Publicidade

Correio Braziliense

'Como ser um rockstar', de Guga Mafra, é mix de podcast e audiobook

Em 'Como ser um rockstar', Guga Mafra estabelece um diálogo com o filho Eric sobre a sua adolescência musical no DF, em linguagem batizada por ele de podbook


postado em 03/12/2019 06:54 / atualizado em 03/12/2019 10:24

Em 'Como ser um rockstar', Guga Mafra estabelece um diálogo com o filho Eric sobre a sua adolescência musical no DF(foto: Como ser um rockstar/Divulgação)
Em 'Como ser um rockstar', Guga Mafra estabelece um diálogo com o filho Eric sobre a sua adolescência musical no DF (foto: Como ser um rockstar/Divulgação)
 
A efervescência da cena do rock nos anos 1980 e 1990 em Brasília é conhecida pelo Brasil afora. Mas o dia a dia no quadradinho, não. Essa visão de dentro é o que o jornalista e podcaster Guga Mafra passa no podbook Como ser um rockstar, lançado em novembro na plataforma de áudiobook Storytel. A obra é uma mistura entre os conceitos de áudiobook e podcast, em que Guga estabelece um diálogo com o filho Eric para contar a história de um jovem nos anos 1990, morador de Brasília, que achava que resolveria todos os problemas montando uma banda de rock.
 
A ideia veio da própria dinâmica com o filho, que, desde os 7 anos — agora, ele tem 15 —, gostava de ouvir as histórias da adolescência do pai. "Percebi que tinham algumas histórias que eram legais e às quais as pessoas podiam se identificar. Essa era a maneira legal de contar: eu contando para ele. Eu tinha a ideia de um livro normal e isso vai acontecer, mas achei que o tempero dele era esse: eu contando essa história para o Erick, com esse contraste entre as gerações”, revela, em entrevista ao Correio.
 
Do ponto de partida de mostrar um diálogo e não uma narração, como ocorrem nos áudiobooks, Guga Mafra criou o conceito de podbook, em que ele une o formato tradicional da versão em áudio dos livros, com a sua vasta experiência nos podcasts — ele é responsável pelo famoso podcast Gugacast. "É um audiobook com a linguagem de podcast. Essa é a definição dele", afirma. Sobre o pioneirismo, Guga diz que apenas criou o conceito de podbook, mas que existem diversas iniciativas, inclusive no Brasil, que apresentam outros formatos relacionados ao áudio: "Existem muitas coisas sendo feitas em áudiodrama, áudiodocumental. Existem outras maneiras de você explorar o áudio, que não o áudiobook e o podcast. Agora esse termo fui eu que criei".
 
Em formato seriado, Como ser um rockstar é dividido em 10 episódios, que juntos chegam a 10 horas de duração. O podbook foi lançado em novembro na plataforma Storytel, que reúne áudiobooks, séries, podcasts e conteúdos em áudio, de forma gratuita. Desde que o leitor se cadastre no serviço, ele pode ouvir de graça por um período de 30 dias.

Narrativa

Como ser um rockstar foi criado com base em dois grandes sucessos da tevê, as séries How I met your mother e Anos incríveis. Da primeira, Guga Mafra bebeu da fonte de contar uma história sem uma sequência temporal, indo e voltando no tempo, sem falar no fato de ser um diálogo com o filho. Entretanto, a atmosfera vem de Anos incríveis. "É a história sobre a adolescência e se você pega How I met your mother e Anos incríveis, elas são sobre isso. How I met your mother é uma influência muito importante por conta da narrativa. Assistindo várias vezes comecei a pegar umas ideias de que você pode ir e voltar no tempo várias vezes, o que fica mais interessante. Só que lá, eles são adultos. Em Como ser um rockstar, o personagem principal tem 15 anos. Então, nisso acho que se relaciona muito mais com Anos incríveis. É uma história de você superar a adolescência, esse crescimento e esse amadurecimento", completa.
 
Inicialmente, o autor pensou em não estabelecer um cenário fixo. Porém, depois percebeu a importância de retratar essa história em Brasília mesmo, como realmente aconteceu na adolescência de Guga. "Quando comecei a escrever, tinha a ideia de fazer uma cidade genérica, eu não ia falar onde era, para permitir que mais pessoas se identificassem. Mas à medida que fui escrevendo, fui percebendo que Brasília é, de certa forma, um personagem dessa história, porque está muito ligada aos anos 1990 em si e ao rock. E Brasília era o berço do rock, era para onde todo mundo olhava esperando a próxima grande banda de rock, por tudo que aconteceu nos anos 1980. A cena do rock de Brasília era muito importante, então virei e faço questão de explicar Brasília, o que são as superquadras, o Eixão... A gente trouxe isso para a história também e ficou muito legal”, explica.
 
Assim, o ouvinte será transportado pela narrativa para o cenário de Brasília dos anos 1990, com referências às superquadras, o Eixão, a Universidade de Brasília (UnB), o Conic e o Teatro Garagem do Sesc, importante reduto da cena underground e autoral brasiliense. “Acho que todo mundo vai conseguir se identificar com algumas coisas ali. Conto que a gente vai fazer o primeiro show da banda no estacionamento na UnB, da nossa relação com o Teatro Garagem do Sesc. Falo das bandas de rock, não só as que gravaram disco, mas as undergrounds como Os cabelo duro e Detrito Federal, porque o que a gente queria na época, era estar nesse meio. Se a gente gravasse disco e estourasse seria muito legal, mas a gente nem tava mirando nisso. A gente queria fazer shows localmente mesmo. Isso era o mais importante para gente. Então eu conto muito sobre isso", completa.

SERVIÇO
Como ser um rockstar
De Guga Mafra. Podbook disponível em www.storytel.com/como-ser-um/rockstar. A plataforma está disponível em aplicativo para IOS ou Android. A assinatura mensal custa R$ 27,90, paga no cartão de crédito. Para quem assinar a plataforma pelo link do Gugacast terá 30 dias grátis para ouvir os conteúdos da Storytel. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade