Publicidade

Correio Braziliense

Após ter suposta foto íntima vazada, Tiago Iorc opta pelo silêncio

Cantor brasiliense protagonizou a tag irônica "Eu amei te ver", nome de sua música usada para resumir reação de internautas a nude vazada


postado em 15/07/2020 22:14 / atualizado em 15/07/2020 22:15

(foto: Reprodução/Instagram)
(foto: Reprodução/Instagram)
O cantor Tiago Iorc preferiu não desmentir e nem confirmar a veracidade da foto íntima atribuída a ele que tomou conta das redes sociais desde a última terça-feira (14/7). O cantor brasiliense continua sem se manifestar após o suposto vazamento de nude no Twitter. O silêncio foi a opção do artista desde a última polêmica em que se envolveu, por conta de direitos autorais de músicas do duo Anavitória, em junho deste ano.

Apesar de também não ter falado sobre o assunto em seu Instagram, fãs encheram a timeline do compositor de comentários sobre a polêmica em sua última publicação, há dois dias. A imagem compartilhada na rede social não aparece o rosto de Iorc, não sendo possível ter certeza de que a foto realmente é dele ou se seria uma montagem, já que a rede social dele teria sido o veículo da suposta postagem que originou a polêmica. 

Mas para os fãs, o episódio já foi o suficiente para a criação de diversos memes sobre a situação, incluindo o levantamento aos trending topics do título da canção “Eu amei te ver”.


Além da polêmica, compartilhar vazamentos pode ser crime

Nesta quarta-feira (15/7) outra polêmica foi gerada no Twitter sobre a situação do cantor: "se fossem nudes femininos, qual seria a repercussão?". O argumento foi utilizado ao chamar os usuários de hipócritas, por tratarem a situação de forma totalmente oposta do que aconteceriam caso a situação fosse com uma mulher.
 
De acordo com a lei 13.718/2018, sancionada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, publicar, compartilhar ou vender imagens ou vídeos relacionados a sexo pode ser crime de importunação sexual. A pena pode ser de cinco anos de prisão.

O Código Penal brasileiro também proíbe a exposição de alguns conteúdos:

  • Fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual com cena de estupro, de estupro de vulnerável ou que faça apologia ou induza a essas práticas; 
  • Cena de sexo, nudez ou pornografia sem o consentimento da vítima. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade