Publicidade

Correio Braziliense

Toná trio faz show de flamenco no Clube do Choro

Show é dividido em duas partes e tem a coreógrafa coreógrafa Patrícia Wengrill como convidada


postado em 11/07/2019 06:30 / atualizado em 11/07/2019 11:08

O Toná Trio tem influencia direta de Paco de Lucia e inclui no repertório a música ancestral africana (foto: Henrique Francois/Divulgacao)
O Toná Trio tem influencia direta de Paco de Lucia e inclui no repertório a música ancestral africana (foto: Henrique Francois/Divulgacao)

 

Impressiona o quanto Brasília, com o decorrer do tempo, tem se transformado numa autêntica babel sonora. Na capital se ouve os mais diversos estilos agrupados no universo da música popular brasileira – choro, samba, valsa, baião, frevo, maracatu, entre outros – aos quais se juntam gêneros importados, como jazz, pop, rock, soul, reggae e funk, salsa, só para citar alguns.

 

A música flamenca, originária da Espanha, que tem em Paco de Lucia seu artista mais representativo, também é tocada na cidade. E um dos intérpretes é o Toná Trio, criado há dois anos, que tem em sua formação Alexandre Macarra (baixo), Lucas Trigueiro (guitarra flamenca e voz), Alexandre Macarra (baixo) e Patrízia (cajón).O grupo se apresenta hoje, às 21h, no Espaço Cultural do Choro.

 

Músico com passagem pela Berklee College of Music, em Boston, Lucas Trigueiro, uma espécie de líder informal do Toná, tem ligação com o flamenco desde sempre. “Conheci esse gênero original da Península Ibérica vendo a minha mãe, Elma, dançando. Mas a minha paixão foi despertada mesmo em 2004, quando fazia em Berklee os cursos de trilha sonora, produção e engenharia de áudio, e assisti a um show do mestre Paco de Lucia”, lembra.

 

A coreógrafa Patrícia Wengrill é uma das precursoras do flamenco em Brasília Música(foto: Henrique Francois/Divulgacao)
A coreógrafa Patrícia Wengrill é uma das precursoras do flamenco em Brasília Música (foto: Henrique Francois/Divulgacao)

Em 2007, morando em Nova York, Lucas se tornou amigo do cigano Arturo Martinez que, segundo ele, era o “god father” do flamenco naquela cidade. “O Arturo me apresentou a Paco, quando ele voltou aos Estados Unidos em 2007, para apresentações em Nova York, Nova Jersey e Boston. Durante a turnê, convivi com ele de perto, o que levou a aumentar a minha admiração por aquele guitarrista fantástico”, conta.

 

 

Precursora

 

Quando voltou ao Brasil, Lucas se radicou no Rio de Janeiro, onde passou a participar de vários projetos musicais e, momentaneamente, deixou o flamenco um pouco de lado. “Ao retornar a Brasília me aproximei da bailoar e coreógrafa Patrícia Wengrill, precursora do flamenco na cidade, que, há 25 anos, mantém aqui, no Setor de Clubes Sul a Capricho Espanhol, uma escola de dança em que o flamenco é o carro-chefe. Ela tem também uma companhia de dança, que costuma participar de eventos corporativos que unem música, dança e gastronomia”, ressalta.

 

 

Há dois anos, o guitarrista, nascido no Pará e criado em Brasília, vencedor por duas vezes do Festival da Rádio Nacional FM, na categoria música instrumental, se juntou ao baixista Alexandre Macarra e a Patrízia Veloso, que toca cajón, no Toná Trio, que se dedica basicamente à música flamenca. Patrízia é ligada ao Capricho Espanhol, enquanto Alexandre é um instrumentista versátil, que integra também ao Pop Jazz Trio e à banda Rock Beats. “Já acompanhei artistas como Almir Guineto, Milton Guedes, Cláudia Telles, Chris Delano, Célia Porto, Georgia W. Alô e toquei com o Rappa e os grupos Zaktar e Surdodum, em projetos inclusivos”, destaca.

 

 

Dividido em duas partes, o show do Toná Trio desta noite é o terceiro desde que o grupo foi formado. Os anteriores ocorreram no Espaço 365, na 705 Norte; e no teatro do Brasília Shopping. “Este é o nosso show com maior produção. “Inicialmente, vamos tocar temas da música flamenca, de Paco de Lucia e Camarón de La Isla, além de algumas composições minhas, como Luna Plata , Solea por buleria, Alegrias e mi madre e Farruca”, anuncia Lucas Trigueiro.

 

 

“Na parte final, vamos abordar a ancestralidade da música africana, que deu origem ao ritmo flamenco, em que toco o cora, um instrumento africano de cordas. Há a participação de alguns convidados especiais: Patrícia Wengrill, o coreográfo Danny Souza, o bailoar Nildo Gondim e a bailarina de tribal fusion Gabi Ribeiro”, adianta Trigueiro.

 

 

 

Toná Trio

 

Show do grupo e convidados hoje, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 40 e R$ 20. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade