Publicidade

Correio Braziliense

Entre machismos de coprodução, Maria Fernanda Cândido despontará em Cannes

Brasileiros como Maria Fernanda Cândido e Rainer Cadete estão no filme italiano que compete à Palma de Ouro no Festival de Cannes que termina sábado


postado em 23/05/2019 12:30

Maria Fernanda Cândido estará na telona de Cannes, com o filme O traidor(foto: Gullane Filmes/ Divulgação)
Maria Fernanda Cândido estará na telona de Cannes, com o filme O traidor (foto: Gullane Filmes/ Divulgação)

 

Com participação do ator brasiliense Rainer Cadete, o longa O traidor terá apresentações hoje e amanhã (dias 23 e 24/05, quinta e sexta), competindo pela Palma de Ouro no Festival de Cannes a ser entregue sábado. Coprodução que inclui a Gullane Filmes, e com talentos italianos de ponta — entre os quais o diretor Marco Bellochio, dono de filmes politizados, e o ator Pierfrancisco Favino —, o longa revira parte dos eventos que levaram o mafioso Tommaso Buscetta a trair o voto de aliança com a Cosa Nostra. Tommaso viveu no Brasil, antes de ser preso, e na trama — que promete elementos de tensão, erotismo e política, sempre propagados pelo diretor de filmes como Vincere e Diabo no corpo — há espaço para uma bela personagem de Maria Fernanda Cândido.

 

“O Festival de Cannes nos brinda, ano após ano, com o melhor do cinema mundial. Fazer parte de um filme que está concorrendo na mostra competitiva é de uma alegria absoluta. Estar entre os selecionados já é uma vitória”, comentou Maria Fernanda, ao Correio. Num filme cheio de agressões entre personagens, ela ainda não sabe bem o que esperar na tela. Só lamenta um aspecto da abordagem: “A representatividade feminina é sufocada pelo machismo. Como na vida, não há garantias. Em um mundo dominado pela ganância e pela violência, em que o feminino tem pouca ou nenhuma voz, o resultado é desolador”. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade