Publicidade

Correio Braziliense

Lets é a nova plataforma de streaming no mercado brasileiro

Plataforma é brasileira e tem mais de 2 mil títulos


postado em 26/09/2019 06:30 / atualizado em 27/09/2019 18:24

A plataforma foi idealizada por Paulo Echebarria (CEO) e Sandro Virgolino (CTO) após mais de 20 anos de experiência no mercado internacional(foto: Charles Damasceno/Divulgação )
A plataforma foi idealizada por Paulo Echebarria (CEO) e Sandro Virgolino (CTO) após mais de 20 anos de experiência no mercado internacional (foto: Charles Damasceno/Divulgação )

A guerra no mercado de streaming está a cada dia mais acirrada. Nas últimas semanas, a Amazon Prime Vídeo se mostrou mais competitiva ao divulgar um valor mais acessível da assinatura no Brasil, enquanto isso, a Apple anunciou a chegada da Apple TV+ como streaming também no país. Em meio a esse cenário, mais uma plataforma entra para a disputa. É a Lets, que já está disponível, mas será lançada oficialmente hoje em Brasília. 

“Com essa mudança toda de tecnologia, vimos a oportunidade de estarmos presentes nessa transformação, criando uma plataforma de streaming com conteúdo abrangente e diversificado, que vai atender a demanda do usuário do dia a dia. Assim surgiu a Lets. Hoje, você tem cerca de 12 streamings no Brasil, mas nenhum deles é tão grande quanto Netflix e Amazon Prime, e é nesse padrão que a Lets chega”, define Paulo Echebarria, CEO da empresa em entrevista ao Correio.

Genuinamente brasileiro, o serviço chega ao mercado com mais de dois mil títulos, entre eles filmes, séries, documentários e animações de estúdios como Warner, Disney, Universal, MGM, Paramount e Lions Gate. Um catálogo que foi galgado durante anos pelos idealizadores Paulo Echebarria (CEO) e Sandro Virgolino (CTO), que tem experiência no mercado de comunicação dos Estados Unidos há mais de 20 anos. “Foi um processo longo e demorado para ter essa cartela de filmes, porque é um regime muito exigente”, explica Echebarria.

De acordo com eles, o diferencial da plataforma será a aposta em uma programação interativa e noticiosa. A plataforma traz um canal internacional de notícias que funcionará 24 horas por dia. A atração, chamada CBS (Center of Broadcast Streaming), é uma releitura do CBS Telenotícias Brasil, produzido por anos nos Estados Unidos. “Temos uma plataforma que tem um diferencial enorme que é a interatividade”, afirma Sandro Virgolino, CTO da Lets. Para produzir esse conteúdo, a Lets terá uma equipe em Miami, uma das cinco cidades em que o serviço terá escritórios pelo mundo, além do já estabelecido em Brasília, cidade-sede da Lets no Brasil. 

 

Fomentar o audiovisual

 

A escolha pela capital federal, inclusive, é outra proposta que a equipe promete ser mais um diferencial da plataforma. A proposta dos idealizadores é fomentar a cena audiovisual em Brasília, tornando a capital federal em um espaço para a produção de conteúdo original da plataforma. “Você tem uma concentração no Sudeste do Brasil, sempre é Rio (de Janeiro) e São Paulo. A cadeia audiovisual acaba ficando muito nesses dois estados. Todo mundo que quer produzir tem que ir para lá. Mas temos um vasto território a ser explorado. Temos bons profissionais aqui, mas temos carência em quantidade. Só que a mão de obra está aonde a oportunidade e o emprego estão. Nós vamos produzir e não queremos apenas diminuir as distâncias, mas tornar o mercado competitivo. Queremos atender a demanda dessa região do Centro-Oeste para cima e ultrapassando as fronteiras para países como Venezuela, Colômbia...”, adianta o CEO da Lets.

Para isso, a empresa pretende construir na capital federal o Centro Avançado do Desenvolvimento da Indústria Audiovisual (CADIV). “Temos o produto e podemos trazer mais profissionais. Essa é a ideia de escolher Brasília. Aproveitando que o governador quer transformá-la em uma Hollywood, queremos criar o Cadiv, não só para produzirmos para a nossa plataforma, mas para produção de terceiros, porque também somos distribuidores de conteúdo”, completa Paulo Echebarria. Também é intenção da Lets abraçar produções nacionais, desde longas, séries a curtas-metragens. Por isso, em 2020, a empresa abrirá um edital para o desenvolvimento de roteiros e séries no Distrito Federal.

Sobre produções originais, a dupla de idealizadores faz mistério. As notícias que circulam sobre um filme com presença de artistas internacionais a ser rodado na capital federal ainda são, de acordo com eles, assuntos em negociação.

 

(foto: www.letsbrasil.com/Reprodução)
(foto: www.letsbrasil.com/Reprodução)
 

Como funciona

Já disponível no Brasil, o serviço pode ser usado pelo site (www.letsbrasil.com) ou pelo aplicativo Lets Brasil habilitado para iOS e Android, por meio de smartphones, smart TVs, tablet e computador. Como promoção de lançamento, os novos usuários terão 10 dias de degustação gratuita. A assinatura, que deve ser feita pela versão da web, custa R$ 12,90, para acesso básico, e R$ 16,90, na versão completa, que integra o catálogo mais atualizado com filmes recém-saídos do cinema e possibilidade de visualização em até duas telas. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade