Publicidade

Correio Braziliense

Historiador do DF lança curso on-line 'A história não contada do Brasil'

Também músico, arte-educador e radialista Daniel Mioju compartilha conhecimentos sobre cultura e história afro-brasileira para os inscritos


postado em 25/03/2020 17:15

Daniel Mioju compartilha com os alunos sua experiência como pesquisador, músico, radialista e ogã -- arte, cultura e saberes afro-brasileiros(foto: Daniel Mioju/Autorretrato)
Daniel Mioju compartilha com os alunos sua experiência como pesquisador, músico, radialista e ogã -- arte, cultura e saberes afro-brasileiros (foto: Daniel Mioju/Autorretrato)
O historiador, arte-educador e radialista brasiliense Daniel Mioju lançou, nesta quarentena, o curso o-nline A história não contada do Brasil, no qual compartilha conhecimentos sobre as matrizes culturais e filosóficas da umbanda, capoeira e samba, e suas respectivas expressões na contemporaneidade. O curso é dividido em três módulos: Alicerce, com os temas Catolicismo português, Comércio de gente e Caboclaria; Reboco (Aquilombamento, Brasil de dentro e Muganga); e Barracão (Ubanda, Capoeira e Samba).

Formado em história pela Universidade de Brasília, Mioju é percussionista profissional, ogã da religião omolokô e fabricante de instrumentos de percussão. Ensina capoeira, como arte-educador, há 15 anos, e há nove atua na Rádio Cultura FM como sonoplasta, produtor e locutor do programa Barracão. Pesquisa tradições afro-brasileiras desde 2000 e, na UnB, produziu uma pesquisa sobre a história da capoeira em Brasília. “Essa é a minha vida inteira. Nessa quarentena, veio um estalo na minha cabeça de terreirizar o pensamento”, conta o educador.  

Para se inscrever no curso, entre em contato com Mioju pelo telefone 61 99607-9877 ou pelo e-mail barracaodacultura@gmail.com. Qualquer pessoa pode se inscrever no curso, desde que tenha a idade mínima de 16 anos. “Estou atendendo individualmente quem se inscreve. Cada um no seu próprio ritmo de estudo e produção. A vivência individual, ou a falta dela, na cultura popular, também determinam a profundidade das reflexões. Então, é legal porque tem gente que está no mestrado, e gente que não tem formação acadêmica, mas é de terreiro ou professor de percussão, por exemplo”, contabiliza.

O curso custa R$ 150 e tem início no momento em que o candidato se inscreve. Não há limite de vagas e as inscrições estão permanentemente abertas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade