Publicidade

Correio Braziliense

'Pra mim, música é terapia', diz Ricky Martin sobre EP criado na quarentena

Em 'Pausa', Ricky Martin aposta na simplicidade e em parcerias


postado em 06/06/2020 06:00

'Pensei que algo de bom tinha que sair de tudo isso', revela o cantor sobre o novo EP 'Pausa'(foto: Jwan Yosef/Divulgação)
'Pensei que algo de bom tinha que sair de tudo isso', revela o cantor sobre o novo EP 'Pausa' (foto: Jwan Yosef/Divulgação)
Quinze dias após o início da quarentena, quando a “loucura dos primeiros dias” passou, o cantor porto-riquenho Ricky Martin resolveu que “algo de bom tinha que sair disso tudo”. Assim, dedicou-se a produzir e lançar o EP Pausa, que chegou às plataformas digitais em 28 de maio, e faz parte de um álbum completo ainda a ser lançado. “Comecei a ligar para amigos para saber como estavam, falar que eu estava nervoso, e pensei que algo de bom tinha que sair de tudo isso”, revela em entrevista coletiva via Zoom, na qual o Correio participou.

Com seis faixas, Pausa tem início com Simple, música feita há sete meses, mas finalizada no isolamento, por e-mail, em parceria com Sting, ex-vocalista do The Police. A faixa é quase uma premiação ao que se discute hoje: o valor da simplicidade das coisas. Em espanhol, Ricky Martin canta com o amigo britânico “as coisas grandes sempre são simples/ como o amor em uma respiração/ que eu me lembro por que estou vivo/ lágrimas chorei/ isso não significa que estou triste”.

“A música tem um ar de premonição. Se eu escrevesse agora, provavelmente não teria esse vocabulário tão perfeito para descrever o que está acontecendo hoje, porque é muita informação. As palavras de Simple viram para nós um momento de muita calma. Mas não quis ser pretensioso, queria apenas compartilhar um pensamento puro”, classifica.
 
 

A segunda faixa é Recuerdo gravada com Carla Morrison, que escreveu a letra para Ricky Martin e foi convidada por ele para dividir os vocais. O artista ainda compartilha a vivência musical com Pedro Capó em Cae de una; Diego El Cigala em Quiéreme; e Residente e Bad Bunny na última canção do EP, Cántalo. Sozinho, canta apenas Tiburones.

Ele conta que a concepção do EP, lançado de surpresa, foi uma espécie de cura para ele mesmo, até por isso o disco seguiu para uma sonoridade mais lenta e suave do que os trabalhos mais recentes, quando apostava na batida do reggaeton. “Provavelmente porque eu preciso de tranquilidade na minha cabeça, que não tenho. (risos). Pra mim, música é terapia. Quando escrevo música e canto, é liberação e faço algum tipo de autopsicoanálise. Minha cabeça não para”, explica entre risos.

A capa do EP, em que Ricky Martin aparece com as costas nuas em frente a uma parede, também foi uma referência à quarentena, quando ele passou a se dedicar à meditação.

(foto: Jwan Yosef/Divulgação)
(foto: Jwan Yosef/Divulgação)
Pausa
De Ricky Martin. 6 músicas. Disponível nas plataformas digitais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade