Publicidade

Correio Braziliense

Série documental celebra vida e obra do arranjador Lincoln Olivetti

Lincoln Olivetti trabalhou com nomes como Gal Costa, Roberto Carlos, Tim Maia, Jorge Ben Jor, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Lulu Santos, Moraes Moreira, Sandra de Sá e Marcos Valle


postado em 16/06/2019 06:10

(foto: Luiz Lima/Divulgação)
(foto: Luiz Lima/Divulgação)

Logo nos primeiros segundos da série documental O mago do pop, a trilha sonora sobe com o som de um naipe de metais. É a introdução, a ritmo sacolejante, para a vida e obra de Lincoln Olivetti. O célebre arranjador é responsável por músicas tão distintas como as de Rita Lee, Moraes Moreira e Xuxa. Também entram na lista Gal Costa, Roberto Carlos, Tim Maia, Jorge Ben Jor, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Lulu Santos, Moraes Moreira, Sandra de Sá e Marcos Valle.

O currículo é extenso como a trajetória do musicista. Ele é tema recém-estreado documentário dividido em seis episódios exibido pelo canal fechado Music Box Brazil. A cada sexta será lançado um novo episódio. O segundo capítulo será transmitido amanhã.

Na série, dezenas de artistas convidados contribuem com depoimentos para remontar o trabalho de Lincoln Olivetti, como Gilberto Gil, Alcione, Moraes Moreira, Marcos Valle, Lulu Santos, Nelson Motta, Ed Motta, Nando Reis, Maria Rita, Fagner, Mart’nália, João Donato, Elba Ramalho e Sandra de Sá.

“Uma boa forma de reconhecer um bom arranjador é identificando de imediato, com os primeiros acordes, a música que vai tocar”, comenta Úrsula Corona, diretora geral da série ao lado de Omar Marzagão. E lembra de Amor perfeito, composta por Roberto Carlos e arranjada por Lincoln. Ela explica que a série foi concebida inicialmente em 2013 em outro formato. “Era para ser ele contando o processo de criação. A gente tentou entrar naquela cabeça genial, que era muito singular”, lembra a atriz e documentarista.

Com morte dele em 2015, aos 60 anos, provocada por um infarto, a produção teve de ser interrompida. “Essa pessoa tão genial que serviu à música, viveu a música, respirou a música, merecia que as pessoas, pensando principalmente na geração atual, tivesse acesso à história dele”, continua Úrsula. Ela conta que entre muitas excentricidades do músico recluso, ele tinha o hábito de gravar no escuro. “O estúdio dele era um breu. Ele não gostava de luz. Ele dizia que quanto mais se via, menos se escutava”, recorda-se.

Entre os grandes sucessos da carreira do arranjador está Lança perfume. O subversivo, no melhor sentido, clássico de Rita Lee completa 40 anos de lançamento. Foi marcante para guinada de Rita do rock and roll que fazia ao lado dos Mutantes e do Tutti Frutti para uma fase mais pop e dançante da carreira solo. Embalada pelo disco music à brasileira, a canção tomou as rádios brasileiras e chegou ficar dois meses em primeiro lugar nas paradas musicais da França e a alcançar o Top 10 da Billboard.

Lincoln também assina Palco, com Gilberto Gil; Joga fora, com Sandra de Sá; Leva, com Michael Sullivan; Amor perfeito, com Marina Elali, Festa do interior, com Moraes Moreira; Cidade nua, com Fagner e Daqui pro Meyer, com Ed Motta.

“De 10 sucessos na rádio, 10 eram dele”. O exagero intencional usado por Úrsula dá uma ideia de quão numerosos foram os hits de Lincoln. “Foram mais de mil com certeza. Alguns músicos chegam a dizer 10 mil”, garante Úrsula. Um dos últimos destaque de Lincoln foi especial da TV Globo que reuniu Ivete Sangalo, Gilberto Gil e Caetano Veloso e conquistou o Grammy Latino de melhor álbum de MPB.  

Lincoln Olivetti – O mago do pop.
Novos episódios nas sextas, às 22h, até 12 de julho, no canal Music Box Brazil. Classificação indicativa livre.

*Estagiário sob supervisão de Severino Francisco

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade