Diversão e Arte

De volta às origens: Gabriel Estrela lança carreira musical sob nome de Gaê

O primeiro trabalho como cantor foi lançado em 2019. Neste ano, o artista já lançou outro single

Adriana Izel
postado em 11/04/2020 10:42
Gabriel Estrela investe na carreira de cantor como Gaê
O brasiliense Gabriel Estrela começou a vida artística em Brasília no teatro musical. A projeção nacional veio em 2015 quando lançou o projeto Boa sorte, espetáculo teatral sobre a experiência do ator ao ser diagnosticado com HIV. A peça colocou a história do candango em voga e o levou a se dedicar a trabalhos sobre saúde sexual.

;Antes de todo o meu trabalho com saúde sexual, com prevenção, eu fui artista. Comecei a fazer piano quando tinha 11 anos. Comecei a cantar aos 13, tudo isso em Brasília. Em 2011, já trabalhava com teatro musical. O que rolou foi que o trabalho com saúde sexual cresceu tanto que o trabalho artístico ficou em segundo plano;, conta em entrevista ao Correio.

[SAIBAMAIS]Após quatro anos nessa área, Gabriel resolveu voltar ao mundo artístico investindo na carreira de cantor e compositor com o projeto intitulado Gaê, que teve início no ano passado com o lançamento da primeira música, Ipê amarelo, no programa Conversa com Bial. ;Quis voltar às minhas origens. Trabalhar a minha música. Faz um ano que estou nesse processo de me entender de novo como artista;, explica.



Em março deste ano lançou outro trabalho, o single Onde está a estrela? gravado em parceria com o mineiro Bemti e escrita pelo pai de Gaê, Antônio Umberto de Souza Jr. A faixa celebra a parceria com Bemti que, junto de Cauê Lemes, produziu os dois primeiros singles do cantor em 2019.

A música seria um pontapé para o primeiro CD, que acabou tendo o lançamento pausado devido à pandemia de coronavírus. ;Estou com todas as músicas prontas. O álbum estaria sendo lançado, mas, ao mesmo tempo, está rolando uma inspiração muito esquisita nesse momento, que acaba sendo inevitável;, explica.

Conceito


A ;confusão; de Gaê vem também porque o disco tinha como proposta um olhar completamente diferente do que se vive hoje. Com canções concebidas desde a época em que estudava na Universidade de Brasília (UnB), em 2010 até um mês da gravação em estúdio, o álbum fala sobre a individualidade. ;Isso é muito louco, porque acabou que a temática que foi me interessando é justamente o oposto do que a gente está vivendo agora. Eu queria muito falar sobre sair de Brasília, que é uma cidade pacata e muito reduzida. Sobre estar em São Paulo, que foi um momento de mudança na minha carreira. E sobre a individualidade no meio disso tudo, de como a gente fica atropelado pelas coisas e como é se afogar e se desafogar em você mesmo;, adianta.

Há três anos em São Paulo, o artista não esconde a admiração e também uma certa estranheza que tem por Brasília. ;Acho que Brasília te coloca num estado muito cartesiano, pela própria geografia da cidade. Eu queria um pouco de bagunça, que era o que eu vivia no teatro de grupo aí em Brasília, que é algo muito performático, inovador e disruptivo;, comenta. Mas admite que a capital o inspira na hora de fazer música. ;Muitas músicas têm modulação e variação de tom, compassos rítmicos, tem uma bagunça, que é essa vontade de bagunçar o concreto, de pintar as paredes brancas de Brasília. Acho que isso aparece na música brasiliense em geral, vejo pessoas como Moara e Paulo Chaves, que também fazem um pouco disso;, completa.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação