Publicidade

Correio Braziliense

Mostra de animação é destaque na programação cultural do CCBB

Com apresentação de quase 40 longas-metragens, a DreamWorks leva um panorama da produção recente ao CCBB


postado em 04/12/2019 08:22 / atualizado em 04/12/2019 08:22

Lançado em 2001, 'Shrek' é um grande marco na história da DreamWorks(foto: DreamWorks/NBCUniversal/Divulgação)
Lançado em 2001, 'Shrek' é um grande marco na história da DreamWorks (foto: DreamWorks/NBCUniversal/Divulgação)

A DreamWorks sempre insere algo de positivo em suas animações. É sob essa certeza que o curador Breno Alexandre Lira Gomes montou um painel amplo, com exibição de 37 filmes, alinhados na programação de Fábrica de sonhos — Mostra de animação. “FormiguinhaZ e O príncipe do Egito foram os marcos iniciais da empresa que revela muita originalidade, no primeiro filme, e que, no segundo filme, demonstra respeito e admiração pela animação clássica. Os filmes da DreamWorks sempre têm algo a dizer, não são só mera diversão pra família”, conta Breno Gomes.

Apresentados em blocos, os filmes trazem, por muitos casos, continuações que confirmam o gosto popular do estúdio que concebeu obras como Kung Fu Panda e Madagascar. “É um tipo de filme que agrada a todo mundo. Como se percebe na série Como treinar o seu dragão, que traz a aventura e a ação para as animações de uma forma bastante interessante. O filme teve partes, uma melhor do que a outra, com uma quantidade de cenas de ação que aumenta progressivamente, acompanhando, por sinal, o crescente de qualidade”, analisa o curador, responsável por mostras anteriores, que marcaram a capital, entre as quais Stephen King: O medo é seu melhor companheiro e El deseo — O apaixonante cinema de Pedro Almodóvar.

Criada por Steven Spielberg, Jeffrey Katzenberg e David Geffen, a empresa DreamWorks projetou inúmeras revoluções no quadro das animações. “Shrek (2001), por exemplo, é um importantíssimo ponto de virada na história do estúdio, pois o sucesso de público e crítica permitiu que novos projetos surgissem”, comenta Breno Lira. Concorrente ao Festival de Cannes, o longa ainda obteve a façanha da conquista de um Oscar de animação, em 2002. O filme trabalhou feições futuras dos produtos da empresa, numa espécie de “marca registrada” para o estúdio.

Shrek passa a ser referência para as próprias produções da DreamWorks, mas também para os demais estúdios de animação. A originalidade na forma de apresentar um novo olhar sob os contos de fadas, que fazem o sucesso, a fortuna e são a base do maior concorrente deles, obrigou até a Disney a rever a forma de apresentar determinados personagens em suas produções. Nada mais é que um recado para todo mundo se aceitar como é, que você será feliz, conseguirá alguém que te ama do jeito que você é”, comenta o curador.

Breno Lira ainda destrinça vários elementos desdobrados em demais produções. “Os sem-floresta é uma ode contra o consumismo desenfreado e contra a má alimentação. FormiguinhaZ e A fuga das galinhas nos lembram dos perigos de se viver em uma sociedade oprimida. Enquanto Abominável fala de laços de amizade e da importância de se preservar espécies ameaçadas”, reforça.


Fábrica de sonhos — Mostra de animação
Centro Cultural Banco do Brasil (SCES, Tr. 2, Lt. 22; 3108-7600). Até 22 de dezembro. Ingressos: gratuitos (com distribuição de senhas, uma hora antes do início de cada sessão). Nesta quarta-feira (4/12), às 9h30, Madagascar (86 min, 12 anos). Às 15h, Madagascar 2: A grande escapada (89 min, livre); às 17h, Madagascar 3: Os procurados (93 min, livre) e às 19h, Os pinguins de Madagascar: O filme (93min, livre).


Duas perguntas // Breno Lira Gomes 

(foto: Lohan Barros/Divulgação)
(foto: Lohan Barros/Divulgação)

Que diferença primordial fundamenta diferenças entre os universos da Disney e os projetos desenvolvidos pela DreamWorks?
Como curador, acho a DreamWorks mais ousada na forma de contar as histórias, de inserir elementos do cotidiano da sociedade e temáticas que às vezes são complicadas de apresentar para as crianças. Com muita inteligência e sutileza, eles nos presenteiam com produções que trazem mensagens de aceitação das diferenças, de respeito ao outro, de diversidade de relações, da pessoa se aceitar e ser feliz como ela é. Eles utilizam de elementos da cultura pop para falar não só com o público infantil, mas principalmente com os adultos. A DreamWorks veio para dizer que animação não é só mero entretenimento de criança. Não que a Disney também não faça isso; mas, de repente, passou a se atentar mais em levar determinadas questões para suas produções.


A diversidade social está representada, de modo acentuado, em que títulos?
É possível vermos isso já na primeira produção do estúdio: FormiguinhaZ. Ali tem uma reflexão sobre sociedade muito interessante e que me impactou bastante em 1998, por se tratar de uma animação de estúdio de Hollywood. O filme está bem atual, pois o vilão do filme tem ideias que podemos interpretar como nazistas, já que pretende exterminar as formigas que considera inferiores em prol daquelas que considera de uma raça superior. Em Madagascar, mostra animais tão diferentes convivendo pacificamente e tendo ainda um casal formado por uma hipopótamo e uma girafa macho é incrível, é querer dizer para o espectador que você pode amar qualquer pessoa. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade