Publicidade

Correio Braziliense

Chico Buarque recebe Prêmio Camões no mês de abril em Lisboa

A maior premiação para escritores de língua portuguesa está marcada para o dia 25 do mês


postado em 04/12/2019 11:55 / atualizado em 04/12/2019 16:03

O músico teve desavenças sérias com o governo ao ser anunciado vencedor do prêmio(foto: MAURO PIMENTEL/AFP)
O músico teve desavenças sérias com o governo ao ser anunciado vencedor do prêmio (foto: MAURO PIMENTEL/AFP)

 
Por sua vasta carreira nas artes, o cantor, compositor e escritor Chico Buarque receberá o Prêmio Camões. A premiação, que é fruto de parceria entre Brasil e Portugal, é o reconhecimento mais importante que um autor de língua portuguesa pode receber no que diz respeito à língua portuguesa. A entrega será feita em Lisboa, em abril de 2020.

Chico é o 13º autor brasileiro a ser premiado. Ele entra para uma lista em que também estão Jorge Amado, Ferreira Goulart e o escritor português vencedor do Nobel da Literatura, José Saramago. O compositor herda o prêmio de Germano Almeida, natural de Cabo-Verde. O último brasileiro que conquistou o Camões foi Raduan Nassar, em 2016.

A premiação de Chico Buarque passou por uma situação delicada quando o atual Presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que não assinaria o certificado se realmente fosse para o cantor e compositor, que abertamente compactua com ideias contrárias às do atual governo. Mesmo com a pressão, o presidente falou que apenas assinaria o certificado do prêmio  “dia 31 de dezembro de 2026”, fazendo menção ao fim de um possível segundo mandato. Chico respondeu afirmando que não ter a a assinatura de Bolsonaro em seu prêmio era “como ganhar dois Camões”.

A carreira de autor de Chico Buarque começou entre o final da década de 1960 e o início dos anos 1970, com a peça Roda Viva e o livro A fazenda modelo. O primeiro romance do artista veio apenas em 1985, com o premiado Estorvo. O escritor conta ao todo com 19 obras entre livros, espetáculos e roteiros para cinema. Entre os romances estão ainda Budapeste (2003), Leite derramado (2009) e O irmão alemão (2014). No teatro, algumas das peças mais conhecidas são Gota d’água (1975), Ópera do malandro (1978) e Grande circo místico (1983). O trabalho em literatura mais recente é Essa gente, publicado este ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade