmãos Clodo e Clésio, mas também músicas que não costumam fazer parte do meu repertório de shows”, acrescenta.

 

Mucuripe

Segundo Fagner, vir a Brasília sempre lhe traz muita satisfação e atiça suas lembranças. “Recordo-me de quando entrei no Eixão pela primeira vez, vindo de Fortaleza, pra estudar na UnB. A Universidade foi um lugar onde fiz grandes amigos. Lembro-me também, é claro, de ter iniciado a trajetória artística aqui, ao vencer o primeiro festival do Ceub, com Mucuripe, composição minha e de Belchior”.

 

Isso, aliás, está registrado em um dos primeiros capítulos do Raimundo Fagner — Quem me levará sou eu, biografia desse personagem multifacetado, escrita pela jornalista Regina Echeverria, que o cantor lança e autografa durante sua estada na cidade. Em constante processo de produção, o cantor revela que está gravando um disco com Renato Teixeira, que reunirá canções inéditas dos dois, de Zeca Baleiro, de Fausto Nilo e de outros compositores”, adianta. “Estou com uma letra do Climério, que devo musicar e incluir nesse novo trabalho”, complementa”.

 

 

Encontro Internacional de Choro

• Abertura hoje, às 21h, com show de Raimundo Fagner, acompanhado por Manassés de Souza e Adelson Viana (acordeon) (viola 12 cordas e cavaquinho), no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos esgotados. Não recomendado para menores de 14 anos.

 

Programação de shows

Quarta-feira 

• Henrique Neto e Gileno Santana

 

Quinta-feira

• Carlos Malta e Robertinho Silva

 

Sexta-feira

• Nicolas Krassik e Marcelo Caldi

• Observação: Todos, às 21h, no Espaço Cultural do Choro. Preço de ingresso: R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada). Pontos de venda: Lojas da Bilheteria Digital, em shoppings da cidade.

 

Sábado 

• Ian Cury, Tiago Tunes, Júnior Viegas, Matheus Donato, Moisés Alves, Armandinho Macedo, Yotam Silberstein e Spock Quinteto e Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello

 

Domingo

• Gypsy Jazz Club, Professores da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello, Choro Live, Nilze Carvalho e Luiz Caldas.

• Observação: shows têm início às 13h, na área externa do Clube do Choro. Preço de ingresso: R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada). Passaporte para os dois dias: R$ 100 e R$ 50 (meia-entrada).

 

Cursos do Eicho

• Durante o Encontro Internacional de Choro, serão oferecidos 10 cursos, sendo oito de instrumentos e outros dois, de arranjo e harmonia, entre amanhã e sábado, das 10h e às 12h (a maioria), nas dependências do Clube do Choro, com carga horária de 10 horas, nas dependências do Clube do Choro. O valor cobrado pelas aulas é de R$ 200. Há desconto de 20% no valor do ingresso para alunos da Escola de Choro. Pede-se que o aluno leve o seu próprio instrumento. No caso das aulas de bateria e percussão, levar as baquetas. Os curso são os seguintes: saxofone e flauta (Carlos Malta), bandolim (Danilo Brito), violão 7 cordas (Rogério Caetano), violão 6 cordas (Marco Pereira), cavaquinho (Henrique Cazes), violino (Nicolas Krasik), acordeon (Marcelo Caldi), bateria e percussão (Robertinho Silva), arranjo (Rafael dos Anjos), e harmonia (Paulo Aragão). Inscrições: www.bilheteriadigital.com/eicho. Mais informações pelo site htp://www.clubedochoro.com.br/eicho/cursos/.

  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade