Diversão e Arte

Museu das Comunicações e Humanidades (Musehum) ganha plataforma digital

Visitantes terão acesso a cerca de 3800 itens, muitos deles exibidos ao público pela primeira vez

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 06/07/2020 19:25
 (foto: Musehum/Divulgação)
(foto: Musehum/Divulgação)
O modelo de telefone JK, ícone dos anos 1950 e 1960, faz parte do acervo do Musehum, agora disponível em plataforma on-line
A Oi Futuro lançou uma plataforma virtual na qual disponibiliza todo o acervo do Musehum (Museu das Comunicações e Humanidades). Reinaugurado após uma atualização das instalações em janeiro, o Museu teve as atividades interrompidas pelo cenário de pandemia, o que acelerou as atividades de digitalização do acervo.

Agora, o visitante tem acesso, virtualmente, a mais de 3800 itens, entre fotografias históricas, objetos e documentos. A maioria do acervo nunca foi exibido na exposição permanente, que tem cerca de 450 itens, seja por cuidados de preservação ou pelas dimensões, que inviabilizam o transporte e a exibição física. O acervo completo conta com mais de 130 mil itens.

[SAIBAMAIS]O museu virtual está hospedado na plataforma Tainacan, certificada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e alinhada com padrões internacionais de classificação e segurança de acervo. Os visitantes podem apreciar as peças em alta qualidade de digitalização e ter acesso a dados históricos. A plataforma permite fazer uma pesquisa por meio de filtros ou seguir uma das trilhas de navegação oferecidas pelo site, como se fosse uma visita guiada.


O Musehum


O Musehum conta a história do desenvolvimento tecnológico das comunicações a partir da ótica das relações humanas. O projeto é uma evolução do Museu das Telecomunicações, em atividade há 13 anos, que teve as instalações totalmente remodeladas em função da nova proposta conceitual.

A instituição nasceu como Museu do Telephone, inaugurado em 1981 no prédio centenário da Rua Dois de Dezembro, onde funcionava a estação telefônica Beira-Mar, uma das principais do Rio de Janeiro nos primórdios da telefonia brasileira. Em 2007, o museu ganhou uma perspectiva mais ampla virando o Museu das Telecomunicações, passando a abordar a expansão da internet, da telefonia celular e da indústria de telecom.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação