Publicidade

Correio Braziliense

No ar desde 1960, Silvio Santos mantém seu lugar na cultura brasileira

Na última quinta-feira, o empresário completou 89 anos


postado em 15/12/2019 06:01

Na última terça-feira, o apresentador retomou os compromissos profissionais, depois de se recuperar de uma gripe(foto: Reprodução/Internet)
Na última terça-feira, o apresentador retomou os compromissos profissionais, depois de se recuperar de uma gripe (foto: Reprodução/Internet)

Silvio Santos vem aí. E está mais forte do que nunca. O apresentador, que completou 89 anos na última quinta-feira, se mantém no posto de maior fenômeno da comunicação do Brasil.

“O fato de ser, na origem, um comerciante, e não um homem de comunicação ou político, torna Silvio absolutamente original neste meio. Esta sua origem também ajuda a explicar o perfil da rede de comunicação que ergueu, com pouca ênfase em jornalismo e com programação muito popular, centrada em figuras icônicas como apresentadores. Tanto Silvio quanto o SBT são únicos e inimitáveis”, afirma o jornalista e crítico de TV Maurício Stycer, autor do livro Topa tudo por dinheiro — As muitas faces do empresário Silvio Santos (Editora Todavia), lançado no ano passado.

No dia de seu aniversário, Silvio ganhou homenagem das filhas nas redes sociais. “Que vida linda Deus te deu! O meu coração transborda de gratidão quando vejo você cheio de saúde e entusiasmo brincando, jogando dinheiro, se divertindo e divertindo seu público que é gigante e te ama demais”, escreveu Patricia Abravanel. Daniela Beyruti postou: “Meu pai é um touro guerreiro. Ele não sabe o exemplo que dá através da vida dele”.

Dono de voz e estilo inconfundíveis — provavelmente, está entre os artistas mais imitados do país —, Silvio foi batizado como Senor Abravanel. É o primogênito do casal de imigrantes que veio para o Brasil em 1924 — o grego Alberto Abravanel e a judia Rebeca Caro. Foi na Lapa, no Rio de Janeiro, onde nasceu, que ele iniciou sua trajetória vitoriosa de empreendedor. Aos 15 anos, camelô, já vendia capas para proteger títulos de eleitor nas ruas do bairro carioca.

No fim da década de 1950, Silvio se tornou sócio do Baú da Felicidade. Em 1962, estreou na TV, negociando os próprios produtos no programa Vamos brincar de forca, da TV Paulista (futura TV Globo). Silvio alugava horários na grade da emissora. Em 1963, passou a comandar sua própria atração aos domingos, do meio-dia às duas da tarde. Estava ali o embrião do Programa Silvio Santos, considerado uma das atrações mais longevas do mundo comandada pelo mesmo apresentador.

A grande virada veio em agosto de 1981, com a criação do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). A emissora é vice-líder em vários horários, inclusive com o Programa Silvio Santos. De acordo com o Painel Nacional de Televisão (PNT), na média 24 horas, o SBT registrou 5,1 pontos em novembro, mantendo-se na vice-liderança pelo oitavo mês consecutivo, enquanto a Record obteve apenas 4,6 pontos — foi a pior média do canal desde janeiro de 2018.

Família


O comunicador tem seis filhas dos casamentos com Maria Aparecida, a Cidinha, que morreu em 1977, e Iris Abravanel, autora de vários sucessos da teledramaturgia do SBT — Carrossel, Cúmplices de um resgate e As aventuras de Poliana.

As filhas seguiram o pai, seja como apresentadoras ou executivas. A mais conhecida é Patrícia Abravanel, apontada como a mais parecida com Silvio nos quesitos talento e carisma. Ela comandou as atrações Cante se puder, Máquina da fama e Roda a roda.

Adotada ainda bebê pelo dono do SBT e Cidinha, Silvia Abravanel apresenta o infantil Bom dia & Cia. Rebeca está no Roda roda Jequiti, um dos produtos de maior audiência da emissora. Daniela Beyruti é diretora da TV. Em março, a caçula Renata Abravanel deve assumir o comando do Grupo Silvio Santos no lugar do atual presidente, o primo Guilherme Stoliar. Homem de confiança do empresário há mais de três décadas, o sobrinho decidiu se aposentar.

Cintia Abravanel — que o pai chama de “a filha nº 1” — é diretora do teatro do Grupo Silvio Santos, em São Paulo, enquanto seu filho, o ator, apresentador e cantor Tiago Abravanel, assumiu o reality gastronômico Famílias frente a frente, atração do SBT.

Tudo indica que nenhum integrante da família planeja substituí-lo. “Não acredito nisso (substituição). Nem acho que qualquer pessoa, mesmo as filhas, ambicione isso”, afirma Mauricio Stycer.

Se alguém poderia ser apontado como sucessor natural do “patrão”, pelo menos no papel de comunicador, esse era Augusto Liberato, o Gugu, que iniciou sua carreira ainda muito jovem, aos 13 anos, na produção do Programa Silvio Santos. A partir de 1982, ele estourou com Viva a noite, grande sucesso do SBT.

A morte de Gugu, no fim de novembro, foi um baque para Silvio. Ele chegou a cancelar as gravações de seu programa, mas preferiu não comparecer ao velório e ao enterro do pupilo. Ligou para dona Maria do Céu, mãe de Gugu, disse a ela que estava muito triste.

No ar


Na última terça-feira, o apresentador retomou os compromissos profissionais, depois de se recuperar de uma gripe, e gravou o programa que vai ao ar hoje, às 20h. De acordo com a assessoria de imprensa do SBT, o “Patrão” interagiu com os companheiros de palco e com a plateia — as famosas “colegas de trabalho”. Sorridente, fez selfie com um fã que o abordou na entrada da emissora.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade