Publicidade

Correio Braziliense

Setor de fitness busca profissionalização

 


postado em 18/08/2008 08:30 / atualizado em 18/08/2008 08:33

A indústria do culto ao corpo quer transformar suor em resultados. Para isso, está disposta a enfrentar seu principal gargalo: a escassez de gestores profissionais nas academias de ginástica. Durante a 13ª Convenção Brasília Capital Fitness, encerrada ontem, empresários do Distrito Federal e de outras partes do país discutiram formas de superar dificuldades e melhorar a gestão. O encontro reuniu especialistas em administração de empresas, organização de pessoas e marketing, além de profissionais de educação física e grandes fabricantes de equipamentos, roupas, alimentos e bebidas. Nos dois dias do encontro, cerca de 50 mil pessoas passaram pelo Centro de Convenções. Entre R$ 4 milhões e R$ 5 milhões foram fechados em negócios. Atualmente, 150 mil pessoas freqüentam as academias do DF, segundo a Associação Brasiliense das Academias de Atividades Físicas (Abaaf). O Distrito Federal é o terceiro pólo no país, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro. “O mercado é excelente, os empresários é que precisam avançar”, resumiu Fábio Padilha, diretor do BsB Fitness Eventos. Potencial não falta ao Brasil. No país, apenas 2% da população sai de casa para malhar — nos Estados Unidos o índice é de 13%. Há 7 mil academias (479 só no DF) em funcionamento e horizontes bilionários ainda inexplorados. Não é por falta de financiamento que o setor não deslancha. O BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, por exemplo, oferece linhas específicas com taxas e prazos especiais. “Tem dinheiro demais”, completa Padilha. O investimento inicial para abrir uma academia pode chegar a R$ 1 bilhão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade