Diversão e Arte

Coringa tem estreia majestosa no Festival de Veneza

Esperada produção hollywoodiana, o longa-metragem Coringa promete ser um marco no cinema, com lançamento no Brasil em 3 de outubro

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 31/08/2019 18:25
Joaquin Phoenix: vida longa ao Coringa -  (foto: Warner/ Divulgação)
Joaquin Phoenix: vida longa ao Coringa - (foto: Warner/ Divulgação)

Joaquin Phoenix: vida longa ao Coringa

Competidor pelo Leão de Ouro do Festival de Veneza, o longa-metragem Coringa começa a provocar as desconfortáveis discussões, segundo grande parte da impactada crítica internacional de cinema. A celebração ou profunda capacidade de horrorizar, junto com o "fascínio libertador da depravação", moveu o texto de repercussão do longa, pela revista Vanity Fair. Já o site que presta homenagem ao eterno crítico Roger Ebert demarcaou em texto o resultado apoteótico. O veículo chama a atenção para a alteração na logo da Warner, vista em branco e vermelho, no ligar do azul e dourado tradiconalmente usado. Danças e reisadas de um maníaco interpretado por Joaquin Phoenix pontuam a publicação.

O filme comandado por Todd Phillips (de Se beber, não case) tem ainda Robert De Niro e Zazie Beetz (de Deadpool 2) no elenco. A IndieWire, cultuada entre internautas, traçou paralelo do filme com o resultado de Taxi Driver, clássico setentista. Com roteiro a cargo de Phillips e de Scott Silver (de O vencedor), Coringa não passou ileso pela avaliação da respeitada Time. A crítica recaiu sob a hesitação e alcançou o desconforto de hiato cultural que "pretensiosamente" o longa pretendia denunciar. O filme tem como chamariz a magnética performance de Joaquin Phenix que, indicado ao Oscar por filmes como O mestre, Gladiador e Johnny e June, tem, como suposto, novo caminho para a estatueta dourada.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação