Diversão e Arte

Scalene lança 'Fôlego', disco feito durante a pandemia

Ao Correio, Gustavo Bertoni, vocalista do grupo, fala sobre o EP 'Fôlego' gravado a distância pelo quarteto

Pedro Ibarra*
postado em 27/06/2020 08:03
 (foto: Matt Magrath/Divulgação)
(foto: Matt Magrath/Divulgação)
Banda Scalene
Em quarentena, os membros da Scalene decidiram usar o tempo em casa para criar. Do ócio criativo saiu Fôlego, um EP de cinco faixas sobre o que eles têm passado no período e concebido completamente a distância pelos membros da banda. Este é o segundo trabalho da banda em 2020 e segue uma linha muito similar ao Respiro, álbum lançado em 2019.

;Esse EP começou como algo mais despretensioso. Pensamos: ;Vamos fazer um EP caseiro e ver o que sai disso;. Ele é sobre o que estamos sentindo na quarentena;, lembra Gustavo Bertoni, vocalista e um dos guitarristas da banda. ;Só que a gente não consegue fazer as coisas assim, principalmente eu, talvez;, brinca o músico com o próprio perfeccionismo. ;Falei: ;Galera, eu entendo que possa ter essa pegada mais caseira, mas a gente tem muito recurso acessível, mesmo nesse processo. Então, vamos meter bronca.;;, completa.

[SAIBAMAIS]A Scalene estava em meio a uma turnê do último disco, Respiro, quando as proibições de aglomeração e as regras de distanciamento e isolamento social foram impostas. Assim, Fôlego surge como uma forma de aproximar a banda dos fãs em um período de clara separação. ;Uma forma também de colocar uma coisa nova na praça para os fãs terem o que escutar nosso durante este ano;, explica Gustavo.

Segundo o artista, cada um fazia uma parte e enviava para o outro continuar e alterar o que achasse necessário. ;Rolou uma confiança mútua que sempre foi muito presente, mas que, desta vez, numa proporção maior;, conta o vocalista. No entanto, o fato de ser caseiro e a distância não alterou em nada na entrega de um bom trabalho. ;Um EP que não deixou a desejar em nenhum aspecto em relação aos nossos outros lançamentos;, lembra Gustavo Bertoni. ;De qualidade ficou o melhor que poderia ficar. Isso dá muito orgulho;, completa.

A mensagem no entanto permanece como um dos pontos altos da obra. Por mais que de forma sutil e leve no instrumental, a Scalene encontrou formas de gritar em um canto suave o que incomoda. ;Isso de ser uma coisa incisiva forte, mas, ao mesmo tempo, com uma entrega mais afável, tem muito a ver com a MPB;, pontua o artista.


Futuro


Mas a fase MPB da Scalene vai ficar suspensa após o novo EP. Quando Fôlego foi lançado, Gustavo compartilhou nas redes sociais que esse seria o último da fase mais leve da banda, por enquanto, e que o rock mais pesado retornará em breve. ;Sendo muito sincero, a gente gostou muito de fazer o show do Respiro, mas não tanto quanto os shows pesados, e só saberíamos isso indo lá e fazendo. Acho que é do DNA da banda, da proposta e da relação que a gente criou com os fãs fazer essa coisa mais catártica, é bom sair do show suado, rouco;, conta.

Solo


Ontem, Gustavo Bertoni voltou a lançar uma canção de forma solo. Cantando em inglês, assim como a maioria do que apresenta na empreitada sozinho, o músico divulgou Waves, primeiro single do The fine line between loneliness and solitude, terceiro álbum de estúdio do cantor gravado em Berlim, antes da pandemia. O disco tem previsão para sair em julho.

;Eu pensei muito sobre o folk no contexto que a gente está. Eu sou brasileiro, moro no Brasil, no 31; andar de uma metrópole. Não é como se eu estivesse fazendo folk e olhando para um quintal;, rememora o artista. ;Então Waves e esse álbum têm esses elementos mais urbanos de sintetizadores e texturas e ruídos;, completa.

SERVIÇO
Capa do EP Fôlego
Fôlego
Novo álbum da Scalene. Slap, 5 faixas. Disponível nas plataformas digitais.

*Estagiários sob supervisão de Igor Silveira

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação