Publicidade

Correio Braziliense

Entre nove estreias de cinema, o drama predomina, ainda que haja comédia

Cardápio cinematográfico da cidade aponta para a diversidade, com filmes de propostas bastante diferenciadas, como é o caso de Fourteen, Vermelho sol e Socorro, virei uma garota!


postado em 22/08/2019 07:12 / atualizado em 21/08/2019 18:55

Encontros amorosos e complicações de amizade pontuam a trama de Fourteen(foto: Zeta Filmes/ Divulgação)
Encontros amorosos e complicações de amizade pontuam a trama de Fourteen (foto: Zeta Filmes/ Divulgação)

 

Entre vários dramas que terão estreia nos cinemas da cidade, Uma noite não é nada (de Alain Fresnot) e Vermelho sol são destaques. O primeiro trata de uma relação entre um professor e uma das alunas dele, que é soropositiva. Já Vermelho sol é uma coprodução entre cinco países, incluído o Brasil, e teve direção do argentino Benjamín Naishtat. Tendo competido em festivais internacionais como os de Havana (Cuba) e de Gotemburgo (Suécia), o filme tem o ator Darío Garandinetti na pele de um advogado confrontado com situações que remetem à ditadura argentina. O diretor de fotografia do inédito Bacurau Pedro Sotero foi dos profissionais da fita que levou prêmio em San Sebastián (Espanha).

 

Tendo integrado o segmento Fórum do Festival de Berlim (Alemanha), o filme de Dan Sallitte Fourteen é outra estreia e mostra a complexa relação entre as amigas Jo (Norma Kahling) e Mara (Kallie Medel). A primeira cria muitas situações inesperadas, enquanto a amiga Mara sempre se presta a apresentar soluções.

 

Virginie Efira é a estrela de Um amor impossível(foto: A2/ Divulgação)
Virginie Efira é a estrela de Um amor impossível (foto: A2/ Divulgação)
 

 

Também dramático é o registro do documentário O verde está do outro lado, de Daniel A. Rubio, que expõe toda a sorte de entraves para a reversão de decisão tomada há quase 40 anos pelo governo chileno que deixou a água ser privatizada naquele país. Ainda com registro denso Um amor impossível tem como cenário a região central da França, em Châteauroux. Na trama Rachel (Virginie Efira, de Um amor à altura) leva vida simples, até a entrada em cena de Phillipe (Niels Schneider), de família abonada. Mesmo com o nascimento da filha Chantal, a relação parece não se sustentar. Direção de Catherine Corsini, com base em romance de Christine Angot. 

 

Donas de registros bem mais leves são as atrações Socorro, virei uma garota! e Os brinquedos mágicos. O primeiro é uma comédia que marca a estreia na direção de Leandro Neri, e coloca Victor Lamoglia na pele de Júlio, garoto nada popular na escola. Diante de pedido para uma estrela cadente, ele se vê transformado em Júlia (Thati Lopes), sem ter dimensões das enrascadas em se tornar uma garota. Já a animação Os brinquedos mágicos foi criada por Gary Wang, e mostra plano de um grupo de infusores de chá que se veem unidos pela derrota de agigantado robô.

 

Ao final da maratona de cinema proposta, Retrato do amor chega à telona, seis anos depois do reconhecimento do talento do diretor Ritesh Batra, celebrado no Festival de Cannes com a comédia Dabba. Agora, o realizador indiano se concentra em inesperada história de amor surgida quando um fotógrafo se vê praticamente obrigado a casar com uma completa estranha.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade