Diversão e Arte

Dante Mantovani volta à presidência da Funarte após ser exonerado em março

Agência Estado
postado em 05/05/2020 08:26
O maestro Dante Henrique Mantovani está novamente na presidência da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Após dois meses da sua exoneração, ele voltou ao cargo. A nomeação consta em publicação do Diário Oficial, de segunda-feira, 4, assinada pelo ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto. Mantovani foi demitido no mesmo dia, 4 de março, em que Regina Duarte assumiu a Secretaria Especial da Cultura no governo do presidente Jair Bolsonaro. Regina já havia anunciado a exoneração dele e de outros nomes da secretaria no dia anterior à posse. A primeira nomeação do maestro havia sido no dia 4 de novembro do ano passado, quando foi exonerado o pianista Miguel Angelo Oronoz Proença, ainda na gestão do antecessor de Regina, Roberto Alvim, que foi demitido na sequência após fazer discurso com apologia ao nazismo. Em vídeo sobre o Prêmio Nacional das Artes de 2020, o então secretário da Cultura parafraseou Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler. Polêmicas Especialista em Filosofia Política e Jurídica, Mestre em Linguística, Dante Mantovani mantém um canal no YouTube, em que faz vídeos sobre música e responde perguntas de seus seguidores. Em alguns desses conteúdos, ele faz afirmações que levantam questionamentos. Uma das mais simbólicas ocorreu quando o maestro disse que o "rock ativa as drogas, que ativam o sexo livre, que ativa a indústria do aborto, que ativa o satanismo". Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ele defendeu a lei Rouanet e disse que Bolsonaro valoriza a arte "como nunca antes no País". Outra polêmica se deu quando a Funarte divulgou um edital para anunciar o Prêmio de Apoio a Bandas de Música. O documento chamou a atenção por proibir a participação de alguns tipos de banda, incluindo as de rock. Instabilidade de Regina A segunda nomeação de Dante Mantovani desponta num período em que Regina Duarte vem sofrendo constantes ataques de setores bolsonaristas. Na última semana, Jair Bolsonaro chegou a criticar a secretária. Em conversa com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, o presidente reclamou da ausência de Regina em Brasília, apesar de dizer, em seguida, que também ama a "namoradinha do Brasil". Apesar de afirmar que ninguém no seu governo vive sob tensão, Bolsonaro fez um comentário enigmático quando lhe perguntaram sobre mudanças na equipe. "Só não pode mudar o presidente e o vice, né? O resto..."

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação