Publicidade

Correio Braziliense

Cine Brasília abriga o início da temporada semestral da Orquestra Sinfônica

Antonin Dvorak. Wolfgang Amadeus Mozaert e Joseph Haydn estão no programa da noite de hoje (16/07) do Cine Brasília, palco da OSTNCS


postado em 16/07/2019 06:33 / atualizado em 15/07/2019 20:32

Rumo à centésima apresentação, a Orquestra Sinfônica estará no Cine Brasília(foto: Junior Aragão / Divulgação)
Rumo à centésima apresentação, a Orquestra Sinfônica estará no Cine Brasília (foto: Junior Aragão / Divulgação)
 
 
A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional tem uma meta neste ano: a realização de 100 concertos. Ao chegar a esse número, a instituição brasiliense, criada há quatro décadas pelo maestro Cláudio Santoro, estabelecerá um recorde em sua história. “Acredito que conseguiremos, com tranquilidade, uma vez que temos uma extensa agenda para cumprir neste segundo semestre”, diz o maestro Cláudio Cohen.

No primeiro semestre foram realizados 60 concertos, sendo a metade no Cine Brasília, onde em maio último o grupo comemorou os 40 anos de existência, com um concorrido concerto, assistido por plateia de 600 espectadores. É lá onde a orquestra volta a se apresentar hoje (16/07), às 20h, na abertura da programação do segundo semestre.

O programa elaborado para o concerto desta noite contempla peças dos períodos romântico e clássico. Na abertura, o público ouvirá Noturno Op.40, do compositor tcheco Antonin Dvorak. Em seguida, serão executadas Pequena serenata noturna e Sin fonia 4 — Le Matin, de autoria dos austríacos Wolfgang Amadeus Mozart e Joseph Haydn.

“Haydn é o grande mestre da sinfonia clássica, tendo composto 194 peças. A de número quatro, do início da carreira do autor, é muito leve, de instrumentação ligeira, e remete, como o título antecipa, que desenvolve num movimento rápido”, explica Cohen.

De acordo com o maestro, em Noturno Op. 40, “Dvorak introduz romantismo com seu apelo às emoções, movido na peça pelo lirismo das cordas. Nas obras de Mozart e Dvorak, teremos somente cordas; e na sinfonia de Haydn estaremos diante de uma orquestra clássica de cordas, Madeira e metais, mas sem percussão”. No bis, vamos reverenciar João Gilberto, o criador da bossa nova, com um arranjo de Ricardo Vasconcellos para Chega de saudade (Tom Jobim e Vinicus de Moraes)

Rock sinfônico

Segundo Cohen, no primeiro semestre, além dos concertos no Cine Brasília, a orquestra fez, no mesmo local, apresentações didáticas para alunos de escolas públicas do Distrito Federal, com 1h15 de duração, nos quais estudantes de 4 a 16 anos tomaram conhecimento do funcionamento de uma sinfônica e dos instrumentos utilizados.

“A grande maioria daquelas crianças e adolescentes nunca haviam ouvido música clássica, nem assistido a um concerto de orquestra; e ficaram encantadas”, conta. “Esses encontros voltam a acontecer neste semestre”, complementa. Visita a hospitais e UPAs no Plano Piloto e cidades do DF fizeram parte também das atividades da orquestra e vão continuar ocorrendo a partir do próximo mês.

Para fora do Cine Brasília, estão programados três concertos para breve. No dia 27 próximo, a orquestra se junta a guitarristas brasilienses no Rock sinfônico, na área externa do Centro Cultural Banco do Brasil (Setor de Clubes Sul). Acompanhados pela orquestra, Dillo D’Araújo, Haroldinho Mattos, Kiko Peres e Marcelo Barbosa (Banda Angra) vão tocar clássicos do gênero da obra dos Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin, Queen, Deep Puple, Rush, Scorpions, Legião Urbana e Raul Seixas, com a participação do baterista Ticho Laveenére.

Em 17 de agosto, a Orquestra Sinfônica é a atração da quinta edição do Concerto Erudito, na orla do Iate Clube. “Na semana seguinte, no dia 24, a orquestra se incorpora à comemoração do aniversário do Lago Sul, se apresentando no Pontão. Tanto no Iate, quanto no Pontão estarão em destaque no programa canções de trilha sonora de clássicos do cinema”, adianta.



Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional
Concerto de abertura da temporada do segundo semestre, sob a regência do maestro Cláudio Santoro, hoje (16/07), às 20h, no Cine Brasília (entrequadra 106/107 Sul). Entrada franca, sujeita à lotação. Classificação indicativa livre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade