Publicidade

Correio Braziliense

Mostra traz longas com temática LGBTI

Mostra tem apoio de 14 embaixadas e traz filmes do mundo inteiro


postado em 23/05/2019 06:30 / atualizado em 22/05/2019 18:12

Desobediência é obra do mesmo, e premiado, diretor de Uma mulher fantástica Sebastián Lelio (foto: Reproducao da Internet)
Desobediência é obra do mesmo, e premiado, diretor de Uma mulher fantástica Sebastián Lelio (foto: Reproducao da Internet)

 

Originado há três anos, com apoio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o filme Meu nome é Jacque — que terá exibição no próximo domingo (no Instituto Cervantes, às 18h) — revela a projeção e o alcance de medidas de união a favor da difusão de cultura e informação: ele integra o programa do 4º Festival Internacional de Cinema LGBTI, evento que derruba barreiras e abole discriminações.


Figura central do longa documental, Jacqueline Rocha Côrtes é uma transexual que luta contra a homofobia, com visibilidade em entidades como a Organização das Nações Unidas. Soropositiva, ela obteve diferentes graus de aceitação na vida, mas a acolhida (à época do lançamento do filme) “pela garotada” (como observou) foi intensa, quando o assunto era a repercussão do filme comandado por Angela Zoé. Até 6 de junho, com sessões variadas em institutos como Cervantes, Goethe (ambos na 707/907 Sul) e Camões (SES 801), além de estarem na Aliança Francesa (708/908 Sul), 13 ficções e quatro documentários, sempre com entrada franca, celebram o mês internacional do orgulho de gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans.



Igualdade de direitos e afirmação de identidade andam de mãos dadas na variedade de fitas reunidas com apoio de 14 embaixadas. Sábado, às 16h, no Cervantes, a capital dá a contribuição, com filmes selecionados do Curta Brasília, que aponta a cidade como “o distrito da diversidade, divergência e empatia”. Em pauta, estão obras dos diretores Raul de Lima, Bruno Victor, Marcus Azevedo e Daniella Cronemberger.

Hoje, às 19h30, a abertura é com o longa espanhol Carmen e Lola (de Arantxa Echevarría), no Cervantes. Na trama, duas ciganas se sentem atraídas, às vias de quebrarem tradições como a de gerar filhos. Na Aliança Francesa, a programação dos dias 1º e 2 de junho alinha dois sucessos, pela ordem: Desobediência (às 19h40) e Conquistar, amar e viver intensamente (às 18h). No primeiro, as personagens de Rachel Weisz e de Rachel McAdams têm os destinos selados, a partir da morte de um rabino e do esfacelamento de moralismos. Já no filme de Christophe Honoré, baseado no amor do escritor Jacques pelo estudante Arthur, pesam as citações de cinema, o erotismo e o amor pela literatura.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade