Publicidade

Correio Braziliense

Concursos que correm o risco de cancelamento

 


postado em 21/10/2008 08:20 / atualizado em 21/10/2008 08:42

Os concursos estão na mira dos cortes orçamentários de 2009. O Ministério do Planejamento espera economizar R$ 3 bilhões, deixando de preencher até 64,5 mil postos no próximo ano. A notícia assusta os candidatos que lutam por uma dessas oportunidades, mas não convence céticos professores e especialistas defensores da teoria de que os impactos da crise financeira mundial serão mais brandos. O Correio fez um levantamento dos principais concursos que correm riscos, a maioria deles já tem edital autorizado. O montante financeiro anunciado pelo relator do projeto do Orçamento da União, senador Delcídio Amaral (PT-MS), é uma parcela significativa do fundo de reserva anticrise que o governo federal quer criar, acumulando entre R$ 7 bilhões e R$ 12 bilhões. Alheios às oscilações do mercado, milhares de concurseiros estão assustados e buscam informações que indiquem ser uma tentativa exagerada de conter gastos. O estudante Lucas Lima de Oliveira, de 20 anos, faz parte desse grupo. “Ninguém sabe o que vai acontecer, qual deve ser o próximo passo”, afirma. Desde o início de 2007, ele divide o tempo entre o curso de engenharia ambiental e as aulas no cursinho. “Quero passar em um concurso para pagar minha faculdade. Mas com essa confusão até desanimo de estudar”, confessa. Mônica Valéria do Lago, de 27 anos, é formada em jornalismo e está aguardando ansiosa a seleção do Ministério Público da União. “Os professores comentam que a previsão é sair ano que vem. Fico em dúvida.” Sem trabalhar desde que se formou, em 2006, Mônica conta com o apoio da mãe e da irmã. “Estudar para concurso é muito caro. Estou tentando passar em vagas de nível médio para depois investir na minha área que tem poucas oportunidades”, diz. Vacas magras A diretora executiva da Associação Nacional de Apoio aos Concursos (Anpac), Maria Thereza Sombra, não aposta que vá existir uma “retaliação” aos concursos. “São três motivos: substituição de terceirizados, reposição de aposentados e demandas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Nada disso o governo vai mexer”, afirma categórica. “Acho que é um alarde maior do que precisa. A crise pode interferir adiando datas de editais, por exemplo, mas não acho que vá atingir tantas vagas”, complementa o professor de direito constitucional, André Alencar. Os dois concordam que esta apreensão é semelhante à que se instaurou quando a Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF) acabou, no início do ano. “Esse filme já vi acontecer”, tranqüiliza Alencar. A LISTA Os concursos ameaçados nos cortes do Orçamento de 2009 Autorizados: Ibama ICMBio Inmetro Anatel Hospital das Forças Armadas Ministério da Defesa Ministério de Relações Exteriores Ministério da Educação Ministério do Trabalho Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Meio Ambiente Agência Nacional de Transporte Aquaviário Agência Nacional de Águas Agência Nacional do Cinema Comissão de Valores Mobiliários Ministério de Minas e Energia Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Esperados: Universidade de Brasília Polícia Federal Petrobras INSS Ministério Público da União Receita Federal PAC Social* Susep* Anvisa* Banco Central Abin * Criação de vagas previstas para este ano e tramita no Congresso (Fonte: Ministério do Planejamento, Câmara dos Deputados e Senado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade