Publicidade

Correio Braziliense

Estupro é tema de 'Inacreditável', nova série da Netflix

Série é inspirada em livro de reportagem sobre caso real de estupro desprezado por policiais


postado em 12/09/2019 06:30 / atualizado em 12/09/2019 10:57

Com inspiração em livro, a produção acompanha a investigação de uma série de estupros ocorridos entre 2008 e 2011 nos EUA(foto: Beth Dubber/Netflix)
Com inspiração em livro, a produção acompanha a investigação de uma série de estupros ocorridos entre 2008 e 2011 nos EUA (foto: Beth Dubber/Netflix)

 
Inacreditável, de fato, é a melhor palavra para definir a história da norte-americana Marie, que dá origem a minissérie que estreia amanhã no catálogo da Netflix. A produção, que tem oito episódios, conta o que aconteceu com a jovem em 2008 e como um erro de interpretação no caso da estadunidense fez com que um estuprador em série continuasse a cometer crimes sexuais nos Estados Unidos. A minissérie tem base no livro Falsa acusação: Uma história verdadeira, dos jornalistas Christian Miller e Ken Armstrong, dupla que investigou o fato para uma série de reportagens veiculadas em 2015 nos sites Pro Publica e Marshall Project,  que depois deu origem ao livro, publicado pela Editora Leya no Brasil.

Em 2008, quando tinha acabado de completar 18 anos, Marie, que na minissérie é vivida pela atriz Kaitlyn Dever e ganha o sobrenome de Adler (já que na reportagem e no livro ela é identificada apenas pelo nome do meio — o que ela autorizou —, como forma de preservação da identidade, comum em casos de abuso), foi estuprada dentro de casa em Lynwood, no estado de Washington, nos Estados Unidos. Ela foi amarrada com cadarços do próprio tênis, abusada sexualmente, fotografada nua em várias posições, obrigada a tomar um banho de 20 minutos pelo estuprador — em uma tentativa de retirar qualquer resquício de material humano que pudesse ser identificado pela polícia — e abandonada. Logo após conseguir se soltar, ela ligou para a emergência policial.

Não bastasse a violência sexual sofrida e o trauma causado pelo fato, a partir do momento em que denunciou o crime, Marie viveu um verdadeiro calvário. Teve que depor cinco vezes para as autoridades, entre policiais, detetives e enfermeiros. Sem analisar os dados coletados do corpo de Marie após o estupro, a polícia de Lynwood resolveu acatar uma dúvida da mãe adotiva da jovem e pressionar a garota sobre estar inventando o fato “para chamar atenção”. Cansada de tudo que estava acontecendo, Marie decidiu dizer que não passava de uma mentira. Sem avançar na investigação, o caso foi arquivado, e a vítima chegou a ser processada pelo estado por calúnia. Só anos depois, por conta de uma investigação conjunta entre municípios americanos, a polícia descobriu que Marie havia sido uma das jovens vítimas de um estuprador em série, Marc Patrick O’Leary, um militar veterano de guerra que cometeu crimes sexuais entre 2008 e 2011 nos arredores de Denver e Seattle, nos Estados Unidos.

Como forma de mostrar as fragilidades recorrentes em investigações de casos de abusos sexuais e dar voz especificamente à história de Marie, os jornalistas Christian Miller e Ken Armstrong passaram a investigar a história. Primeiramente cada um sozinho, até que a dupla uniu forças para escrever a matéria em conjunto, mesmo que para veículos diferentes. A reportagem, além de colocar luz sobre o caso, garantiu aos repórteres o Prêmio Pulitzer e a publicação de Falsa acusação: Uma história verdadeira, obra de 336 páginas, com relatos de detetives, policiais, vítimas e até do próprio estuprador, que inspirou a nova minissérie da Netflix.
 
 

Produto audiovisual


Inacreditável é mais uma produção do serviço original em que uma história real e criminal é ficionada. Só neste ano, a plataforma fez sucesso com as adaptações de Olhos que condenam, de Ava DuVernay, sobre os cinco jovens acusados de um estupro no Central Park, e Mindhunter — que teve a segunda temporada lançada no mês passado —, de Joe Penhall, que gira em torno da resolução de crimes hediondos nos EUA.

A nova minissérie do streaming tem produção de Susannah Grant, que já havia brilhado em Confirmation, filme da HBO protagonizado por Kerry Washington, que interpreta Anita Hill, uma professora de direito que denuncia caso de assédio sexual do juiz Clarence Thomas. Outra produção baseada num fato real e também de abuso. Inacreditável ainda tem direção de Lisa Cholodenko, que ficou conhecida pelo trabalho em The L Word. O protagonismo é dividido entre Kaitlyn Dever, que faz Marie, e as atrizes Merritt Wever e Tony Collette, que dão vida as detetives Karen Duvall e Grace Rasmussen, juntas elas descobrem a teia de crimes cometidos por O’Leary.

Em oito episódios, Inacreditável constrói sua narrativa a partir do caso de Marie, que é apresentado logo no piloto. A partir dos demais capítulos, o espectador é levado a conhecer cada uma das detetives, as novas vítimas do maníaco sexual até o destrinchamento da investigação, que acontece após a identificação entre a similaridade dos casos, tanto no modus operanti como na escolha das vítimas: “mulheres sozinhas”, como identifica Grace Rasmussen em um dos episódios.

Clique aqui e confira a crítica da minissérie sem spoilers publicada no blog Próximo Capítulo
 

Séries baseadas em casos reais

 
American crime story
• Antologia de Ryan Murphy, a produção já teve duas temporadas. A primeira teve como foco o julgamento do ex-atleta O.J. Simpson (Cuba Gooding Jr.) acusado de matar a ex-mulher e um homem em 1994. A segunda é sobre o assassino de Gianni Versace (Édgar Ramirez), o criminoso Andrew Cunanan (Darren Criss).

(foto: Netflix/Divulgação)
(foto: Netflix/Divulgação)


Manhunt: Unabomber:
• De Andrew Sodroski, a história gira em torno de Jim Fitzgerald (Sam Worthington), um agente da polícia especializados em criar o perfil de criminosos em busca de entender melhor a personalidade, e em consequência, as ações deles. Focada na década de 1990, a produção acompanha a saga da polícia em busca do assassino Unabomber (Paul Bettany).

Mindhunter
• Inspirada no livro Mindhunter — O primeiro caçador de serial killers americano, de John Douglas e Mark Olshaker, a série chegou à Netflix no ano passado e acompanha a história dos agentes do FBI Holden Ford (Jonathan Groff) e Bill Tench (Holt McCallany) que buscam criar o perfil de assassinos em série entrevistando os criminosos.



Olhos que condenam
• Lançada em 31 de maio no catálogo da Netflix, a minissérie retrata o caso de cinco jovens que foram injustamente acusados de um estupro no Central Park e só anos depois acabaram sendo inocentados. Com direção de Ava DuVernay, a produção foi lembrada em 16 categorias do Emmy, entre elas, melhor minissérie.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade