Diversão e Arte

360 Graus

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 24/02/2020 04:16
Mariana Cabral, Embaixador Celso Machado, Léa Sayão, Natanry e Antônio Carlos Osorio

Evocação do carnaval

Brasília surgia do nada, em meio à poeira do cerrado e ao sonho frenético de JK.

Nas décadas de 1960 e 1970, o carnaval em Brasília acontecia em clima de grande animação, sendo que os salões do Clube do Congresso (sede urbana) e o Iate Clube de Brasília eram os mais alegres. Era uma sociedade amiga, pequena, que transmitia uma alegria contagiante. O Baile da Cidade acontecia no Hotel Nacional, com desfile de fantasias, de luxo, que vinham do Rio de Janeiro.

Confesso que meu primeiro carnaval em Brasília foi o primeiro carnaval de minha vida, em 1972! Eu vim de uma família muito religiosa. Nunca brinquei e fui sempre contra o carnaval. Fazia retiro espiritual naqueles dias, em oração o tempo todo, todos os anos.

Ao me casar com o Antônio Carlos, que adorava carnaval e era muito animado, ele me contagiou em meio à grande família que se formou aqui naquela época. Aprendi a gostar muito de carnaval e me tornei uma carnavalesca, impregnando nossos filhos, que sempre brincavam no Iate Clube de Brasília. Os adultos iam para a sede urbana do Clube do Congresso.

Tenho saudades daquele tempo e deliciosas recordações.

Pioneira Natanry Osorio, em Brasília desde 1959

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação