Publicidade

Correio Braziliense

Tributo a Rui Barbosa celebra o Dia Nacional da Cultura

Evento no Teatro Dulcina com música e leitura dramática dá relevo à produção cultural diversificada e destaca presença feminina, no Dia Nacional da Cultura


postado em 05/11/2019 07:33 / atualizado em 05/11/2019 10:17

O Tributo a Rui Barbosa, no Teatro Dulcina, comemora o Dia Nacional da Cultura(foto: Reprodução/ Internet)
O Tributo a Rui Barbosa, no Teatro Dulcina, comemora o Dia Nacional da Cultura (foto: Reprodução/ Internet)

 

É momento de celebrar a cultura. Hoje, 5 de novembro, é comemorado o Dia Nacional da Cultura e também marca o aniversário de um dos grandes pensadores brasileiros, Rui Barbosa (1829-1923), que completaria 170 anos. Para fazer justiça a esta data, o grupo Mulheres do Brasil promove, hoje, um tributo a Rui Barbosa, no Teatro Dulcina.

 

O evento está recheado de atrações artísticas para celebrar justamente a arte e a cultura. Rodas de conversa, declamações de poemas, apresentações culturais dão o tom do tributo. A celebração é, também, para chamar a atenção para a necessidade de recuperação dos nossos espaços culturais.

 

“Um dos principais objetivos é pela revitalização do Teatro Dulcina, que está indo no mesmo caminho do Teatro Nacional. Escolhemos esse teatro para o tributo justamente fazer esse movimento de resgate aos nossos patrimônios”, aponta Cleuza Brandão, idealizadora do projeto. Quem dá rumo ao tributo é o livro Cartas à noiva, uma coletânea de textos escritos por Rui Barbosa a amada futura esposa, Maria Augusta.

 

“As cartas revelaram um outro lado de Rui Barbosa, um lado desconhecido pelas pessoas de que ele era um homem comum e apaixonado”, conta a idealizadora, que também é dramaturga. Rui Barbosa foi um importantíssimo defensor dos direitos individuais. E celebrá-lo em companhia à cultura, nestes tempos conturbados em que vivemos, é de extrema relevância.

 

Para Cleuza Brandão, o período em que nos encontramos é de incertezas. “Estamos num momento em que existe um movimento muito grande pela liberdade de expressão. A classe artística está vivendo um instante de incertezas, a vida inteira ela foi resistência”. Cleuza ainda aponta que muitos confundem entretenimento com cultura. “Ela (a cultura) não se resume a entretenimento. É a preservação da história do homem, ela é a história da humanidade e tem que ser preservada”, diz a dramaturga.

 

Abrindo o Tributo a Rui Barbosa, uma roda de conversa sobre a mulher na cultura brasileira. Trazendo reflexões acerca da pluralidade cultura do Brasil e sobre o papel da mulher na cultura, estarão a jornalista Dad Squarisi e a cineasta Núbia Santana. Haverá uma leitura das cartas de Rui Barbosa, com interpretação dramática de alguns textos por Natanry Osório, umas das professoras pioneiras do Distrito Federal. A atriz já dividiu o palco com a magnífica atriz Dulcina de Moraes, que dá nome ao teatro.

 

A violinista Kathia Pinheiro tocará Carlos Gardel, com performance da drag queen Raio Laser. O grupo de percussão do projeto Nota 10, do Instituto Lumiart, declamará os pensamentos de Rui Barbosa com uma performance. O clima do evento será ambientado todo nas décadas entre 1920 e 1940. “É um encontro de gerações, Dulcina de Moraes estreou no ano em que Rui Barbosa morreu, 1923. Maria Augusta Morreu em 1946. Vamos estar com trajes referentes a estes períodos, para dar um clima dessas décadas”, conta Cleuza Brandão.

 

*Estagiário sob a supervisão de Severino Francisco.

 

Tributo a Rui Barbosa

Teatro Dulcina (SDS, Bl. C, lt. 30/64; 3322-4147). Terça (5/11), às 19h. Entrada franca, mas é necessário a retirada de ingressos pelo site, e está sujeito à lotação. Classificação indicativa livre. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade