Publicidade

Correio Braziliense

Irreverente, Jorge Fernando deixa legado na televisão brasileira

Morto no último domingo, Jorge Fernando marcou época nas telinhas. Amigos relembram a trajetória de sucesso do diretor. Corpo do artista será velado hoje no Rio de Janeiro


postado em 29/10/2019 08:17 / atualizado em 29/10/2019 08:17

O diretor destacou-se em diversos sucessos da televisão como 'Guerra dos sexos' e 'Vamp'(foto: Thiago Prado Neris/Rede Globo)
O diretor destacou-se em diversos sucessos da televisão como 'Guerra dos sexos' e 'Vamp' (foto: Thiago Prado Neris/Rede Globo)

O trabalho do ator e diretor Jorge Fernando durante a maior parte dos 64 anos de vida e quase 40 de carreira foi fazer as pessoas felizes. Irreverente, profissional diferenciado e alma marcante. É assim que será lembrado o diretor de inúmeros sucessos na tevê e no cinema brasileiro.

Mesmo começando a carreira como ator versátil, Jorge Fernando foi mais reconhecido pelo trabalho como diretor. Novelas como Vamp, Guerra dos sexos e o remake de Ti-Ti-Ti fazem parte do currículo do artista, que também conta com séries e programas de variedades, além de participações no cinema.

Jorge Fernando morreu em decorrência de uma parada cardíaca por volta das 20h do último domingo. O velório do artista será, hoje, na Sala Marília Pêra do Teatro do Leblon e estará aberto ao público de 8h às 10h. Das 10h às 12h, a cerimônia será privada a amigos e familiares.

Jorginho, como era conhecido pelos amigos, deixa um legado profissional, afeto e amizade. “Ele foi uma pessoa que me ajudou muito numa fase da minha profissão”, pontua a diretora Cininha de Paula em entrevista ao Correio. Parceira de Jorge Fernando em Sai de baixo e Não fuja da Raia, Cininha lembra do carinho do colega: “Ele gostava muito de mim, dizia que eu era a ‘Jorja Fernanda’, porque a forma com que eu trabalhava, principalmente com comédia, lembrava a dele”. A diretora ainda completou emocionada: “Uma pessoa que me ensinou muito e me deu oportunidades”.

O ator brasiliense Rainer Cadete também lembra com muito carinho do diretor, que foi o seu primeiro em novelas. “Supercarismático, um mestre me ensinou muito, energia muito boa, um senso de humor e uma alegria que eram características muito fortes dele”, afirma ao Correio.

A energia e o bom humor eram algumas das características mais marcantes do diretor(foto: Joao Miguel Junior/Globo)
A energia e o bom humor eram algumas das características mais marcantes do diretor (foto: Joao Miguel Junior/Globo)
 

Irreverência marcante


A principal característica pela qual Jorge Fernando era citado era a irreverência. Carioca da Zona Norte, adorava desfilar em escolas de samba, tinha orgulho do bairro em que viveu a juventude, o Méier. O diretor era sinônimo de alegria nos corredores do Projac, Cininha de Paula relembra: “Ele me gritava por Cina. Só duas pessoas me chamavam assim. Ele e o Chico Anysio”, diz. A última vez em que ouviu Jorge Fernando gritando seu nome no Projac havia sido no final das gravações da novela Verão 90 ainda este ano, folhetim que marcou o retorno do diretor às telinhas após dois anos. Ele ficou afastado por conta de um AVC.

O diretor era extrovertido e brincava com todos ao seu redor. Fazia o trabalho com muita competência e lidava com os colegas de profissão com bom humor e respeito. “Jorge Fernando tinha uma característica de carregar a felicidade dentro dele”, revela Cininha e completa sobre a forma como ele tratava a todos. “Ele era espiritualizado e muito carinhoso, talvez carinho seja a palavra que melhor define o que ele transmitia”.

Rainer Cadete viveu um momento especial com Jorge Fernando, logo no início da carreira. “Tenho uma memória muito doce do Jorge. Minha primeira cena foi com ele. Ele era o diretor de Caras & bocas e eu fazia o personagem do protagonista mais jovem, que depois seria interpretado por Malvino Salvador”. A novela de 2009 marcou a estreia de Rainer justo em uma cena com Jorge Fernando. “Ele fez o meu professor de artes. Eu me lembro que, antes da cena, ele falou com muito bom humor: ‘Vou te engolir’. Querendo me jogar para cima, para gente ir com tudo para cena”, relata o ator, que atualmente está no elenco de A dona do pedaço.

“O maior legado que Jorge vai deixar é o riso. O riso dele e o riso que ele transmitia”, acrescenta Cininha de Paula. Jorge Fernando tinha uma visão diferenciada para dirigir comédias. Inspiração para muitos da profissão, o diretor e ator marcou época e foi responsável por novelas, séries e programas inesquecíveis para o público brasileiro. Cenas como o café da manhã de Fernanda Montenegro e Paulo Autran em Guerra dos sexos serão lembradas como um pouco do diretor na história da televisão brasileira. Jorge Fernando se preparava para estrear em janeiro nos palcos com a peça Kaboom, que tinha Maria Carol e Lucas Domson no elenco.

*Estagiário sob supervisão de José Carlos Vieira


História de sucesso



Ciranda, cirandinha
• Primeira participação de Jorge Fernando como ator na TV foi em 1978 na série Ciranda, cirandinha. Na época com 23 anos, ele fez Reinaldo, um homem de 21 anos que era formado em comunicação, mas trabalhava com computadores, a série teve sete episódios.


Jogo da vida
• A estreia de Jorge Fernando na direção de uma novela veio no horário das 19h com Jogo da vida. A comédia de Janete Clair, teve 167 capítulos e foi protagonizada por Glória Menezes e Gianfrancesco Guarnieri.


Guerra dos sexos
• Em 1983, dirigiu a inesquecível, Guerra dos sexos. Novela protagonizada por Fernanda Montenegro e Paulo Autran teve 185 capítulos e moldou a comédia que é utilizada no horário das 19h das telenovelas da Globo. A produção ganhou um remake em 2012, que também foi dirigido por Jorge Fernando.


Vamp
• Novela musical de 1991, Vamp teve a direção-geral de Jorge Fernando. A história de Conde Vlad, interpretado por Ney Latorraca, e da vampira roqueira Natasha, vivida por Cláudia Ohanna, foi adaptada para o teatro em 2017 com a participação de Jorge Fernando.


Verão 90
• Último trabalho do diretor, foi ao ar neste ano também no horário das 19h. História protagonizada por Isabelle Drummond e Rafael Vitti, Verão 90 era uma homenagem a cultura e moda dos anos 1990 no Brasil e teve 154 capítulos.


Repercussão


“Jorginho. Jorginho. Que sorte a minha. Obrigada meu primeiro diretor na TV. E tantas vezes. E meu parceiro. E amigo. Você era totalmente diferente. Você é espetacular! Mesmo! Te amo Jorginho. Vai na garupa do teu santo. Força, Dona Hilda e família” — Marisa Orth


“Estive com Jorge há duas semanas. Ele sempre com um sorriso cada vez mais largo e contagiante. Terminamos o nosso encontro com um ‘eu te amo’ selado por um beijo. Não tenho nenhuma foto com ele, mas tenho comigo e no meu coração todas as imagens e sentimentos de cada encontro. Jorge é alguém muito especial. É explosão de alegria. Obrigada, meu amigo, por tanta risada, tanto talento e pela oportunidade de ter trabalhado com você! Agora você fará ‘Boom!’ no céu e os anjos nunca mais serão os mesmos!” — Ana Furtado


“Guerreiro Jorge! Sempre que nos encontrávamos pelos Estúdios Globo, falávamos da vontade de trabalharmos juntos. E em Verão 90 deu certo. Que honra foi poder ter trabalhado com você! Um furacão criativo, incansável, um fazedor de sucessos como ninguém. Obrigado pelos dias de gravações intensos e divertidos. Obrigado pelo respeito e admiração que sempre teve comigo. A recíproca é verdadeira, você sabe. Descanse em paz! Foi lindo!” — Marcos Veras


“Jorge Fernando! Tanta alegria nos trouxe, vá com Deus, que sua caminhada continue luminosa e cheia de amor, como sempre foi” — Leona Cavalli


“Hoje o dia começa triste, mas você sempre nos ensinou a alegria. E é assim que vou seguir, alegre, sempre lembrando de você! Te amo!” — Deborah Secco 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade