Diversão e Arte

'Algoritmo' apresenta ficção sobre o uso de dados pessoais pelo governo

O filme tem pré-estreia no canal do YouTube da Forest Comunicação

Pedro Ibarra*
postado em 06/08/2020 09:00 / atualizado em 22/08/2020 10:12

O futuro distópico em que o governo usa os dados das pessoas para  observá-las é apresentado no curta 'Algoritmo', de Thiago ForestiUma crítica contra a forma como os dados pessoais no mundo virtual podem ser monitorados e usados para controlar e mapear uma sociedade. Esse é o mote do curta Algoritmo, do diretor brasiliense Thiago Foresti, vencedor do prêmio Saruê, oferecido pelo Correio Braziliense, em 2019, no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O filme tem pré-estreia no canal do YouTube da Forest Comunicação.

 
[SAIBAMAIS]Na fita, um sistema operacional chamado Umbra investiga Nicole (Agda Couto), uma estudante de veterinária de 19 anos e pessoas ligadas a ela. A história se passa em futuro distópico em que o governo de um general usa aparelhos com acesso à internet para vasculhar a vida de pessoas e desaparecer com a oposição e movimentos sociais.
 
;O filme é uma ficção, mas pode se relacionar com o uso de dados por plataformas para envio de notícias falsas de forma segmentada;, afirma Thiago Foresti que percebe certa similaridade do que foi apresentado no filme com o que está sendo discutido no Projeto de Lei 2.630/2020, conhecido popularmente como PL das Fake News. ;Por mais que tenham coincidências, é uma história fictícia, outro universo e outra Brasília;, completa Foresti.
 
Cartaz do curta 'Algoritmo'
 
;O filme parece ser algo muito distópico e distante da nossa realidade, mas a astúcia do roteiro é te revelar aos poucos que essa realidade não é tão distante assim. Até onde vai a nossa liberdade e privacidade?;, conta Agda Couto. A intérprete de Nicole ainda pontua que por mais que se passe no futuro a discussão é atual. ;Confiamos as nossas informações à internet, postamos as nossas rotinas e não pensamos para onde vai e se é, de fato, seguro;, reflete a atriz.
 
A história gira em torno da personagem Nicole que não acredita que é vigiada pelo governo, mas passa a ser investigada por um descuido nas falas e interações virtuais. A Umbra passa a entendê-la como suspeita de subversão, mas ela só não vê maldade nos comandantes do país. ;Eu acredito que isso seja bem atual, a falta de consciência política acaba colocando todos nós em um desgoverno;, avalia Gui Clevitta, ator que interpreta Estevão, um importante militante no curta.
 
O filme foi uma produção independente de baixíssimo orçamento, todas as cenas foram gravadas com câmeras de celular. No entanto, a produção simples não impede o grupo de pensar alto. ;Temos planos de tornar este curta uma série, já temos roteiros prontos para alguns outros episódios e ideias de como seria uma continuação do curta;, conta o diretor, que também acredita que a história terá apelo até fora do país.

*Estagiário sob supervisão de Igor Silveira

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação