Publicidade

Correio Braziliense

Banda Sr. Gonzales Serenata Orquestra lança videoclipe no Youtube

Seguindo a tendência explorada na época do Móveis Coloniais de Acaju, o clipe explora personagens reais e a interação com o público


postado em 13/10/2019 07:00 / atualizado em 12/10/2019 17:50

(foto: Lucas Oliveira/Divulgação)
(foto: Lucas Oliveira/Divulgação)


“Eu odeio internet”, declara o compositor e cantor André Gonzales, ex-integrante da banda Móveis Coloniais de Acaju, que acaba de lançar no Youtube um videoclipe com sua banda atual — A Sr. Gonzales Serenata Orquestra. No projeto, ele assume a persona que dá nome à banda, ao lado do saxofonista Esdras Nogueira, do guitarrista Fernando Jatobá e do tecladista Gustavo Dreher — uma espécie de “Móveis de bolso”, já que os dois primeiros tocavam na banda e o último era produtor.

O baterista Txotxa e o percussionista Macaxeira completam o time que, sob a regência altamente criativa de Dreher — que já trabalhou com nomes como Júpiter Maçã — registrou em estúdio uma versão original do clássico Fascinação, de Fermo Marchetti, Maurice de Féraud e Armando Louzada. O clipe foi lançado em 1º de outubro, o Dia do Idoso, em homenagem ao público com o qual vem trabalhando desde o início animando eventos como o Baile do Previ.

O clipe, idealizado e escrito pelo vocalista e pela esposa, Joy Ballard, e produzido às pressas em cerca de uma semana, mostra um casal de idosos trocando carinhos, intimidades e declarações em planos bastante fechados. A ideia é falar sobre sexualidade na terceira idade, tema tabu para a sociedade em geral.

Seguindo a tendência explorada na época do Móveis, o clipe explora personagens reais e a interação com o público. Mas, ao contrário da antiga banda, o alvo do novo grupo é o público mais velho. Gonzales conta que, pouco antes do fim do Móveis, os músicos já tinham o projeto de gravar três versões de um mesmo álbum para faixas etárias diferentes. “Minha motivação, como artista, sempre foi a interação com o público. Eu queria me desafiar a trabalhar com um público diferente”, explica.

Nessa época, ele conheceu e se apaixonou pelo Baile do Previ, seresta do Clube dos Previdenciários que, há 40 anos, embala os aposentados da cidade. “Eu adoro esses rolês estranhos de Brasília, com música ‘esquisita’”, brinca o músico, que, na verdade, é louco por música antiga. Inclusive, era apaixonado pelas músicas de orquestras dos anos 1970, frequentes no repertório da Brasília Super Rádio. “Era surreal”, lembra.

Quando, certa madrugada, lá pelas 4h, se deparou, no bar Otelo, com o músico Frank Júnior, que tocava teclado com programações eletrônicas, o músico teve certeza do estilo que queria tocar dali pra frente. Com teclados, programações e efeitos de Dreher, coisas que não costumava tocar ao vivo, o sax com sintetizador de Esdras e a guitarra vintage de Jatobá, eles começaram a fazer versões de músicas antigas.

Só tinha um problema. “Tá muito lento!”, reclamavam os idosos, animados e acostumados a dançar até quatro horas seguidas. A banda passou a inserir ritmos mais animados no repertório e, em dado momento, lançou uma coletânea no Spotify. Apesar do clima vintage, do culto ao passado e do público-alvo, até agora, só foi viável distribuir o material digitalmente. “Para ter disco físico, eu teria que pagar”, explica André.
 

Confira o vídeo 

 
 
 
* Estagiário sob a supervisão de José Carlos Vieira
 
 
 
 
 
 
 



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade