Publicidade

Correio Braziliense

Leo Chaves vem a Brasília para lançamento do segundo livro

Após fim da dupla com o irmão, o cantor e, agora, escritor lança segundo livro e aposta em novo momento na carreira


postado em 01/12/2019 06:15 / atualizado em 29/11/2019 19:27

Em nova fase, o artista se dedica ao autoconhecimento com livros e projeto solo(foto: Editora Planeta de Livros Brasil/Divulgação)
Em nova fase, o artista se dedica ao autoconhecimento com livros e projeto solo (foto: Editora Planeta de Livros Brasil/Divulgação)

Cantor e, agora escritor, Leo Chaves ficou conhecido no Brasil pela dupla sertaneja a qual fazia parte ao lado do irmão Victor. Os mineiros estouraram para todo o país com o sucesso Borboletas. Juntos, tiveram uma carreira de 27 anos, que chegou ao fim após divergências. Antes mesmo do anúncio do fim da dupla, Leo Chaves estava num caminho de mudança, trabalhando no autoconhecimento, estudando filosofia e fazendo palestras. Esse momento o inspirou a se comunicar com o público de outra forma: pela escrita tradicional nas páginas de livros.

A estreia como escritor foi em 2017 com No colo dos anjos. Uma ficção que acompanha dois personagens Bruce, um artista que foi internado inconsciente sob suspeita de uso de drogas, e Martin, o contrário, um artista renomado e com uma carreira exemplar. “Esse novo desafio na minha vida de seguir um caminho de escritor foi traçado diante da criação de um hábito diário e leitura, e de, posteriormente, começar a escrever”, conta, em entrevista ao Correio.

Já inspirado pelo primeiro lançamento, Leo Chaves pensou no segundo livro, o recém-lançado A grande arte de se reinventar — as 7 habilidades que podem mudar a sua vida, da Editora Planeta. “Começaram a surgir textos diários de reflexões, de percepções, de situações, de vivências e de experiências, e acabaram virando um livro. Obviamente isso converge muito e dialoga diretamente com a esfera de palestras, em que atuou muito ativamente. Quando lancei No colo dos anjos, imediatamente comecei a pensar num tema para um segundo livro, que foi surgindo naturalmente”, revela.

Em sua segunda obra, Leo traz a experiência filosófica — ele faz aulas particulares de filosofia vitalista e existencialista há alguns anos — e também pessoal, para, de forma motivacional, inspirar os leitores. A partir das próprias vivências e da leitura de uma bibliografia que tem nomes como Friedrich Nietzsche, Jean-Paul Sartre e Arthur Schopenhauer, chegou as sete habilidades que todo mundo tem que ter para tomar as rédeas da própria vida. “Passei por inúmeras reinvenções na minha jornada profissional e também pessoal. Eu não tinha muitas habilidades comunicativas. Pelo contrário, tinha monstros internos, sofria com timidez e com a vergonha de falar em público, meu coração acelerava. Tive que enfrentar esses medos e isso foi uma reinvenção total. Eu jamais imaginaria que eu fosse ser um dia um palestrante”, afirma.

A experiência na dupla sertaneja também é vista pelo cantor como outro momento de mudança em sua trajetória e de descobertas de novas habilidades, compartilhadas no livro. “Passei por um processo de autorreinvenção dentro mesmo do Victor & Leo. As pessoas observavam um artista no início do sucesso, nos primeiros DVDs... Depois fui me tornando outro em cima do palco até mesmo em respeito ao visual. Na minha vida como empresário, também passei por um processo muito forte de reinvenção diante da ótica de gestão. As pessoas me identificam como uma pessoa revolucionária mesmo. Então, decidi compartilhar como se constrói essas reinvenções e quais habilidades utilizei nesse processo, que formam as sete grandes habilidades que podem impactar na vida de uma pessoa, como diz o livro”, completa.

Disponível nas livrarias, o segundo livro de Leo Chaves já teve um lançamento oficial em Belo Horizonte. A partir de 4 de dezembro, o autor roda o Brasil com sessão de autógrafos. A agenda começa em Porto Alegre, passa por São Paulo (5 de dezembro) e chega a Brasília no dia 6, com lançamento e sessão de autógrafos a partir das 18h no Shopping Pier 21. Depois, o mineiro segue para Goiânia (7) e Uberlândia (8).

Projeto musical


Paralelamente a agenda de lançamentos, Leo começa a dar os primeiros passos oficiais de seu retorno à música. Com o fim da dupla, o artista seguirá um caminho solo, que teve início oficial com o lançamento do primeiro single Wi-Fi do vizinho, música que chegou às plataformas digitais, acompanhada de um clipe, no último dia 25. A faixa foi gravada ao vivo no primeiro show solo aberto ao público, no KM de Vantagens Hall, em Belo Horizonte. Assim como no livro, a composição tem como base experiências pessoais do cantor da época em que cantava em boteco e tinha “um bolso vazio e um coração partido”,

Sobre o projeto solo, o sertanejo adianta que tem algumas composições produzidas. Por enquanto, ele ainda não sabe se lançará um CD ou um DVD. Mas é certo de que novidades podem ser esperadas muito em breve. “Ao longo de um ano e meio, venho fazendo laboratório musical no estúdio, experimentando ritmos, nuances, letras e vários aspectos. Isso me ajudou muito para que eu pudesse identificar a linha que eu vou seguir, que vai ser bastante popular. Vai ser algo que as pessoas vão se surpreender. Quero ser um cantor de massa, um cantor popular”, classifica.

Algo que chegou a ser ao lado do irmão Victor. Pelo menos no início da carreira, como ele mesmo diz: “Acho que a gente fez isso muito bem no início. Depois, talvez, a gente tenha naturalmente mudado um pouco as direções”.


Duas perguntas /Leo Chaves



Como foi a pesquisa bibliográfica para escrever o livro?

Estudo filosofia vitalista e existencialista há algum tempo. Faço aulas particulares. Então pensadores como, Friedrich Nietzsche, Jean-Paul Sartre e Arthur Schopenhauer e outros mais, sempre estiveram na minha lista de preferência. Foram caras que tiveram um olhar crítico diante da existência, do ser humano, da sociedade, dos conflitos internos e sociais. Isso tudo obviamente me serviu de inspiração e de fonte para escrever esse livro. Fiz muitas analogias diante das coisas que eu percebia e depois estudava nas aulas sobre quem falou desse conceito convergindo com essa visão. Porque há muito tempo a humanidade pensa com esse olho, com essa ótica e aí é interessante que isso vai se renovando ao longo da existência.


Você falou das suas muitas reinvenções. Como tem sido se reinventar na música?

Estou cavando um buraco enorme, preenchido com experiências e vivências do Victor & Leo. Preciso cavar esse buraco até a fonte para me reinventar e começar de novo. Então, é óbvio que estou tentando buscar a nascente de tudo. É como se eu tivesse voltando lá atrás e inventando um novo produto. Estou buscando todos esses conceitos. Identidade musical, criar uma personalidade musical diferente, construindo um repertório, uma performance no palco diferenciada. Acho que o processo de reinvenção é multiangular, você tem que procurar realmente vestir uma roupa nova em todos os aspectos, metaforicamente. Estou realmente limpando o prato para descobrir novos temperos. (risos)

 
Confira o clipe de  Wi-Fi do vizinho:

 
 
 
 
 
(foto: Editora Planeta de Livros Brasil/Divulgação)
(foto: Editora Planeta de Livros Brasil/Divulgação)

A grande arte de se reinventar — as 7 habilidades que podem mudar a sua vida

De Leo Chaves. Editora Planeta, 208 páginas. Preço médio: R$ 29,90 (e-book) e R$ 39,90 (impresso).

Lançamento em Brasília

Livraria Leitura do Shopping Pier 21 (SCES, Tc. 2). Em 6 de dezembro (sexta-feira), a partir das 18h. Lançamento do livro A grande arte de se reinventar, de Leo Chaves, com sessão de autógrafos. Entrada franca. Poderão retirar senha para a sessão os fãs que apresentaram o livro. A distribuição de senhas começa a partir das 13h. Classificação indicativa livre.
 
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade