Diversão e Arte

Livro sobre gripe espanhola aponta inúmeras semelhanças com dias atuais

Sobre a a pandemia mais letal, do século 20, pesquisador ensina que só há duas soluções quando não se tem a cura para uma doença letal e com capacidade de se alastrar rapidamente: isolamento e informação

Nahima Maciel
postado em 18/06/2020 06:19

Enfermarias lotadas na época da gripe espanhola eram um cenário comum

A vida social foi suprimida, assim como a vida escolar. As pessoas tinham medo de se beijar, as compras eram entregues na porta, as mercearias exibiam uma fita para que os clientes não entrassem e, a certa altura, se decidiu que as máscaras, mesmo as caseiras, podiam ser eficientes para impedir a disseminação do vírus. Covas comuns eram cavadas e o número de óbitos em casa aumentou em progressão geométrica. Não havia lugares nos hospitais nem médicos e enfermeiras suficientes para atender a todos. O ano não é 2020, mas 1918, um momento trágico para a humanidade, quando a gripe espanhola atingiu praticamente todos os países e deixou mais de 50 milhões de mortos, segundo estimativas mais recentes. Aconteceu há mais de 100 anos, mas é surpreendentemente atual a maneira como o mundo lidou com a pandemia.

A história de como a doença afetou o mundo é tema de A grande gripe ; A história da gripe espanhola, a pandemia mais mortal de todos os tempos, livro escrito em 2004 pelo historiador americano John M. Barry e que, agora, desembarca nas livrarias brasileiras com uma narrativa que parece ter sido construída para os dias de hoje. Boa parte do livro fala de problemas que o mundo experimenta com a pandemia do novo coronavírus. As decisões políticas em detrimento da ciência, o distanciamento social como única arma contra o vírus, o colapso hospitalar, famílias inteiras atingidas pela doença, a busca por medicamentos milagrosos sem prova de eficácia se concatenam na construção de um cenário assustadoramente atual.

A gripe espanhola foi causada pelo vírus influenza e atingiu o planeta em várias ondas letais. À época, não se sabia qual era a causa e, durante muitos anos, pesquisadores atribuíram a uma bactéria a gripe que se transformava em pneumonia e matava em consequência de uma síndrome respiratória aguda. Dezenas de tratamentos foram desenvolvidos, alguns mais e eficazes que outros, mas nenhum realmente definitivo. Em um momento em que cadáveres apareciam acumulados em calçada e as mortes se davam, às vezes, em menos de um dia após os sintomas, a urgência de encontrar vacinas e curas se espalhou. Alguns tratamentos tinham base científica, mas muitos, nasciam de desejos políticos e achismos.

Barry se concentra, principalmente, nos Estados Unidos, onde o vírus surgiu pela primeira vez, apesar do nome atribuído à gripe ter colocado a Espanha em evidência. A primeira parte do livro se debruça sobre a história da formação dos médicos americanos entre os séculos 19 e 20. As universidades de medicina tinham pouquíssimo prestígio e as aulas consistiam em eventuais palestras. A teoria vinha à frente da prática e, muitas vezes, era baseada em conceitos atrasados e cientificamente questionáveis. Naquela época, a Europa estava décadas à frente na pesquisa e no ensino da medicina, o que foi fundamental para, mais tarde, avançar em relação a tratamentos, vacinas e a própria identificação do vírus influenza.

Aquelas primeiras décadas do século 20 eram também tempos de guerra e Barry demonstra como uma epidemia pode atrapalhar os planos políticos e ideológicos dos governantes, resultando em descontrole da própria disseminação do vírus. Quando o influenza devastou as tropas americanas ; e foi por elas que a pandemia começou ; Woodrow Wilson, então presidente, ficou bastante irritado com a interferência de um organismo invisível em seus planos bélicos e políticos. Corria o final da Primeira Guerra e os Estados Unidos se preparava para ajudar os Aliados a derrotar a Alemanha. O que era para ser apenas uma gripe, se dependesse de Wilson, se transformou em uma doença letal que matava centenas de soldados por dia com uma pneumonia até então nunca vista.

Para Barry, a gripe espanhola deixou duas lições que deveriam ser aplicadas nos dias de hoje: falar a verdade e distanciamento social. ;Alguns países aprenderam, outros não. Os presidentes dos EUA e do Brasil têm um grande problema em aceitar essas lições, enquanto outros, em outros países, tentaram aplicá-las;, constata o autor. Ele é enfático ao ressaltar a importância da transparência e da comunicação oficiais em situações epidêmicas.

Barry acredita que somente a verdade é capaz de proporcionar informação válida e inspirar confiança na população. Sem ela, qualquer medida tomada pelas autoridades para a contenção da disseminação pode se tornar inútil. ;As consequências são óbvias;, acredita. ;Medidas de saúde pública são a prova do sucesso para conter o vírus e o Brasil se atrasou em implementá-las, principalmente por causa do presidente. E, como resultado, desenvolveu os piores recordes do mundo e pode acabar com o pior recorde mundial. Mais pessoas estão adoecendo e morrendo do que o necessário. Estupidez, teimosia, viés anti-ciência, chame do que quiser, seja lá qual for a razão, ela mata.;


Dependência


Assim como a prescrição de medicamentos com base em pesquisas inconclusivas também pode matar. A descoberta das drogas que ajudaram a humanidade a aumentar sua expectativa de vida é tema de Dez drogas ; As plantas, os pós e os comprimidos que mudaram a história da medicina, do jornalista americano Thomas Hager, outro lançamento que chega em boa hora. O ópio e seu uso indiscriminado a ponto de gerar uma epidemia de dependência, a importância das drogas antidepressivas e ansiolíticas para o conforto de pacientes antes confinados em hospícios, a revolução causada pelos antibióticos e a diminuição significativa de casos de infarto após a descoberta das estatinas são alguns dos alvos de Hager.

Com formação em microbiologia e imunologia, o autor sempre preferiu escrever sobre pesquisas do que realizá-las em laboratório. Hoje, quando olha para a pandemia do novo coronavírus e para a corrida por vacinas e medicamentos eficazes, ele lembra de capítulos de Dez drogas, como o da varíola, que matou mais de 300 milhões de pessoas apenas no século 20 e para a qual nunca se encontrou a cura, embora haja uma vacina. O século 21, no entanto, traz uma novidade: ;A covid-19 é um flagelo terrível, mas apareceu em uma era na qual temos uma forte estrutura de pesquisa já montada, bem equipada e com cientistas altamente treinados em universidades, laboratórios governamentais e empresas privadas de produção de drogas. Isso nos dá um arranque importante na busca de um tratamento efetivo;.

Infelizmente, o que é rápido para um cientista pode parecer lento para o público. Drogas levam, normalmente, anos para serem desenvolvidas e muito tempo para serem testadas antes de ficarem prontas para o mercado. Para Hager, seria surpreendente, mas não impossível, se cientistas encontrassem uma solução efetiva, uma vacina amplamente testada e pronta para o ano que vem. ;Nossa resposta global para essa pandemia é algo muito novo. Nunca a sociedade moderna, com nossas fontes e conhecimento sem precedentes, lutou uma batalha contra uma doença tão desafiadora. A maneira como respondemos vai fazer história;, acredita o autor, que é otimista em relação à descoberta de uma vacina para o coronavírus.

Livro Dez drogas - As plantas, os pós e os comprimidos que mudaram a história da medicina
Dez drogas ; As plantas, os pós e os comprimidos que mudaram a história da medicina
De Thomas Hager. Tradução: Antônio Xerxenesky. Todavia, 336 páginas. R$ 57,15

Livro A grande gripe - A história da gripe espanhola, a pandemia mais mortal de todos os tempos

A grande gripe ; A história da gripe espanhola, a pandemia mais mortal de todos os tempos
De John M. Barry. Tradução: Alexandre Raposo, Carmelita Dias, Cássia Zanon, Livia Almeida, Maria de Fátima Oliva do Coutto e Paula Diniz. Intrínseca, 606 páginas. R$ 59,90


Duas perguntas para John M Barry

No fim da primeira parte do livro, você aponta o quão importante é um serviço de saúde pública estruturado. Você acha que os Estados Unidos administrariam melhor com a pandemia se tivesse um serviço público de saúde que atendesse a todos sem distinção?

Não apenas a Ásia, mas outros países como Alemanha, Áustria, Nova Zelândia e alguns outros mostram que ter uma infraestrutura de saúde pública, distanciamento social e testagem, traçar contatos e por aí vai, pode controlar o surto. Os EUA deveriam ter sido mais eficazes do que foram. O país tem a capacidade de expandir sua infraestrutura de saúde pública. Essas falhas demonstraram o quão importante é ter uma liderança, o quão devastador pode ser uma liderança empobrecida. O público precisa acreditar nos avisos do governo senão não vai segui-los. Em termos de serviços, na verdade, você não pode isolar um caso se você não testa, não pode rastrear os contatos se você não tem pessoal para fazer isso. Logo, sem esses serviços, você não pode exercer controle sobre o surto.


Quando você publicou o livro, em 2004, ainda não havia um cenário pandêmico instalado, mas muitos infectologistas já previam que isso iria acontecer. O senhor está surpreso?

É verdade, a maioria das pessoas envolvidas em estudar doenças infecciosas esperavam uma pandemia cedo ou tarde. Nós tivemos a pandemia de influenza não apenas em 1918, mas em 1957 e em 1968. Depois, tivemos a ameaça da H1N1, a gripe aviária, em 1997 e novamente em 2004. E depois a SARS, a MERS, a H1N! e a Zika. Muitos países, incluindo os EUA investiram pesado em se preparar. Mas ainda falta liderança. Quando começou, eu fiquei com um sentimento de pavor. Desde o início, duvidei da capacidade de Trump de tomar boas decisões. Infelizmente, isso se provou real, apesar de que, se comparada ao Brasil, a situação pareça quase boa por aqui.

Três perguntas para Thomas Hager

Alguns capítulos do livro, como a descoberta da vacina da varíola, são tão relacionados com o que estamos vivendo hoje, com negacionismos, posturas anti-ciência e ideologias à frente de saúde pública; E mais de 100 anos se passaram entre um episódio e outro. A humanidade repete ciclos?

Humanos permanecem essencialmente humanos, não importa quanta mudança tecnológica haja em torno deles. E é parte de ser humano resistir à mudança, questionar novas tecnologias, lutar contra o que não é familiar. Há 250 anos havia um movimento antivacina muito ativo contra a vacina da varíola, um dos avanços médicos mais benéficos da história, porque causava algumas mortes ocasionais. E hoje as pessoas acham que as quarentenas da covid-19 são terríveis porque interrompem a vida diária. Há 120 anos algumas pessoas tinham medo de levar a eletricidade para suas casas e hoje algumas têm medo da tecnologia 5G.Isso não é bom ou ruim: é simplesmente parte de ser humano fazer perguntas e oferecer críticas. Isso é parte essencial da bagunça. É de modo argumentativo que humanos progridem. AO mesmo tempo, apesar de nem sempre ser um processo racional e simples como eu gostaria, o resultado, eventualmente, é o progresso.

Você acha que estamos próximos realmente de encontrar uma terapia e uma vacina para a covid-19?

Sim. Sou otimista de que vamos, eventualmente, desenvolver uma vacina para a covid-19 (o quão será efetiva nós veremos) e fazer avanços em terapias antivirais. O ponto de virada será quando vermos a publicação de uma quantidade grande de estudos bem conduzidos demonstrando o que realmente funciona e o que não funciona. Estamos vendo apenas as primeiras levas do que promete ser uma onda de estudos nos próximos meses. Até termos informação suficiente de estudos médicos em larga escala, não há como dizer o que realmente funciona. AS pessoas se animam com um ou outro estudo, mas nenhuma é definitivo. Precisamos analisar muitos estudos e isso leva tempo. No entanto, esse simples fato não vai evitar que as pessoas fiquem entusiasmadas porque uma celebridade ou um político anunciou que funciona. E esse é uma show à parte que pode nos desviar do trabalho real de encontrar maneiras seguras de conviver com o vírus (a curto prazo) e da cura (a longo prazo).

Como você observa essa tendência de certas autoridades prescrever drogas que ainda não foram suficientemente testadas?

Política é política e ciência é ciência. Eu não iria querer conselhos políticos de médicos, assim como não quero conselhos médicos de políticos. Dito isso, políticos têm a responsabilidade de exercitar o bom julgamento quando se trata de manter os cidadãos seguros. Eu acredito que políticas deveriam ser baseadas em evidências, não em desejos. E me parece que o presidente americano tem promovido a cloroquina por motivos políticos, não científicos. AS pessoas adoram argumentar sobre isso, mas o fato é que nós não saberemos se a HCQ tem um efeito benéfico no tratamento da covid-19 até termos estudos sérios feitos a respeito e publicados. E, até agora, parece não ter muito efeito.


Um dos temas do livro também é a maneira como trabalha a indústria farmacêutica, No caso de um tratamento para o novo coronavírus, como você acha que vai ser a postura da big pharma cujos lucros são enormes e fruto de lobbies e interesses econômicos?

A indústria farmacêutica se engaja em projetos cujo lucro possa justificar o enorme investimento em pesquisa. O escopo e a urgência da pandemia de covid-19 significam que tratamentos efetivos vão vender muito bem em um mercado global por anos: o lucro potencial é enorme, logo, muitas companhias grandes estão trabalhando em encontrar vacinas e drogas efetivas para as terapias de cura. Uma vez que uma terapia foi descoberta e aprovada, a questão será como as companhias vão distribuí-la e por quanto.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação