Publicidade

Correio Braziliense

Escritora brasiliense Cristiane Sobral roda os EUA com poesia e palestras

Poeta, diretora e atriz, Cristiane Sobral participa desde outubro de ciclo de eventos por universidades norte-americanas, compartilhando experiências sobre arte e negritude


postado em 08/11/2019 19:29 / atualizado em 08/11/2019 19:29

A poeta Cristiane Sobral percorre universidades dos Estados Unidos compartilhando experiências com estéticas negras (foto: Arquivo Pessoal)
A poeta Cristiane Sobral percorre universidades dos Estados Unidos compartilhando experiências com estéticas negras (foto: Arquivo Pessoal)
 

A escritora, poeta, atriz e diretora Cristiane Sobral, carioca radicada em Brasília, está circulando desde 22 de outubro por uma série de universidades norte-americanas. Nos eventos, a poeta divide com o público a experiência com estética e negritude, por meio de palestras, rodas de conversa, oficinas, simpósios, apresentações, leituras de poesia e saraus. 

 

A poeta foi para o ciclo de eventos a convite do coletivo Mulherio das Letras, grupo criado para reunir mulheres lusófonas que vivem nos Estados Unidos, com o intuito de difundir pesquisas e obras literárias produzidas por mulheres. O grupo realizará a primeira conferência em novembro, em Atlanta (Geórgia). 

 

Cristiane já passou pela Universidade da Georgia, Nashville/Vanderbilt, Spelman College, Universidade de Harvard, Brown University, Washington and Lee University, e Universidade de Pittsburgh. A partir de domingo (10/11), até o próximo sábado, ela passa pelas universidades de Iowa, Tenesse e realiza uma conferência em Atlanta.

 

De volta a Brasília, Cristiane Sobral compartilhará a experiência de viagem em um evento. 

 

Cristiane Sobral é mestre em Artes pela UnB e pesquisa teatros e literaturas de matrizes africanas e indígenas. Já realizou palestras e apresentou espetáculos em diversos países. É autora do espetáculo Esperando Zumbi, que ficou em primeiro lugar no Festival Frente Feminina, e de nove livros, entre eles Não vou mais lavar os pratos (Editora Atalaia, 2010) e Dona dos ventos (Ed. Patuá, 2019).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade