Publicidade

Correio Braziliense

Figurinista de 'Bacurau' conta detalhes da construção visual do filme

A pernambucana Rita Azevedo foi a responsável por desenvolver o visual do longa. Confira a entrevista


postado em 29/09/2019 06:00

As roupas e adereços dos personagens compõem parte da história do filme brasileiro 'Bacurau'(foto: Victor Juca/Divulgação)
As roupas e adereços dos personagens compõem parte da história do filme brasileiro 'Bacurau' (foto: Victor Juca/Divulgação)

 
Imaginar o sertão nordestino é tarefa fácil. Chão seco com rachaduras, terra do amarelo queimado para o marrom, árvores com galhos retorcidos. Moradores com chinelo gasto no pé, os pés sujos por andar muito, e roupas de algodão em cores neutras. No cinema, esse foi o imaginário de sofrimento do sertão criado por diversas histórias passadas por lá, como O auto da compadecida, Central do Brasil, Capitães da areia

E pensar num sertão nordestino futurista em um enredo de suspense? Aí a imaginação já trava e pede mais criatividade. Esse enredo é a proposta do filme Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Além do roteiro disruptivo, o longa também traz a resistência de um povo como o tema central da história. 

A tarefa de representar visualmente esse sertão nordestino de Bacurau fica por conta da Direção de Arte e do Figurino da obra. A figurinista responsável por trazer todo essa visualização foi a pernambucana Rita Azevedo. Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal de Pernambuco, também desempenhou a função nos filmes Aquarius, Divino amor e Swinguerra. Em entrevista ao Correio, Rita conta sobre o processo de produção para construir o catálogo de roupas e adereços da obra. 

Bastidores da gravação do filme 'Bacurau'(foto: Victor Juca/Divulgação)
Bastidores da gravação do filme 'Bacurau' (foto: Victor Juca/Divulgação)

Como começa a construção dos seus personagens? 

A construção de cada filme é sempre muito diferente. Entrar nesses universos é uma jornada, porque é sempre uma coisa muito específica, sabe? Em Bacurau eu precisei me deslocar no tempo, para o futuro, mas vendo o realismo do sertão hoje. Eu também tinha a necessidade de fazer esse sertão dialogar com as periferias, trazer a atitude, a vaidade, a massificação. 


E quanto tempo leva? 

São várias semanas de pré-produção. Para chegar em Lunga (interpretado por Silvero Pereira), foram 10 semanas. Eu tinha conversas transformadoras em cada encontro com os diretores e roteiristas. A partir disso, fiz pesquisa de roupas de alta costura. Essas marcas me traziam o elemento do que estava sendo construído hoje, aí eu sempre fazia o cálculo de desconstrução e proporção até o futuro representado no filme. 


O filme tem uma história de resistência muito forte. Como isso é representado nas roupas? 

Mostrando as pessoas não como fragilizadas e simples. Tem uma atitude no figurino que esse processo de caracterização conseguiu, com as cores vibrantes, o processo de lavagem das peças, os adereços. Não focamos naquele estereótipo de tecido de algodão sem cor. 


Como foi para caracterizar Lunga, personagem mais marcante do filme? 

Foi bem desafiador. A gente precisava representá-lo ele em dois momentos bem distintos: um como refugiado, em situação desumana, se escondendo; o outro como líder, com força e com vaidade. Um cangaceiro contemporâneo. Lunga tem dois figurinos no filme, que precisaram ser muito certeiros. E foi. O desdobramento dele no filme foi muito incrível, e o figurino com certeza contribuiu para isso. 


Para finalizar, o que te chama a atenção no cinema pernambucano, principalmente na sua área de figurino

A gente em Pernambuco passou a ter agora universidades de cinema. Mas antes não tinha isso. Acaba que a formação das pessoas que trabalham com cinema são totalmente diversas. Talvez isso seja importante porque é como se tivesse mais liberdade num processo  de construção, e acho que isso traz mais diversidade aos filmes pernambucanos, e acho que isso acaba marcando as produções. Eu tenho um processo de liberdade um pouco maior.
 
 
*Estagiária sob a supervisão de Igor Silveira 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade