Publicidade

Correio Braziliense

Armandinho Macedo celebra 50 anos de carreira com show no Clube do Choro

Acompanhado do grupo brasiliense Choro Livre, Armandinho faz retrospectiva de sua trajetória


postado em 28/11/2019 06:15 / atualizado em 28/11/2019 14:33

(foto: DanielFama/Divulgação)
(foto: DanielFama/Divulgação)

Há 50 anos, o Brasil tomou conhecimento de um genial bandolinista quando a extinta TV Tupi exibiu a performance de um adolescente baiano, chamado Armandinho Macedo, na final do programa A Grande Chance, apresentado por Flávio Cavalcante. Ao exibir precocemente sua arte, interpretando um pot-pourri de choro, valsa e frevo, o jovem instrumentista arrebatou os jurados e foi aplaudidíssimo pela plateia, que superlotava o Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Ao longo da carreira, Armandinho se destacou em várias frentes. Tomou para si o comando do Trio Elétrico de Dodô e Osmar, ícone do carnaval de Salvador; foi um dos fundadores da banda pop A Cor do Som, realizou projetos com uma infinidade de músicos brasileiros, lançou vários discos e mantém uma alentada agenda de shows, fazendo apresentações no Brasil e no exterior.

Em Brasília, ele toca com alguma frequência, principalmente nos projetos do Clube do Choro — quase sempre acompanhado por seu grupo. No retorno à capital para participar do projeto em tributo a Jacob do Bandolim, ele sobe ao palco do Espaço Cultural do Choro nesta quinta-feira (28/11) e sexta-feira (29/11), às 21h, desta vez tendo a companhia do regional Choro Livre, formado por Fernando César (violão 7 cordas), George Costa (violão de 6 cordas), Márcio Marinho (cavaquinho) e Valério Xavier (pandeiro).

“Vamos fazer um show um tanto quanto retrospectivo da minha trajetória na música popular brasileira. Não faltarão, é claro, chorinhos clássicos de Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim e Waldir Azevedo, que aprendi a tocar com meu pai; músicas marcantes do Trio Elétrico Dodô e Osmar, da Cor e do CD Pop choro, que lancei pela Biscoito Fino”, anuncia. Sempre costumo incluir no repertório a minha versão de Bolero, de Ravel”, acrescenta.

A Cor do Som


Foi total o envolvimento do bandolinista e guitarrista baiano com o recém-lançado álbum comemorativo dos 40 anos de A Cor do Som, ao lado de Dadi Carvalho, Mu Carvalho, Gustavo Schroeter e Ary Dias, que tem a participação de Gilberto Gil, Djavan, Lulu Santos, Venturini, Samuel Rosa, Roupa Nova e da banda brasiliense Natiruts. Um dos destaques do disco é Zanzibar, parceria de Armandinho com Fausto Nilo.

Outro lançamento recente do músico é BAS – Brasil Afro Sinfônico, disco gravado com percussionistas do Olodum da nova geração e da Orquestra Sinfônica de São Petersburg, da Rússia. “Faço solos de guitarra, acompanhado pela orquestra e os percussionistas do Olodum em peças clássicas, entre as quais Ave Maria (Schubert), Marcha Turca (Mozart), Quinta Sinfonia (Beethoven) e Bolero (Ravel)”, destaca.

Incansável, Armandinho cuida da finalização do DVD que gravou com o bandolinista Hamilton de Holanda. “Fizemos gravações tocando em locais paradisíacos da Bahia como Projeto Tamar, Praia do Forte, Reserva Imbassaí, Lagoa do Abaeté, Castelo Garcia D´Avila, Lagoa do Abaeté e Museu de Arte Moderna de Salvador, entre outros”, conta.

Sempre muito solicitado, o guitarrista fez um show em outubro último com o violonista Marcel Powell, no Teatro Rubi do Hotel a Bahia, em tributo a Baden Powell, que vai ser transformado no disco ao vivo. “Foi um encontro muito bacana, em que fizemos duo, tocando afrossambas como Berimbau, Canto de Ossanha, além do Samba em prelúdio. O CD está em fase de mixagem e vamos lançar em breve”.

Quanto à apresentação ao lado do Choro Livre, Armandinho diz que está na maior expectativa. “O Choro Livre, criado por meu amigo Reco do Bandolim, é formado por jovens músicos de muito talento, com profundo conhecimento do choro e de outros estilos musicais. Não sei se o Reco vai se juntar a nós no palco, mas gostaria muito”, frisa.


Armandinho Macedo e Choro Livre

Show nesta quinta-feira (28/11) e sexta-feira (29/11), às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia para estudantes). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade