Publicidade

Correio Braziliense

Nilze Carvalho leva o show 'Choro canção' ao Clube do Choro

Cantora, compositora e bandolinista, Nilze é dona de múltiplas facetas musicais


postado em 22/08/2019 06:30

Nilze Carvalho: %u201CToda a sonoridade de cada um dos instrumentos%u201D(foto: Valéria Martins/Divulgação)
Nilze Carvalho: %u201CToda a sonoridade de cada um dos instrumentos%u201D (foto: Valéria Martins/Divulgação)

 
Artista de múltiplas facetas musicais, Nilze Carvalho ao longo da carreira tem se destacado como cantora, compositora, bandolinista e cavaquinista. Ex-integrante do Sururu na Roda, grupo que contribuiu para a revitalização do bairro da Lapa, ela tem mantido fidelidade à aquele reduto boêmio, no centro do Rio de Janeiro. Ali, tanto participa de rodas de samba, quanto se apresenta à frente de orquestras, animando bailes em casas noturnas como Carioca da Gema e Rio Scenarium.
Nilze, porém, opta por teatros ao fazer espetáculos mais elaborados. Ela está de volta a Brasília, onde, ultimamente, tem vindo com alguma frequência. Hoje e amanhã, às 21h, acompanhada por Hudson Santos (violão 7 cordas) e Diego Zangado (bateria), cupa o palco do Espaço Cultural do Choro com o show intitulado Choro canção.
“Com essa formação minimalista de trio, o público pode aproveitar toda a sonoridade de cada um dos instrumentos, levando o samba ao choro e o choro ao jazz com muito swing. Isso não significa que o que o show vai ser leve”, diz. “As nuances serão diversas, e o repertório bem eclético com músicas dos meus últimos trabalhos, como o CD e DVD Nilze 40 amos de carreira, o projeto Choro canção e o Tributo a Tom Jobim”, acrescenta.
Do DVD, Nilze vai mostrar, por exemplo, Verde, amarelo, negro e anil, Nordestino que compôs com Marceu Vieira e Zeca Leal, respectivamente; Me deixa em paz (Monsueto Menezes), Um a zero (Pixinguinha), Flor amorosa (Antônio Calado) e Dvilicença (Moraes Moreira). Do Tributo a Tom Jobim ela escolheu, entre outras, Chega de saudade e O morro não tem vez
“Fiz este show, com músicas do Tom, na semana passada, no Blue Note, em São Paulo”, conta. “Nesta apresentação no Clube do Choro vou cantar também Cai dentro, do Baden Powell, do repertório de um outro show que vou fazer aqui no Rio com o violonista e guitarrista Marcel Powel, filho do Baden”, adianta.

Regional

Instrumentista precoce, Nilze Caralho foi flagrada pelo irmão mais velho, aos 5 anos de idade, tocando Acorda, Maria Bonita, de Antônio dos Santos. Ali começava a história dela com a música. Dos 11 aos 14 anos gravou, como bandolinista, a série de LPs Choro de menina. Foram quatro volumes, tendo no primeiro e no quarto, o acompanhamento do mítico conjunto regional Época de Ouro.
Adolescente, iniciou carreira internacional, fazendo turnê pela Europa, se apresentando na Itália, Espanha, França, Suíça, Holanda. Esteve também no Japão, China, Estados Unidos, Austrália e Argentina. Em 2000, Nilze criou com colegas de faculdade o grupo Sururu na Roda. A partir de 2002, com Estava faltando você, passou a lançar discos solo. 

Nilze Carvalho
Show da cantora, compositora, bandolinista e cavaquiniata, acompanhada por Hudson Santos (violão 7 cordas) e Diego Zangado (bateria),hoje, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental). Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia para estudantes). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade