Publicidade

Correio Braziliense

'Cantautores' chega a segunda edição no Espaço Cena

A classificação indicativa do evento é livre


postado em 16/10/2019 07:00 / atualizado em 16/10/2019 08:08

Letícia Fialho é a convidada de Túlio Borges no projeto Espaço Cena(foto: Thais Mallon/Divulgação)
Letícia Fialho é a convidada de Túlio Borges no projeto Espaço Cena (foto: Thais Mallon/Divulgação)

A criação e a produção de projetos por artistas da cena musical brasiliense estão se tornando uma tendência. Um dos mais novos é o Cantautores, iniciativa do cantor e compositor Túlio Borges e do multi-instrumentista Rodrigo Bezerra, que chega à segunda edição, hoje e amanhã, às 20h, tendo como convidada Letícia Fialho.

Outros aspectos importantes do Cantautores são o foco em trabalhos autorais e a ocupação do Espaço Cena, pequeno teatro localizado na 205 Norte, com capacidade para 50 espectadores. A programação tem apresentações marcadas para 16 e 17 de novembro, com a participação de Adriah; e 14 e 15 de dezembro, com Júnior Ferreira.

Protagonista do show de hoje e amanhã, Letícia Fialho, cantora, compositora e instrumentista nascida em Brasília, com 10 anos de carreira, tem dois discos lançados, Purpurina anzol e Maravilha marginal, nos quais assina todas as canções.

Ela, que atua também como cavaquinista e violinista do grupo Chinelo de Couro, fala da importância de participar do Cantautores. “O fato desse projeto dá visibilidade ao trabalho produzido por artistas da nova geração brasiliense deve ser visto como um ganho. Vou aproveitar a oportunidade para mostrar músicas dos meus discos, de forma intimista, bem próxima do público”.


Cantautores
Show da cantora e instrumentista Letícia Fialho hoje e amanhã, às 20h, no Espaço Cena (205 Norte). Ingressos R$ 40 e R$ 20 (meia-entrada). Classificação indicativa livre. Informações: 3443-8891.




Cinco Perguntas // Túlio Borges


'Cantautores' é uma iniciativa de Túlio Borges que tem como foco produções autorais(foto: Artur Dias/Divulgação)
'Cantautores' é uma iniciativa de Túlio Borges que tem como foco produções autorais (foto: Artur Dias/Divulgação)

Qual é a proposta do projeto Cantautores?
A ideia deste projeto é tentar mapear a produção cancioneira na cidade, além de também tentar jogar luz sobre um conjunto de obras e de autores que dão forma — em sua expressão composicional e performática — a sensações e conceitos capazes de deslocar sensibilidades e promover reflexões. Há ainda a intenção de que o público perceba o quão especial é o momento quando o próprio compositor entoa suas músicas da maneira que as criou. Por sua sinceridade e essencialidade, a música em estado bruto e essencial, apenas voz e instrumento, ao mesmo tempo provoca, revela e imprime marcas nos ouvintes.


A ideia surgiu quando?
Surgiu no início do ano, quando realizamos a primeira temporada do projeto, que contou com a participação de Simone Guimarães, Joana Duah e Luiza Borges. Eu e o Rodrigo somos amigos e parceiros e sempre trocamos bastante ideias sobre o processo da composição de uma canção. Essa troca não é tão comum entre os compositores, ou se dá apenas em círculos muito fechados, de modo que quisemos movimentar e articular cantautores e o público. Como parte desse projeto, será lançado ainda esse mês o primeiro podcast Cena Cantautores — disponível em todas as plataformas digitais —, o primeiro de muitos bate-papos já gravados com compositores, da cidade e de fora, sobre todos os aspectos que envolvem a criação de uma canção: as técnicas, os truques, os caminhos.


A escolha das convidadas obedeceu a qual critério?
Neste primeiro momento do projeto, a gente tem privilegiado cantautoras: as mulheres compõem e cantam suas próprias canções. Nesta segunda temporada, foram escolhidas a Letícia Fialho e a Adriah, compositoras e cantoras com trajetórias e estilos distintos, mas que têm bastante maturidade composicional e um estilo muito próprio. Fecha essa segunda temporada, o Junior Ferreira, que se descobriu compositor mais recentemente.Com sua sanfona já traça um caminho de parcerias importantes, como com Climério e Clodo Ferreira.


Vocês passarão a ocupar o Espaço Cena ou o local será utilizado apenas para o Cantautores?
O Espaço Cena ocupa um lugar importante para os músicos independentes de Brasília, que estão carentes por teatros menores, onde se possa experimentar e fazer pequenas temporadas. Existe uma parceria com o espaço, de modo que temos realizado algumas séries de shows próprios lá também.


Como vê a cena autoral de Brasília?
É uma cena definitivamente rica e pulsante, embora não muito articulada entre si. Essa articulação, a troca entre os compositores de músicas com letras, pode ser bastante importante na sedimentação de uma identidade da canção brasiliense.
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade