Diversão e Arte

Niecy Nash fala ao Correio sobre o filme 'Raptada por minha própria mãe'

'Raptada por minha própria mãe' estreia neste sábado (18/7) no canal Lifetime

Pedro Ibarra*
Pedro Ibarra*
postado em 18/07/2020 15:30
''Na história você vê uma mãe sendo julgada, a outra que é uma estranha para filha e uma jovem sofrendo. Isso a torna de quebrar o coração'', fala Niecy Nash
O caso real da jovem Kamiyah Mobley, que aconteceu em 1998 e tomou as manchetes dos Estados Unidos em 2017, recebe uma adaptação cinematográfica. O longa Raptada por minha própria mãe, apresenta a história da menina que foi roubada na maternidade e criada pela mulher que a tirou da própria família (uma história que remete ao Caso Pedrinho). O filme é atração do canal Lifetime e estreia neste sábado (18/7), às 20h30.

O longa é estrelado por Rayven Symone Ferrell no papel de Kamiyah, e Niecy Nash, vivendo Glória Williams, a mulher que sequestrou e criou a menina. Tem direção de Jeffrey W. Byrd e produção da apresentadora Robin Roberts.

Um dos principais focos da produção está na discussão da maternidade: a sequestradora Gloria Williams exerceu o papel de mãe durante toda vida de Kamiyah, enquanto esta nunca conheceu a mãe biológica. ;Essa mulher queria um bebê de qualquer forma, queria tanto que decidiu pegar um que não era dela;, afirma Niecy Nash, atriz com extensa carreira em televisão, tendo trabalhado por anos na série de comédia Reno 911 e encontrado uma visibilidade mais recente na minissérie Olhos que condenam, pela qual concorreu ao Emmy de melhor atriz coadjuvante. ;As duas mulheres tem falhas, mas as duas amavam as próprias crianças;, expõe Nash em uma comparação entre o trabalho no filme e na série limitada da Netflix.

A história foi uma cobertura de Robin Roberts para uma edição do Good Morning America, programa do qual é apresentadora. Quando ela fechou uma parceria com Lifetime para fazer filmes de casos reais, escolheu esse por ser uma complexa forma de entendimento de relações familiares. ;Não há vitoriosos na história, ela é muito poderosa e é de incrível amor. A família biológica a amava, mas nunca teve a chance de conhecê-la, enquanto a família que a sequestrou, no caso Gloria, não tinha ideia, Gloria guardou como segredo;, explica a apresentadora de tevê. ;Eu queria entender as camadas, as diferentes formas que as pessoas amam e de onde isso vem;, completa.

A personagem de Gloria Williams ganha a cena pela humanidade e compaixão de como foi interpretada. ;É uma performance digna de prêmios; diz Robin Roberts. ;É difícil interpretar papéis de pessoas que ainda estão vivas;, pontua Niecy Nash. ;Você quer ter certeza que você está ali protegendo a imagem de pessoas viva. Então, é necessário estar muito atenta, muito intencional para fazer tudo da forma certa;, conta a atriz.

*Estagiário sob supervisão de Igor Silveira

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação