Publicidade

Correio Braziliense

Petróleo fecha em alta com plano de recuperação chinês

 


postado em 10/11/2008 19:02 / atualizado em 10/11/2008 19:07

Dando prosseguimento a uma tendência iniciada na sexta-feira, os preços do petróleo ganharam pouco mais de um dólar nesta segunda-feira (10/11) em Nova York, sustentados por um plano de recuperação econômica anunciado pela China. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de 'light sweet' para entrega em dezembro fechou em US$ 62,41, um aumento de US$ 1,37 dólar em relação ao fechamento de sexta-feira. Em Londres, o barril do Brent do mar do Norte, com igual vencimento, subiu US$ 1,73, tendo sido cotado a US$59,08. O mercado foi estimulado pelo plano de recuperação da economia chinesa anunciado domingo. Este plano, que prevê a injeção de quatro trilhões de yuans (455 bilhões de euros), "vai reforçar o crescimento do país", destacou Bart Melek, da BMO Capital Markets. Os temores sobre a demanda de petróleo provocaram a queda dos preços em plena crise, e as preocupações dos investidores são grandes frente à desaceleração do crescimento do gigante econômico chinês. Soluções "No ano passado, a China reagiu a uma economia superaquecida e ao início de crescimento imobiliário por uma contração do crédito, e chegou ao resultado desejado. Porém, as autoridades do país provavelmente ficaram surpresas com a conntração acelerada da demanda interna, conseqüência da desaceleração mundial", observaram os analistas da MF Global. "A China terá dificuldades para voltar a um crescimento de dois dígitos nos cinco próximos anos", avisaram. De um modo geral, os investidores foram tranqüilizados pela vontade demonstrada por vários países de encontrar soluções para reerguer economias à beira da recessão, frisou Bart Melek. Domingo, em São Paulo, os países do G-20 assumiram o compromisso de fazer o máximo para restabelecer a estabilidade e a confiança, e a reformar profundamente o sistema financeiro internacional, dando mais importância às economias emergentes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade