Publicidade

Correio Braziliense

Prática e técnica direcionam novos artistas em cursos da capital

Artistas da cidade montam cursos de arte que vão do teórico ao prático e são destinados a todo tipo de público


postado em 20/10/2019 06:00 / atualizado em 18/10/2019 19:02

Matias Mesquita vai ministrar oficinas de pintura a óleo(foto: Adriana Vignolli / Divulgação)
Matias Mesquita vai ministrar oficinas de pintura a óleo (foto: Adriana Vignolli / Divulgação)

 

O universo das artes visuais pode parecer um mundo mágico, fruto de um processo criativo cheio de mistérios. No entanto, boa parte do mistério da criação está ancorado na prática e na técnica. Nisso apostam alguns artistas da cidade que decidiram se debruçar sobre a arte de ensinar e criaram centros e ateliês independentes com cursos que vão da teoria à técnica. As opções são variadas, o conteúdo é rico e a experiência ajuda o público, quando leigo, a se aproximar e compreender mais a produção artística, seja histórica ou contemporânea.

No próximo dia 28, Matias Mesquita dá início a um curso sobre pintura a óleo, técnica que conhece com profundidade e usa como base de suas produções. Um dos idealizadores do Elefante Centro Cultural, um misto de galeria, ateliê e residência, Mesquita sentiu a necessidade de dar aulas há algum tempo, ao observar outros cursos ministrados no Elefante e a demanda de artistas e público. “Nunca tive essa experiência de dar aula, mas algumas pessoas perguntaram se não poderia ensinar minha técnica. Tenho uma técnica que desenvolvi, mas que é conhecida no mundo da pintura a óleo”, conta.

Mesquita montou duas turmas de cinco alunos para desenvolver a experiência. Boa parte dos inscritos é artistas, mas ele explica que não é preciso sequer saber desenhar para aproveitar o conteúdo das aulas. “Não é necessário saber desenhar porque vou usar referências fotográficas e não vamos atentar tanto para a questão da forma”, garante o artista, que trabalha com técnica mista de veladura e preenchimento de área. Cursos com Adriana Vignolli, Moisés Crivelaro e Alina Duchrow também devem fazer parte do programa do ateliê para os próximos meses.

Nas aulas idealizadas por Alina, o desenho é a estrela. E não é preciso saber rabiscar nem uma florzinha para participar. Especializada em desenho, a artista começou a dar aulas quando morava na Tunísia, há mais de oito anos. Em cursos intensivos ou em oficinas, a ideia é sempre facilitar o acesso dos alunos à prática do desenho. Para isso, Alina estabeleceu cinco etapas, uma metodologia que consiste em identificar a aptidão do aluno, fazê-lo enxergar as linhas e contornos, seguidos dos espaços negativos entre as coisas e do relacionamento entre elas. Por fim, entender luz e sombra e juntar tudo.
 
Dani Estrella, Ádon Bicalho e Yana Tamayo tocam a Nave e o estúdio oBarco: espaços para encontros e aulas de teoria e prática(foto: João Almeida Neto/ Divulgação)
Dani Estrella, Ádon Bicalho e Yana Tamayo tocam a Nave e o estúdio oBarco: espaços para encontros e aulas de teoria e prática (foto: João Almeida Neto/ Divulgação)
 
 

Diversidade


Alina desenvolveu as aulas com o intuito de receber todo tipo de público, incluindo pessoas que nunca tiveram contato com o ato de desenhar. “É uma metodologia na qual trago experiências que eu mesma tive, trabalhando com o lado direito do cérebro, tentando fazer uma transição cognitiva com exercícios, para desbloquear. Vou trazendo os conceitos do desenho e trabalhamos a prática”, avisa. “Quando desenvolvemos o lado direito, percebemos as coisas de uma maneira visual, e não verbal. O desenho amplia as possibilidades, desenvolve a criatividade. Qualquer pessoa pode aprender”, garante.

A experiência do aprendizado motivou a criação da Nave, em 2015, espaço de cursos e oficinas criado por Yana Tamayo, Dani Estrella e Cecília Bona, que deixou o projeto em 2016. “A Nave surgiu com o intuito de abrir um espaço de interlocução para artistas para além do espaço da universidade, com a ideia de fazer um acompanhamento crítico, uma troca”, explica Yana, que criou laboratórios de processos criativos para experimentações coletivas. Idealizado para ser um espaço de ações de formação com cursos livres, a Nave cresceu e, além da pesquisa, passou também a oferecer cursos teóricos e a abrigar o público leigo, e não apenas os artistas.

Hoje, Marília Panitz e Carlos Lin são responsáveis por módulos de história da arte com enfoques variados. Walter Benjamin, Freud e Georges Bataille já foram temas. O próximo terá a perspectiva de Jacques Lacan e, na próxima semana, o espaço oferece um curso de colagem com Tainá Xavier. Este ano, a Nave se associou ao estúdio oBarco, especializado em cursos sobre o processo analógico da fotografia.


Fotografia


Criado em 2015 a partir de um coletivo formado por alunos de audiovisual da Universidade de Brasília (UnB), o oBarco se tornou um espaço de cursos e eventos cujo foco é a fotografia analógica. Ádon Bicalho, que hoje toca o projeto, ministra oficinas de imersão no processo analógico. “Trabalhamos desde questões mais básicas, como dicas para fotografar e revelação de filmes em preto e branco, até o final, que é a digitalização. É um curso de três encontros que trabalha com esses processos híbridos e a possibilidade de desenvolver um trabalho em foto analógica hoje. A foto analógica está passando por um retorno”, avisa. O estúdio também oferece a opção de aluguel de câmeras analógicas para quem quiser fazer as oficinas e não tem o equipamento.

Oficinas de filmagem e revelação de filme em 16mm, de pinhole e técnica de quimigrama, além de workshop de retrato fazem parte dos programas do oBarco. Esta semana, o fotógrafo Diego Bresani ministra uma oficina de retratos. No mês passado, o fotógrafo Dirceu Maués comandou um workshop de pinhole e quimigrama, técnica que utiliza o papel fotossensível como suporte para intervenções feitas em laboratório. Durante a oficina, os próprios alunos constroem as câmeras pinhole a partir de peças cortadas a laser.



Laboratório de Pintura a Óleo com Matias Mesquita


TURMA 1 
• De 28 de outubro a 25 de novembro, às segundas-feiras, de 9h às 12h

TURMA 2 
• De 30 de outubro a 27 de novembro, quartas-feiras, de 18hs às 21h. No SCLRN 706, Bloco C, Loja 45 (antigo Elefante Centro Cultural)

Inscrições
https://forms.gle/Mg92RBwWoLt3vPio6 e pelo mail espaco.rinoceronte@gmail.com 

Valor
• R$ 380,00 (à vista) e R$ 400,00 (parcelado)


Curso de colagem com Tainá Xavier

• De 22 a 31 de outubro, terças e quintas, de 19h às 22h, na Nave (SGAS 904 Conjunto A, Bloco H, Subsolo). 

Valor
• R$ 390. 

Inscrição

Oficina de Retrato com Diego Bresani

• De 18 a 27 de novembro, segundas e quartas, de 19h às 22h, no oBarco Estúdio (SGAS 904 bloco H, Subsolo – ASCEB). 

Valor
• R$ 490,00 (até 11/11) e  R$ 558,90 (após 11/11). 

Inscrições

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf20n08ToLZ1nUqVCceYcBWGjhuGDWwYkv2QFKpHYyZYujbQA/viewform 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade