Diversão e Arte

Autora de 'Pequenos incêndios por toda parte' fala sobre livro e minissérie

Best-seller 'Pequenos incêndios por toda parte', de Celeste Ng, ganha versão em streaming que estreia nesta sexta-feira (22/5) no Brasil. Com exclusividade ao Correio, autora fala das inspirações e das mudanças na adaptação

Adriana Izel
postado em 22/05/2020 06:02
Original do streaming Hulu, minissérie da obra estreia na Amazon Prime Vídeo
A adaptação de obras literárias para o audiovisual é algo bastante comum, principalmente, se as produções tiveram sucesso nas vendas. Best-seller de 2018, o livro Pequenos incêndios por toda parte (Little fires everywhere, em título original), da Editora Intrínseca, é um desses exemplos. Escrito pela norte-americana Celeste Ng, o material deu origem a uma minissérie homônima protagonizada por Kerry Washington (Scandal) e Reese Witherspoon (Big little lies) ; em que a autora é uma das produtoras ao lado das atrizes ;, que estreou em março deste ano no Hulu. A partir desta sexta-feira (22/5), os oito episódios da trama chegam ao catálogo da Amazon Prime Vídeo para os brasileiros.

;Desde o início, a equipe que montou a série ; Reese Witherspoon e a produtora dela, Hello Sunshine, Kerry Washington e a produtora Simpson Street, a showrunner Liz Tigelaar e todos no Hulu ; tiveram muito amor e respeito pelo livro. Todas as pessoas o leram e pensaram nele com muito cuidado. Gostei de trabalhar e ver como tornaram a minissérie um pouco diferente, adicionando novas camadas aos personagens e explorando temas do livro de maneira ligeiramente distintas, mas mantendo-se fiel ao coração da história. Foi realmente uma experiência maravilhosa;, explica Celeste Ng em entrevista exclusiva ao Correio.

A versão em minissérie acompanha as duas protagonistas do livro: Elena Richardson, vivida por Reese, e Mia Warren, papel de Kerry. As personagens são verdadeiros opostos. Enquanto Elena é uma jornalista sistemática e com os privilégios da classe média alta, Mia é uma mulher negra, artista anárquica, misteriosa, ;quebrada, financeiramente falando; e que muda frequentemente de cidade. As duas foram inspiradas em partes diferentes da própria autora. ;Mia e Elena são muito diferentes, são dois lados da mesma moeda. Ambas são incrivelmente rígidas em seus estilos de vida, apenas veem o mundo de maneiras opostas. Mia é tão fanática por sua arte, como Elena por seguir regras. Tenho partes de ambas dentro de mim: amor ordem e planejamento, como Elena, mas também sou uma pessoa criativa, como Mia, e gosto de quebrar barreiras;, comenta.

A vida das duas protagonistas da obra se entrelaça quando Mia chega até Shaker Heights, cidade de Ohio, nos Estados Unidos, e aluga uma das casas de Elena. A ideia era passar pouco tempo no lugar, apenas o bastante para mais uma das criações artísticas da personagem. No entanto, ao perceber a animação da filha Pearl (Lexi Underwood) com a cidade, ela aceita ficar permanentemente no local. Para bancar a vida no subúrbio, topa trabalhar na casa de Elena, como uma espécie de governanta. A partir daí, os conflitos de valores das personagens entram em combustão dando liga para a narrativa. Sem falar nos caminhos que se cruzam a todo momento, seja num mistério envolvendo a maternidade de uma criança, seja nas relações que os filhos das personagens criam ao longo da história.

Impressões


À primeira vista, tanto o livro quanto a minissérie podem parecer se tratar de um suspense, já que começam a partir de um incêndio para, então, retornar a história que leva até o fato. No entanto, Pequenos incêndios por toda parte nada mais é do que uma história de personagens, em que cada um tem a trajetória delineada ; indo além da dupla de protagonistas e explorando familiares, colegas de trabalho, vizinhos e até a cidade (muito mais do que um cenário) ; e, por meio disso, são inseridos temas como maternidade, racismo, privilégio, sexismo, aborto e sexualidade.

Celeste Ng (c), autora do livro, também foi produtora e roteirista da minissérie

;Quando as pessoas são confrontadas com temas políticas, como aborto, racismo ou sexismo nas notícias ou na não ficção, às vezes sentem que estão sendo ensinadas, fecham as mentes e param de ouvir. A ficção tem a capacidade de criar uma pequena distância mental: o escritor não está falando sobre você, mas sobre personagens inventados. Essa distância permite ao leitor olhar para o problema de maneira mais objetiva. Como escritora de ficção, acho que meu trabalho não é apresentar respostas, mas levantar questionamentos no leitor: ;Eu faria o mesmo que Elena Richardson? O que penso sobre as atitudes de Mia? Por que acredito nisso? Ver esses personagens me faz pensar sobre mim de maneira diferente?;, explica.

Em Pequenos incêndios... não há vilões e nem mocinhos. A obra faz questão de derrubar esses paradigmas. Os personagens são humanos com defeitos e qualidades, com erros e acertos. Cabendo ao leitor ou ao espectador avaliar toda a história contada, que tem momentos surpreendentes, principalmente, quando revela o passado das protagonistas.

Capa do livro Pequenos incêndios por toda parte, de Celeste Ng
Pequenos incêndios por toda parte
De Celeste Ng. Tradução: Julia Sobral Campos. Editora Intrínseca, 416 páginas. Preço médio: R$ 44,90 e R$ 29,90 (e-book).

Celeste Ng se inspirou na vivência em Shaker Heights para criar a história do livro

Entrevista / Celeste Ng


Você morou em Shaker Heights. A história do livro veio de algo que você vivenciou lá?

Escrevi Pequenos incêndios por toda parte porque queria entender a minha cidade natal ; todas as partes boas e não tão boas. A história do romance é completamente inventada, mas minhas experiências em Shaker Heights deram origem aos temas que o livro explora: privilégio, poder e boas intenções vs. deficiências humanas.

O título do livro tem a ver, é claro, com os incêndios que acontecem em pequenas partes da casa, mas também, de certa forma, falam sobre os pequenos eventos até o fato em si. Como foi trabalhar um enredo com tantas perguntas e tanta profundidade em diferentes personagens?

Me senti como um diretor com um elenco muito grande! Foi muito divertido dar a cada personagem tempo nos holofotes. Até personagens muito menores, como o vizinho de Mia, ou o oficial de justiça no tribunal, têm alguns momentos para compartilhar seus pensamentos ou histórias. Eu queria lembrar o leitor de que todo mundo tem sua própria história e vida, mesmo que vejamos apenas uma pequena parte dela esse romance. Ninguém nunca conhece a história completa de ninguém.

Quanto às diferenças entre o livro e a minissérie, o que você achou delas?

Era muito importante para mim que a minissérie tivesse espaço para se tornar algo próprio. Parte da alegria de uma adaptação é que você consegue ver como um artista diferente interpreta a mesma história. Quando os roteiristas sugeriram cada mudança, fiquei realmente empolgada! Existem várias diferenças entre o livro e a minissérie ; alguns menores e outros muito maiores ;, mas para mim todos parecem verdadeiros para os personagens e os temas. Alguns deles, como a sexualidade de Izzy (não abordada no livro) e a escolha por Kerry Washington como Mia (uma atriz negra, no livro não há menção a cor da personagem), permite que a série explore questões que não pude explorar no romance.

Existe uma possibilidade de uma sequência do livro e da minissérie?

No momento, tudo o que sei sobre as famílias Richardson e Warren está escrito. Não tem mais nenhuma história deles para contar, mas é claro que os personagens ainda estão vivos no meu coração. Talvez um dia eles voltem e me digam o que estão fazendo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação