Diversão e Arte

K-pop e o ativismo na internet

postado em 08/07/2020 04:20
Fãs de k-pop se engajam em questões políticas e sociais nas redes sociais



O ativismo on-line dos fãs de pop coreano não é novidade. No entanto, nas últimas semanas os stans ; como são chamados os ávidos fãs do gênero ; movimentaram a internet com reivindicações políticas e sociais.

;O fandom do k-pop internacional e além-Ásia. É ativo há pelo menos duas décadas, quando a Onda Coreana começou a se expandir para o mercado global de forma mais concreta e bem-sucedida. Como um grupo formado por cidadãos de diferentes idades, raças, gênero, contextos culturais, religiões e nacionalidades, os fãs fazem parte das sociedades nas quais estão inseridos e estão suscetíveis a diversas questões sociais que lhes são caras ou problemáticas. O ponto aqui é que ser fã não significa que é necessário estar diretamente envolvido em lutas de causas sociais, que, para boa parte dessas pessoas, fazer parte de uma comunidade em que elas possam se expressar e serem aceitas do seu jeito é prioritário, revolucionário e, obviamente, importante como indivíduos e partes ativas da sociedade;, conta a doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, com pesquisa focada em Estudos asiáticos e Hallyu, Daniela Mazur.

;Por isso, do ponto de vista ocidental, ser fã de k-pop já é um ato político por si só, porque dá conta de um universo que não é centrado nos ideais ocidentais ou branco: é o consumo de uma cultura amarela, asiática e não falante do inglês;, completa a pesquisadora.

Apesar de não ser um grupo homogêneo, nos últimos dias, a comunidade se uniu para levantar algumas pautas. Nos Estados Unidos, os k-poppers tentaram esvaziar o comício do Presidente Donald Trump, em Oklahoma, em 20 de junho. Os fãs do gênero junto aos usuários do TikTok afirmaram ser responsáveis pelo baixo público do evento. Eles fizeram o registro on-line para participar do palanque, mas não compareceram a fim de boicotar o comício. No entanto, o porta-voz de Trump, Tim Murtaugh, afirmou em comunicado que o registro ao comício não significava presença. O uso do espaço on-line para trocas e consumo dos conteúdos de k-pop é essencial para os fãs. Eles usam a internet para troca de informações, organização de eventos, tradução de conteúdo e outras atividades que rondam os fãs-clubes.

Com a proximidade da internet, no mês passado, os stans também protestaram nas redes sociais contra o racismo e a violência policial durante o ápice da onda de protestos Black Lives Matter ; em tradução livre, vidas negras importam. A polícia de Dallas pediu para os cidadãos enviarem vídeos de atividades ilegais de manifestantes durante os protestos. E os ativistas encheram o software com vídeos do universo do gênero musical, como apresentações e momentos das bandas BTS, Blackpink, EXO e Red Velvet. O material foi tão grande, que o aplicativo travou. ;No caso da comunidade k-popper, outras pautas caras ao fandom podem se apresentar e se tornar ativismo em favor de causas sociais, já que o know-how de como impactar o cenário on-line faz parte do dia a dia e é implementado nessas ações;, afirma Mazur.

*Estagiária sob supervisão de Igor Silveira



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação